sexta-feira, 2 de junho de 2017

A História da Astrologia Tradicional em Poucas Páginas (1), por Benjamin Dykes

Nós astrólogos gostamos de falar sobre a antiguidade do que fazemos, mas muitas pessoas não sabem muito sobre as práticas e as pessoas que realmente fizeram a nossa história ao longo dos últimos 2.000 anos. Não se preocupe, eu não estou querendo oprimi-lo com nomes e datas! O Apêndice A direciona para livros sobre esse tipo de coisa. neste capítulo eu, simplesmente, quero dar um esboço dos períodos básicos e citar algumas "necessárias" figuras desses tempos. Isto lhe dará uma orientação geral sobre a nossa herança.

Na minha maneira de ver, o período de astrologia tradicional durou de cerca de século 1 aC no Mediterrâneo, ao século 17 na Inglaterra e na Europa continental, começando com obras em grego e terminando em Inglês e Latim. (Há algum desacordo sobre exatamente quais datas e pessoas definem os ensinamentos deste vasto período) Mas eu devo deixar claro que estou falando sobre astrologia "horoscópica" aqui: isto é, astrologia que usa mapas com um Ascendente (em vez de astrologia baseada em presságios). Este é o tipo que praticamos, com seu uso propriamente dito de planetas, dignidades, sinais, casas, aspectos, e um número de técnicas preditivas que você já conhece. Eu não vou discutir a Babilônia antiga ou pré práticas egípcio-helenísticas (cuja exata natureza e história são controversos).

Período Helenístico (século 1 aC - século 6 dC)

Nosso primeiro período começa no mundo greco-romano, particularmente em Alexandria. Na época da conquista do Egito e do Oriente Próximo, Alexandre, o Grande, nos 330's BC, pelo menos alguns horóscopos de astrologia natal estavam sendo praticados. Mas, pelo século 1 aC, egípcios, babilônicos e práticas persas compuseram e  aprimoraram o complexo sistema de astrologia entendemos hoje: signos, casas, planetas, regências, aspectos, vários métodos preditivos, os lotes (ou "partes árabes"), as divisões dos planetas em maléficos e benéficos, planetas diurnos e noturnos, e assim por diante. Porque as conquistas de Alexandre, mais ou menos, unificaram toda a região através da cultura helenística e a língua grega, havia muitas abordagens diferentes para a astrologia e eram amplamente disponíveis em livros de língua grega.

Realmente, a energia do mundo astrológico foi centrada na cidade egípcia de Alexandria, com sua famosa biblioteca: a partir daí temos dois dos mais famosos escritores da astrologia antiga: Claudius Ptolomeu e Vettius Valens (embora parece que não se conheceram). Um dos mais famosos livros de astrologia deste período teve reivindicada a sua autoria por um Faraó egípcio (Nechepso) e um padre (Petosiris), e por muitos séculos foi usado e citado pelos astrólogos. Infelizmente, dele só restaram pequenos trechos, e foi escrito de tal forma que até mesmo os astrólogos antigos tinham alguma dificuldade para entender algumas de suas técnicas.

Há alguma controvérsia sobre como este complexo sistema de astrologia foi desenvolvido, especialmente há pouco registro de seus detalhes desde  antes do século 1 aC. Foi uma lenta acumulação de informações ao longo de milênios, ou habilmente trabalhada por um pequeno grupo de pessoas em um curto espaço de tempo, ou uma combinação destas possibilidades? Porque os astrólogos antigos tinham livros que afirmam ter sido escritos por pessoas lendárias como Hermes Trismegistus e outros, pelo 1º século AD, mesmo que eles não pudessem saber a resposta. Na verdade, perdemos tanto material original desde esse período, que podemos nunca saber a resposta em detalhe.

A Astrologia Helenística se espalhou por todo o mundo greco-romano, e foi facilmente misturada com as inúmeras religiões de mistério, filosofias e tipos de magia, que também estavam disponíveis, como o gnosticismo, platonismo, estoicismo, e assim por diante. (Vou discutir algumas dessas no capítulo 2) foi considerada uma prática científica respeitável, e na verdade formada metade da ciência astronômica: enquanto a matemática diz-nos como os céus se movem, astrologia diz-nos o que os movimentos significam e este é um bom momento para dissipar um mito importante: que o uso de casas divididas por Signos Inteiros e os aspectos do período helenístico (ver capítulos 9-10) foi resultado da matemática grega ser muito incerta e imprecisa. Nada poderia estar mais distante da verdade. Na verdade, na época medieval e renascentista as mudanças nas efemérides e na teoria astronômica foram realmente apenas refinamentos de livros anteriores, como grande Almagesto de Ptolomeu. A astronomia de Ptolomeu durou tanto tempo precisamente porque era algo tão sofisticado e deu resultados tão precisos.

Do 3º ao 7º século, temos uma espécie de divisão em duas vias na astrologia helenística. No Império Romano (agora centrado na Constantinopla), o período criativo da astrologia parece ter se esgotado. Mas este declínio coincidiu com uma grande excitação no Império  Persa Sassânida, cujos governantes e estudiosos, encorajaram a tradução de livros de astrologia grega para pahlavi (língua persa da época), além de fazer suas próprias contribuições. Nós vamos voltar para os persas e árabes em seguida.

Pessoas que você precisa conhecer:

Dorotheus de Sidon (século 1 dC). Escreveu um livro sobre natividade e eleições em forma poética, geralmente chamado de Carmen Astrologicum ("Poema astrológico"). Dorotheus forneceu material de fonte absolutamente essencial para escritores persas e árabes medievais.

