domingo, 1 de novembro de 2015

Saturno em Escorpião no Mapa Natal, por Adrian Ross Duncan

Saturno estava em Escorpião nos anos 1923-26, 1953-56 e
1982-85. Havia nessas épocas grandes preocupações com
ameaças sociais, econômicas ou militares, além de profundo
interesse pelas coisas ocultas, pelo poder e pela corrupção.
Um grande elemento de paranoia perturbava a sociedade.
Quanto a expressar essa influência na sua escolha de uma
carreira, você poderá lidar com o poder no seu nível mais
elevado, e também ter capacidade para erradicar da sociedade
as práticas corruptas ou ineficientes. Por outro lado, poderá
sentir que está sendo submetido você mesmo a abusos
prejudiciais e desagradáveis de poder. Isso talvez venha a se
evidenciar especialmente no seu contato com figuras ou
instituições que representem o poder político ou a autoridade
na sociedade. Assim, você pode encontrar-se de qualquer dos
lados do equilíbrio do poder. Se você lida com finanças,
trabalhará em algum momento com processos de
racionalização, ou talvez tenha que lidar com perdas
econômicas ou falência. Na sua carreira, poderá envolver-se
com instituições que necessitem de sigilo, ou poderá exercer
ação psicológica em camadas profundas.

Você nasceu em um tempo em que estava havendo um peso
no espírito coletivo, com muitos medos irracionais, e
provavelmente integrou esse espírito em sua própria natureza
emocional. Tem uma profunda disciplina emocional e um senso
de poder controlado. Os relacionamentos emocionais íntimos
são extremamente importantes para você, mas pode ter grande
dificuldade em abrir as comportas das suas próprias emoções.
O medo de perdas emocionais o compele a exercer um
controle quase hipnótico em parcerias íntimas.

É ao mesmo tempo impelido a investigar as mais profundas
motivações emocionais dos outros e bastante paranoico
quando se trata de revelar as suas próprias motivações. Existe
em você uma particular fascinação pelos tabus sexuais e uma
grande necessidade de superar os seus bloqueios sexuais. É
importante para você substituir o medo pela confiança e
cultivar uma atitude emocional relaxada, em vez de se esgotar
tentando controlar o incontrolável.