Vettius Valens (120 AD - 175 dC) Morando em Alexandria, Valens escreveu o Anthology, uma centralização de um  livro em nove partes sobre a natividade, com inúmeras técnicas preditivas não encontradas em outros lugares.

Claudius Ptolomeu (século 2 dC). Um escritor científico prolífico em Alexandria, ele é mais conhecido por seu Almagesto (em teoria astronômica e equações) e seu Tetrabiblos (no natal e astrologia mundana). Astrologia de Ptolomeu não era muito popular até a Idade Média Latina, quando ele foi reverenciado por seu material sobre natalidades. O próprio Ptolomeu alegou que ele quis simplificar e racionalizar a tradição de sua época, tanto que o material encontrado em outra parte na astrologia helenística está faltando em seu livro (por exemplo, dos lotes, ele usa apenas o Lot da Fortuna).
.
Antiochus de Atenas (talvez 2º século dC). Sua identidade é um pouco discutida, mas ele é importante para um conjunto de definições de configurações astrológicas (como sitiando, aplicação, e assim por diante) raramente encontrada em outras obras deste período.

Firmicus Maternus (4º século dC). Advogado e estudioso, ele escreveu sua grande Mathesis como um trabalho sobre astrologia natal em oito livros. Ele é notável por ter escrito em latim, o que era incomum no período antigo. Firmicus também preserva muito material que de outra forma teria sido raro ou perdido.

Rhetorius do Egito (6º ou século 7). Rhetorius escreveu um importante compêndio natal baseado sobre Antíoco e muitos outros autores. Ele foi muito importante para posteriores astrólogos persas e árabes, como Masha'allah.



Benjamin Dykes, in Tradicional Astrology for Today, The Cazimi Press, Minneapolis, Minnesota, 2011. Tradução de Claudio Fagundes.


Outra breve descrição da aparência e forma dos planetas, por William Lilly

Saturno - Significa alguém de cor escura, de uma palidez de chumbo ou de cor escura e terrosa; é alguém de pele áspera, grossa e muito peluda no corpo, olhos pequenos, muitas vezes a sua tez é entre o negro e o amarelo, ou como se sofresse de icterícia negra ou amarela; é magro, encurvado ou com cara de carocha, uma barba rala, lábios grossos, como os dos mouros; olha para o chão, é lento de movimentos, tem as pernas tortas ou bate com uma perna ou joelho contra a outra; a maioria tem hálito fétido, raramente livre de tosse. Quando está peregrino ou desafortunado - é astuto para os seus próprios fins, seduzindo as pessoas para o seu lado, cheio de vingança e maldade, não se importando com a Igreja ou a religião; é uma má pessoa, um vadio desmazelado, ou uma prostituta; um grande comilão, ou alguém com um grande estômago, um tipo brigão, de grandes ombros, ganancioso mas raramente rico, etc.

Júpiter — Devemos descrever Júpiter e um jupiteriano como sendo uma pessoa de estatura agradável, rosto cheio, olhos grandes, uma tez sanguínea, ou com uma mistura de branco e encarnado, um largo espaço entre as sobrancelhas, geralmente a barba é de cor clara ou dourada; algumas vezes também, quando Júpiter está combusto, muito escura ou preta, o seu cabelo grosso, os seus olhos não são negros, os dentes bem implantados, fortes e grandes, mas geralmente existe uma marca de diferença nos dois dentes da frente, ou porque estão separados, ou há algum negrume ou imperfeição neles; o seu cabelo encaracola suavemente (se estiver num signo de fogo). É um homem de boas palavras, religioso, ou pelo menos um bom homem, virtuoso e honrado; uma pessoa bela e um pouco gorda (se Júpiter estiver em signos úmidos), carnuda; se estiver em signos aéreos, grande e forte; em signos de terra, é alguém geralmente bem nascido; mas se for significador de um rústico vulgar, como pode por vezes acontecer, então terá mais humanidade do que a que é geralmente evidenciada por esses homens.

Marte — Um homem marcial tem muitas vezes a cara cheia, com uma cor viva como se estivesse bronzeado, ou como a cor de cabedal curtido, um rosto feroz, os olhos brilhantes ou agudos e penetrantes, e de cor amarela; o seu cabelo, tanto da cabeça como da barba, é encarniçado (mas aqui deve-se variar conforme o signo; em signos de fogo e de ar, onde Marte caia junto a estrelas fixas da sua própria natureza, mostra uma forte cor encarnada amarelada, mas em signos de água, estando com estrelas fixas da sua própria natureza, tem um cabelo brilhante alourado ou quase branco; se estiver em signos de terra, o cabelo é um castanho pardo). Tem uma marca ou cicatriz na cara, tem ombros largos, um corpo forte e resistente, sendo atrevido e orgulhoso, dado à troça, ao desdém, à briga, à bebida, ao jogo e à luxúria, coisa que se pode facilmente saber pelo signo em que se encontra: se no domicílio de Vênus, luxúria, no de Mercúrio, roubo, mas se estiver no seu próprio domicílio, briga, no de Saturno é teimoso, no do Sol é autoritário, no da Lua é um bêbado.

Sol — O Sol denota geralmente alguém de cor branca obscura misturada com encarnado; um rosto redondo e queixo curto, uma estatura razoável e um corpo bonito; a sua cor por vezes entre o amarelo e o negro, mas na maioria das vezes mais sanguínea do que o contrário; um homem destemido e resoluto, de cabelo encaracolado; tem uma pele branca e delicada, é alguém desejoso de aplauso, fama e estima entre os homens; tem uma voz clara e uma cabeça grande, os dentes são um pouco distorcidos ou implantados de forma oblíqua, ou tem um discurso lento, mas de raciocínio inteligente; exteriorizando grande decoro nos seus atos, mas sendo privadamente lascivo e inclinado a muitos vícios.

Vênus — Quem for significado por Vênus, seja homem ou mulher, tem um belo rosto redondo, olhos grandes, geralmente chamados olhos arregalados, lábios encarnados como rubis, o inferior mais grosso ou maior do que o superior, as pálpebras escuras, contudo belas e graciosas, o cabelo de uma cor encantadora (mas a maioria das vezes de acordo com o signo, como foi dito antes) em alguns é negro carvão, noutros um castanho claro, um cabelo suave e doce, e o corpo extremamente bem feito, inclinando-se sempre mais para o baixo do que para o alto.

Mercúrio — Descrevemos Mercúrio como sendo um homem nem branco nem moreno,  mas entre ambos, de um castanho pardo ou cor amarela escura, rosto longo, testa alta, olhos pretos ou cinzentos, um nariz fino e comprido, uma barba rala (muitas vezes nenhuma), de cor castanha parda, quase preta, corpo magro, pernas finas, um tipo má língua e metediço, e no andar é ágil, parecendo estar sempre cheio de atividade.

Lua — Esta, devido à sua rapidez, varia a sua forma muito frequentemente, mas geralmente personifica alguém com um rosto redondo e cheio, em cuja tez se pode perceber uma mistura de branco e encarnado, mas em que a palidez tem preponderância; se estiver em signos de fogo, o homem ou a mulher falam apressadamente; em signos de água, ele ou ela têm algumas sardas na cara, ou têm as bochechas redondas; o corpo não é muito belo, sendo antes uma criatura confusa e, a não ser que esteja muito bem dignificada, significa sempre uma pessoa vulgar e comum.


William Lilly, in Astrologia Cristã.

A Cabeça e a Cauda do Dragão, por William Lilly

A Cabeça do Dragão - A Cabeça do Dragão é masculina, da natureza de Júpiter e Vênus, e é por si só uma fortuna; contudo, os antigos dizem que estando em conjunção com os bons é boa, e que em conjunção com os planetas nefastos a podem considerar nefasta.

A Cauda do Dragão — A Cauda do Dragão é feminina por natureza e exatamente o contrário da Cabeça, pois é nefasta quando ligada aos bons planetas e boa quando em conjunção aos planetas malignos. Esta é a opinião constante de todos os antigos, mas não sei em que se baseia; sempre achei o Nó Norte equivalente a qualquer das fortunas e que, quando ligado a planetas nefastos, diminui o seu significado malévolo; quando ligado aos bons aumenta o bem prometido por eles.

Quanto à Cauda do Dragão, sempre verifiquei na minha prática que, quando estava ligada aos planetas nefastos, a sua maldade ou o mal indicado por eles duplicava e triplicava, ou ficava extremamente aumentado, e quando acontece estar em configuração com qualquer das fortunas, sendo estas significadoras na pergunta, mesmo que o assunto esteja razoavelmente garantido pelo significador principal, e com probabilidades de chegar à perfeição em pouco tempo, acontecem contudo sempre muitos atritos e perturbações, muita discussão e grande controvérsia, sendo o assunto muitas vezes considerado perdido antes de se poder chegar a uma perfeita conclusão; e a não ser que os principais significadores estejam angulares e bem fortificados em dignidades essenciais, muitas vezes, inesperadamente, o assunto não dá em nada.

William Lilly, in Astrologia Cristã.

Planeta Peregrino, por Marcos Monteiro

Quando o planeta não está em nenhuma dignidade ou debilidade, ele está peregrino. Este estado não é exatamente bom. Um planeta peregrino não está nem corrompido, nem de acordo com a sua própria natureza em nenhum grau. Isso quer dizer que ele pode agir de forma íntegra ou degradada, mas, pela natureza das coisas, agir de forma ruim é mais fácil.

Estar peregrino é estar sem raízes, sem ligação com o lugar em que está. Alguns autores, antigos e modernos, defendem que o planeta está peregrino quando não está em nenhuma de suas dignidades, independente da debilidade – ou seja, o planeta em queda poderia estar peregrino e em queda.

Isso não faz sentido algum; se fosse desta forma, peregrino seria um termo inútil, porque não nos diria nada de novo – e ainda borraria a diferença de estado que há entre não ter dignidade nenhuma e estar em debilidade.

Para fazer uma analogia simples, uma pessoa na prisão não está peregrina; ela não está, de forma alguma, sem raízes.


Marcos Monteiro, Introdução à Astrologia Ocidental, Edição do Autor, 2013.
Versão kindle gratuita na https://www.amazon.com.br/

Debilidades: Queda, por Marcos Monteiro

Assim como o detrimento é o posto do domicílio, a queda é o contrário da exaltação.

Assim como a exaltação significa nobreza, ou força, exageradas, na queda as coisas estão ruins, mas parecem ainda piores.

O Sol está em queda em Libra, a Lua em Escorpião, Mercúrio em Peixes, Vênus em Virgem, Marte em Câncer, Júpiter em Capricórnio, Saturno em Áries.

É fácil ver que o signo oposto ao da exaltação é ruim para os planetas. Se a Lua está bem no repouso e na fruição, não pode estar bem na tensão constante de Escorpião. Mercúrio está excepcionalmente forte (domicílio e exaltação em Virgem), então está excepcionalmente perdido (detrimento e queda) em Peixes, e por aí vai.

Há alguns casos em que o planeta está em alguma dignidade, mas em uma debilidade. Os mais evidentes são Vênus em Virgem de dia (dignidade de triplicidade, debilidade de queda) e Marte em Câncer (dignidade de triplicidade, debilidade de queda), mas alguns planetas têm faces ou termos no próprio detrimento e/ou queda.

A ideia é que ele está mal, com alguns pontos de qualidade. Não ignoramos as dignidades, mas elas não anulam as debilidades.

Marcos Monteiro, Introdução à Astrologia Ocidental, Edição do Autor, 2013.
Versão kindle gratuita na https://www.amazon.com.br/

Debilidades: Detrimento, por Marcos Monteiro

O planeta está no próprio detrimento (também chamado de exílio por alguns autores) quando está no signo oposto ao do seu domicílio.

Ou seja, o Sol está em detrimento em Aquário; a Lua em Capricórnio; Mercúrio em Sagitário e Peixes; Vênus em Áries e Escorpião; Marte em Touro e Libra; Júpiter em Gêmeos e Virgem; Saturno em Câncer e Leão.

A significação é exatamente a inversa do domicílio. No próprio detrimento, o planeta está num signo totalmente incompatível com suas qualidades mais nobres.

Podemos pensar, por exemplo, em Marte, o guerreiro, completamente deslocado no repouso e na fruição de Touro, ou na conversa alegre e diplomática de Libra. Ou Saturno, o Senhor do Frio e da Morte, o ancião do céu, na intimidade familiar de Câncer ou no reino do orgulho, na casa do Rei.

Marte significa ação, não repouso nem ponderação. Saturno são limites, que são lavados pela água cardinal de Câncer e ignorados pelo fogo que se alastra em Leão.

O Sol, por sua vez, não pode reger nem fazer com que sua vontade seja obedecida no signo da orquestração; a Lua se ressente da frieza e impessoalidade de Capricórnio.

Júpiter, o planeta das coisas grandiosas, não consegue agir como quer no perene recomeço e nas conversas descompromissadas de Gêmeos, nem na classificação incessante e no cálculo de Mercúrio.

Vênus, por outro lado, se assusta com a rapidez de Áries e com a intensidade de Escorpião; Mercúrio se perde nas intuições irrefletidas de Peixes e na devoção de Sagitário.


Marcos Monteiro, Introdução à Astrologia Ocidental, Edição do Autor, 2013.
Versão kindle gratuita na https://www.amazon.com.br/  

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Introdução do Livro 'Tradicional Astrology for Today', por Benjamin Dykes

Se você está interessado em astrologia, você provavelmente notou um recente renascimento da astrologia "tradicional". Talvez você tenha participado de uma conversa local sobre isso, ou baixado uma palestra, ou tenha visto uma tradução minha ou de outra pessoa online ou em uma livraria. Talvez você esteja intrigado e quer aprender mais, mas não sabe por onde começar. Talvez você tenha se sentido desmotivado por estranhos termos árabes, ou referências ao acaso, ou o que parecem ser interpretações de desgraça e obscuridades. E, no entanto, muitas pessoas estão se envolvendo em abordagens tradicionais. Você pode ser cético de que algo de 1.500 anos atrás poderia ser relevante hoje. Nós não estamos todos mais evoluídos agora, não superamos essas coisas antigas?

Este livro é para você, o curioso estudante de astrologia moderna ou praticante profissional. Você:

• Quer uma introdução antes de gastar mais tempo e dinheiro em livros ou cursos tradicionais?

• Deseja complementar sua prática atual com técnicas tradicionais?

• Precisa de objeções básicas para a astrologia tradicional?

• Procura um guia rápido para idéias básicas, vocabulário, história e nomes e trabalhos de astrólogos mais antigos?

• Precisa de um guia de referência atualizado para os melhores livros atuais em inglês?

Este livro foi projetado para atender a todas essas necessidades.

Estou aqui para lhe dizer que a astrologia tradicional é vibrante, dinâmica e tem muito a oferecer: técnicas de previsão interessantes, um vocabulário que o ajudará a fazer interpretações mais concretas e a uma variedade de pontos de vista espirituais e filosóficos que você já pode em grande parte já concordar. Não posso explicar tudo neste livro, mas posso guiá-lo através de algumas diferenças básicas entre abordagens tradicionais e modernas e ajudá-lo a descobrir aonde ir a partir daqui.

Mesmo que você não se torne um tradicionalista de pleno direito, você ainda melhorará sua astrologia com os conceitos e técnicas neste livro.

Eu me concentrei na astrologia natal, mas quase tudo o que eu digo também se aplica a horárias, cartas de eventos, eleições e astrologia mundana. Na Parte I, descreverei os períodos básicos da astrologia tradicional, juntamente com alguns "precisam saber" os astrólogos. Então descreverei algumas perspectivas tradicionais sobre vida, valor, teoria e estratégias de aconselhamento. Na Parte II, irei mais longe com termos e técnicas especiais, às vezes contrastando o tradicional e o moderno, mas sempre focado em como você pode usar essas idéias de forma prática. Concluirei respondendo a algumas perguntas freqüentes e desafios sobre a astrologia tradicional. Os Apêndices e o Glossário fornecem outras informações e recursos valiosos.

Ao longo deste livro, eu quero tranquilizá-lo sobre algo muito importante. Muitas pessoas podem ter a impressão equivocada de que seguir práticas tradicionais significa abandonar tudo o que você fez na astrologia - como se a astrologia tradicional fosse apenas uma série de "Não" para qualquer coisa moderna. Na verdade, há muitas sobreposições entre práticas modernas e tradicionais, e muitos tradicionalistas contemporâneos usam planetas externos e até mesmo asteroides. A adoção de práticas tradicionais envolve principalmente uma mudança de ênfase e prioridade, e não a rejeição de tudo o mais. Às vezes, quando falo sobre essas coisas com amigos que praticam as mais recentes técnicas de astrologia moderna, pode parecer que, em primeiro lugar, não temos nada em comum; Mas depois de alguns minutos percebemos que realmente concordamos muito. Mas há tanto tempo que a nossa comunidade se envolveu nesses debates e diálogos, que, no início, as diferenças podem parecer completamente superadas. Espero mudar algo disso através deste livro.

Se tivéssemos de listar alguns pressupostos básicos na astrologia moderna, podemos mencionar estes: uma crença no livre-arbítrio indeterminado, pensamento positivo, ser capaz de criar sua própria realidade e usar o Mapa de forma construtiva para mostrar oportunidades E alternativas. Na verdade, não vejo sérios problemas com isso, desde que, como astrólogos, não estejamos simplesmente dizendo "vale tudo". Qualquer visão da vida que disser que qualquer coisa é possível em qualquer momento, simplesmente porque você acredita, falhará. Claro, até mesmo os astrólogos modernos não chegam tão longe quando olham para um Mapa. Mas estamos tão sem prática com esses tipos de discussões, que muitas pessoas modernas podem encontrar-se endossando visões extremas como essa porque as alternativas não são bem conhecidas.

O pensamento tradicional não se opõe tanto a tudo do moderno, mas exige uma diferença de ênfase. Deixe-me sugerir uma lista de suposições e valores que animam a astrologia tradicional, dividida em dois grupos.

(1) Primeiro são os valores e conceitos mais morais e espirituais. Eu incluiria o seguinte: (a) Simpatia pela condição humana. Porque vivemos em um mundo complicado, que não podemos controlar e entender completamente, há muito de miséria, cuja fonte freqüentemente faz parte de nós. Parte dessa miséria é reforçada por negação e desejos, como mecanismos de defesa naturais. Então, (b) o cultivo da paciência. Esse tipo de pensamento positivo significa que temos que entender como nossos objetivos se encaixam no refluxo e fluxo de coisas que nos rodeiam: não podemos obter tudo o que queremos imediatamente, mas deve contar com um bom timing (como eleições e tempos oportunos previstos a partir do natividade). (C) escolha realista, em oposição ao livre arbítrio indeterminado. Todos nós temos nossos próprios personagens que são muito difíceis de mudar ou ir contra, e vivemos em uma rede de eventos que apresentam certas escolhas limitadas e ambíguas - algumas das quais são absolutamente boas ou absolutamente ruins. Finalmente, (d) gerenciar de forma construtiva quem somos, ao contrário de auto-criação absoluta e espontaneidade absoluta. Todos temos certos dons e benefícios naturais e algumas desvantagens para nossos personagens e vidas, e tanto a interpretação como a previsão nos ajudam a gerenciar essas coisas de acordo com a nossa compreensão dos bens convencionais e nossos caminhos espirituais. Eu abordarei algumas dessas idéias mais nos capítulos posteriores.

(2) Em segundo lugar, a astrologia tradicional depende de métodos rigorosos e organizados que nos ajudem a formar nosso pensamento e identificar o que é astrologicamente importante em qualquer ponto em nossas interpretações e previsões. Discutirei este ponto especialmente nos capítulos 12 e 13.

A astrologia tradicional tem contribuições significativas para o futuro astrológico. Em termos de filosofia e psicologia, a astrologia tradicional baseia-se em uma escolha mais ampla de sistemas de valores do que muitos sistemas modernos, e compromete-se seriamente com valores morais e uma noção concreta de florescimento humano. Ele também oferece tratamentos mais realistas de escolha e liberdade, temperando noções modernas de liberdade pessoal absoluta. Também seria valioso reviver a teoria dos temperamentos que já é parcialmente familiar para os astrólogos psicológicos, mas também está ligada à medicina fitoterápica e outra medicina holística. Em termos de espiritualidade mágica e prática, através da astrologia tradicional, podemos recuperar abordagens neoplatônicas e outras abordagens metafísicas da astrologia, que enfatizam não apenas a leitura de gráficos, mas também o envolvimento prático e uma conexão espiritual ativa com níveis mais elevados de ser. Essas atitudes práticas nos permitem ir além de nossas mentes e personagens e participar com a Mente Divina na administração do universo. Não consigo descrever os detalhes de todas essas idéias neste breve livro, mas, à medida que o avivamento tradicional continua, você poderá aprender e fazer muito mais neste campo excitante!


Benjamin Dykes, in Tradicional Astrology for Today, The Cazimi Press, Minneapolis, Minnesota, 2011. Tradução de Claudio Fagundes.

Dignidades essenciais: Triplicidades, por Marcos Monteiro

Não há uma escala suave e regular entre os tipos de dignidade. A triplicidade é uma dignidade muito mais fraca que domicílio e exaltação.

Os signos, como vimos no capítulo sobre eles, formam trios que partilham o mesmo elemento.

Cada um desses signos é chamado de triplicidade.

Então, a triplicidade do fogo é composta pelos signos de Aries, Leão e Sagitário.

A triplicidade do ar são os signos de Gêmeos, Libra e Aquário. A triplicidade da água são Câncer, Escorpião e Peixes.

A triplicidade da terra são os signos de Touro, Virgem e Capricórnio.

Há duas tabelas de regentes da triplicidade, uma com dois regentes (um diurno e outro noturno), outra com três regentes (um diurno, um noturno e outro participante).

Alguns autores sustentam que o sistema de três regentes é mais antigo que o regente de duas triplicidades (que seria uma degeneração), o que parece não se sustentar. Ptolomeu e Paulo de Alexandria já mencionavam o sistema de dois regentes; o que pode ter acontecido é que ambos os sistemas conviviam, cada um sendo usado num tipo diferente de aplicações, como muitos autores ainda hoje fazem.

Na minha experiência, o sistema de dois regentes funciona bem e parece mais conforme aos princípios básicos da arte; de qualquer forma, ele parece ter sido mais usado durante a maior parte da astrologia ocidental, então vai ser o que vou explicar com mais detalhes.


A triplicidade do fogo é regida pelo Sol de dia e por Júpiter de noite. A triplicidade do ar é regida por Saturno de dia e por Mercúrio de noite. A triplicidade da terra é regida por Vênus de dia e pela Lua de noite. A triplicidade da água é regida por Marte de dia e de noite.

Uma relação entre as faculdades da alma que os planetas simbolizam e como cada elemento se manifesta pode tornar essa tabela menos estranha ao leitor.

O fogo é ação, atividade. A ação vem da vontade (Sol); Júpiter (o intelecto passivo, o entendimento sem esforço das coisas) é o que a alimenta.

O ar é o pensamento, que surge do interesse em inteligir (Saturno, o intelecto agente) e é alimentado pela estimativa, pela capacidade de cálculo, de classificação (Mercúrio)

A terra é a manutenção do mundo físico, é a materialidade, a permanência. Ela, propriamente, não age, mas suporta, mantém — coisa que só fazemos quando gostamos (Vênus, o apetite concupiscível) e só gostamos do que absorvemos, do que temos, ao menos em alguma medida, na alma (a Lua é o sentido comum, a "fantasia" no sentido grego, a capacidade da alma que absorve os dados brutos do exterior e os organiza na memória e para a imaginação e as outras faculdades).

A água simboliza os desejos, que seguimos usando o apetite irascível, Marte.

Essa relação sublinha outra: a cólera (fogo) e a fleuma (água) são dois modos opostos de impulsionar a ação, enquanto o ar e a terra são dois modos opostos de reagir ao mundo externo.

Eu usava um esquema para me ajudar a memorizar a tabela, quando comecei a estudar as dignidades.

Ele não é explicativo, é apenas um arranjo para facilitar a lembrança das relações, mas pode ser útil ao leitor:

Triplicidades ativas (quentes): 

Regente diurno do fogo: planeta que tem duas dignidades maiores no elemento, o Sol (domicílio em Leão, exaltação em Aries).

O regente noturno do fogo é o regente do domicilio do signo restante (Sagitário), Júpiter; o regente noturno do ar é o regente do domicílio do signo restante (Gêmeos), Mercúrio.

Triplicidades passivas (frias): 

Não há nenhum planeta com duas dignidades maiores na terra, então usamos o regente do primeiro signo como regente diurno, Vênus. Os regentes de domicílio dos outros signos (Mercúrio, Virgem, e Saturno, Capricórnio) já foram usados, então como regente noturno vou usar o planeta com exaltação no primeiro signo, a Lua.

Sobrou Marte e a triplicidade da água.

Esse esquema tem outra vantagem: por ser trabalhoso, nos lembra que é preciso decorar os regentes.

A significação da dignidade de triplicidade é bastante bem entendida quando pensamos que o planeta está no próprio elemento. Ele está à vontade, bem, mas sem poder para fazer muita coisa.
As dignidades são cumulativas, porque não são simplesmente a mesma coisa com variações de intensidade, mas são coisas diferentes.



Ler mais aqui:  Marcos Monteiro, Introdução à Astrologia Ocidental, Edição do Autor, 2013.

Dignidades essenciais: Exaltação, por Marcos Monteiro

A outra dignidade forte é chamada de exaltação.

Todo planeta tem apenas um signo no qual está exaltado; assim, há cinco signos que não são a exaltação de planeta nenhum.

A impressão que os textos antigos passam é que a exaltação era algo análogo ao domicílio em alguma outra tradição astrológica que foi absorvido.

Vários textos antigos dizem que ela é menos forte que o domicílio, mas isso é preciosismo. Normalmente, o domicilio pode ser considerado como mais forte, mas a diferença é sempre pequena; eles se distinguem, na verdade, pelo tipo de dignidade.

Enquanto o domicílio torna o planeta nobre como se fosse um rei no próprio castelo, a exaltação pode ser comparada a um hóspede de honra. Ela é forte, o planeta está num signo que lhe permite exercer bem suas qualidades, mas ele parece mais nobre, mais forte, mais perfeito do que, na verdade, é. A significação mais comum da exaltação é o exagero das qualidades. É como no caso do hóspede: nós o tratamos como um ser perfeito, esquecendo que ele também tem seus defeitos.

Nem sempre é muito clara a relação entre o signo e o planeta exaltado nele, mas ela sempre existe.


O Sol é exaltado no signo de início da primavera, quando o gelo derrete e tudo começa a florir e se movimentar no hemisfério norte. O Sol é benéfico à vida, ele realmente está mais forte, e tudo está mudando por causa dele, mas a reação da natureza à sua presença parece desproporcial à sua força real. Ele não está absurdamente mais forte do que estava um mês antes, mas a natureza se comporta como se ele fosse mágico. O mundo vivo parece cantar "Here Comes the Sun", dos Beatles, na primavera.

Além disso, Aries é o primeiro signo do ano astrológico, é a novidade do fogo. O Sol é a fagulha divina que inicia o movimento de tudo, e é muito bem vista aqui.

No signo oposto do Zodíaco, Libra, o signo da diplomacia e da balança, do equilíbrio, a organização, a temperança, o chão firme, a estabilidade são coisas extremamente bem vindas.
Mais que isso, embora os dias sejam exatamente iguais às noites, embora o frio não seja tão rigoroso, tudo funciona em função do gelo, da noite, da "morte da natureza" no hemisfério norte. A partir daqui, a noite só aumenta, o dia só diminui, a natureza se esconde. Saturno parece dominar de forma desproporcional ao seu poder real.

Mercúrio é exaltado no próprio domicílio noturno, Virgem. A ideia é que aqui, Mercúrio é o super-Mercúrio, porque Virgem é o signo do cálculo, da divisão, da repetição, das coisas calculadas e refeitas à perfeição, das engrenagens milimetricamente ajustadas. O planeta das trocas e do agir pequeno é muito bem vindo aqui, o que não acontece no seu signo oposto.

Em Peixes, a bela Vênus é exaltada. No signo das águas de março fechando o verão ("é promessa de vida no meu coração") no hemisfério sul, no signo em que a natureza se movimenta de amor e agitação pela explosão de vida da primavera, o planeta da união e da inspiração está exaltada: aqui ela não é só o amor, mas a musa inspiradora, o amor que vem do alto.

Como eu falei no capítulo anterior, há algumas oposições interessantes entre os significados dos planetas. As exaltações ressaltam algumas delas.

O Senhor da Vida (Sol) e o Senhor da Morte (Saturno) são uma oposição óbvia e que se repete no domicílio e na exaltação.

Vênus e Mercúrio repetem o que todos sabemos, que o amor e o cálculo não combinam, é como levar a planilha de contas do casal para um jantar romântico, ou estragar uma noite de amor contando quantas espinhas o/a amado/a tem e dividindo pela quantidade de unhas encravadas.

Marte e Júpiter representam tipos de ação opostos. Marte em Capricórnio é o herói no signo mais obviamente relacionado com o exército (Capricórnio, signo cardinal da terra, a unidade fria e seca, a organização do movimento, a resistência ativa). E o pôster da lenda nos quarteis e locais de recrutação, o herói cujas qualidades — resistência, impulso, determinação, coragem, destemor — inspiram.

Júpiter em Câncer são as bênçãos do alto no seio da família, é o Papai Noel visitando as crianças na manhã de natal. Júpiter é abundância, magnanimidade, excesso: no signo íntimo, dos desejos infantis. Essas qualidades são bastante apreciadas.

Touro, o signo do conforto e da fruição, do repouso, é um lugar entusiasmadamente acolhedor para o planeta que significa a mãe, a maternidade, e também a fome, os desejos básicos.



Ler mais aqui: Marcos Monteiro, Introdução à Astrologia Ocidental, Edição do Autor, 2013.

Curso de Iniciação à Astrologia Tradicional

Foi lançado por Aldebahran Astrologia um Curso de Iniciação à Astrologia Tradicional.

É totalmente gratuito e é no formato de blog.

Na barra lateral há várias formas de se inscrever para acompanhar: http://aldebahrancurso.blogspot.com/

quarta-feira, 31 de maio de 2017

Os Planetas Regentes das Fases de Gestação


Os Planetas e as Idades do Homem


Os Anos Planetários


Condições Meteorológicas Associadas aos Planetas


Profissões Associadas aos Planetas

Tabela extraída do livro Tratado das Esferas, de Helena Avelar e Luis Ribeiro.

Fisionomias Associadas aos Planetas


Metais Associados aos Planetas


Locais Associados aos Planetas


Odores e Sabores Associados aos Planetas


Cores Associadas aos Planetas


terça-feira, 30 de maio de 2017

O Nome das Casas na Astrologia Helenística


Os Júbilos “Haym” e “Hays”


Os Júbilos e os Quadrantes, por Clélia Romano


Com Relação aos Hemisférios, por Clélia Romano


Planetas e Signos do Mesmo Gênero ou Natureza


Júbilos Planetários


Com Relação à Latitude


Quanto à Velocidade dos Planetas


Sobre a Combustão como Debilidade, por Clélia Romano


Atividades Ocultas


Ainda sobre a Posição dos Planetas em Relação ao Sol


Posição do Planeta em Relação ao Sol


Condições Acidentais dos Planetas


Natureza da Lua, por Helena Avelar e Luis Ribeiro


Natureza de Mercúrio, Helena Avelar e Luis Ribeiro


Natureza de Vênus. por Helena Avelar e Luis Ribeiro


Natureza do Sol, Helena Avelar e Luis Ribeiro


Natureza de Marte, por Helena Avelar e Luis Ribeiro


Natureza de Júpiter, por Helena Avelar e Luis Ribeiro


Natureza de Saturno, por Helena Avelar e Luis Ribeiro


segunda-feira, 29 de maio de 2017

O Cálculo do Temperamento, por Paulo Silva

A apresentação deste estudo não tem como finalidade uma abordagem teórica do Temperamento ou mesmo uma apresentação histórica do desenvolvimento da teoria dos Quatro Humores, que mais tarde veio a gerar a do Temperamento, o que me levaria às Qualidades e aos Elementos e a traçar a rota desde muito antes de Empédocles passando então por Hipócrates, Aristóteles, Galeno até chegar a fontes bem mais recentes. A finalidade a que me proponho é a de uma apresentação técnica do cálculo do Temperamento seguindo a fórmula apresentada por Robert Zoller [1]. Gostaria de salientar que a minha escolha por esta forma de cálculo em detrimento de outras, como as de, Ptolomeu, Montulmo, Schoener, Garcaeus, Lilly ou Coley se deve à simplicidade da mesma e à sua exactidão.
 
Temperamento – s.m. (Do Lat. Temperamentum ‘combinação’). Carácter de um indivíduo que corresponde ao conjunto dos seus traços psicológicos e que o distingue dos outros, condicionando-lhe a constituição física, o comportamento e as emoções. [2]
Os quatro tipos de Temperamento são conhecidos como - Colérico (Bílis Amarela), Melancólico (Bílis Negra), Fleumático (Fleuma) e Sanguíneo (Sangue).
 
Como foi mencionado acima, “Temperamentum = Combinação”, pois cada um dos quatro Temperamentos é composto pela combinação das quatro Qualidades primitivas, ou seja:

Colérico – Quente e Seco
Melancólico – Frio e Seco
Fleumático – Frio e Húmido
Sanguíneo – Quente e Húmido
 
Por sua vez as Qualidades Primitivas dão lugar aos Quatro Elementos, ou seja:
 
Quente e Seco – Fogo
Frio e Seco – Terra
Frio e Húmido – Água
Quente e Húmido – Ar

O Cálculo
 
Os significadores que participam na fórmula de cálculo do Temperamento são os seguintes:
 
1. O Signo Ascendente
2. O Almuten do Ascendente
3. Os Planetas que fazem aspecto ao Ascendente
 
Afim de calcular o Temperamento é necessário:
 
1. Conhecer as Qualidades Primitivas dos Planetas e dos Signos
2. Calcular o Almuten ascendentis
 
Qualidades Primitivas dos PlanetasQualidades Primitivas dos Signos
Saturno – Frio e SecoCarneiro – Quente e Seco
Júpiter – Quente e HúmidoTouro – Frio e Seco
Marte – Quente e SecoGémeos – Quente e Húmido
Sol – Quente e SecoCaranguejo – Frio e Húmido
Vénus – Quente e Húmida [3]Leão – Quente e Seco
Mercúrio – Quente e Seco [4]Virgem – Frio e Seco
Lua – Fria e HúmidaBalança – Quente e Húmido
Escorpião – Frio e Húmido
Sagitário – Quente e Seco
Capricórnio – Frio e Seco
Aquário – Quente e Húmido
Peixes – Frio e Húmido


O Cálculo do Almuten ascendentis: 

Para calcular o Almuten ascendentis vou tomar como exemplo a natividade apresentada para este estudo. O Ascendente desta natividade encontra-se a 11º e 11' de Sagitário, que é o grau que se torna imprescindível para achar o  Almuten ascendentis.
 



Cálculo do Almuten ascendentis para a Natividade do Exemplo

SaturnoJúpiterMarteSolVénusMercúrioLua
ASC - 11º Sagitário 11'
Domicílio (5)5
Exaltação (4)-------
Triplicidade (3)333
Termo (2)2
Face (1)1
Total31031

Consulte a tabela de Dignidades utilizada na elaboração da tabela acima


Mapa de Exemplo

Uma vez que já está apresentada a fórmula do Cálculo do Temperamento, as Qualidades Primitivas dos Signos e dos Planetas e já se procedeu ao cálculo do Almuten ascendentis, vou então apresentar como se calcula o Temperamento.


Os Significadores para o Cálculo do Temperamento são os seguintes:
 
1.O Signo Ascendente: Sagitário
 
2.O Almuten do Ascendente: Júpiter
 
3.Os Planetas que fazem aspecto ao Ascendente:
 
3.1O Mercúrio faz um aspecto de Sextil ao Ascendente, contudo, Mercúrio faz um Trígono a Marte, logo, devido a este aspecto torna-se um Planeta - Quente e Seco
 
3.2O Marte faz um aspecto de Oposição ao Ascendente
 
3.3O Sol faz um aspecto de Quadratura ao Ascendente

Tabela dos Significadores para Cálculo do Temperamento
 
SignificadoresQuenteFrioHúmidoSeco
ASC - 11º Sagitário 11'11
Almuten do ASC - Júpiter 23º Carneiro 51'11
Mercúrio - 09º Balança 01'11
Marte - 13º Gémeos 09'11
Sol - 13º Virgem 20'11
Total
5014

Como se pode verificar na tabela acima temos uma grande predominância das Qualidades Primitivas, Quente (5) e Seco (4), o que dá ao nativo um Temperamento Colérico.


Nem em todas as Natividades se encontra um Temperamento tão 'definido', pois em muitas Natividades pode-se encontrar uma mistura de dois Temperamentos.

Palavras-Chave para cada tipo de Temperamento

Colérico: Vontade forte, Ambição, Irascível, Fisicamente bem definidos, Robustos, Brigão, Vingativo, Inoportuno, Arrogante, Ousado, Imprudente,  Engenhoso, Sedutor, Tirano, Optimista, Inesgotável, Agressivo, Afirmativo, Gosto por comandar, Impaciente, Odeia detalhes, Exige demasiado e dá demasiado, Extremista, Gosto por reconhecimento público, Muito inquieto, Excessivo, Brincalhão, Mordaz, Nervoso e Astuto.
 
Sanguíneo: Sociável, Amigável, Não se mantêm no mesmo sítio por muito tempo, Fisicamente bem proporcionados, Alegre, Generoso, Dedicado, Afável, Pacificadores, Honesto, Modesto, Religioso, Superficial, Distraído, Optimista, Fiel, Liberal, Cortês, Misericordioso e Confiável.
 
Melancólico: Detalhado, Ponderado, Lógico, Tendências depressivas, Fisicamente magro, Estatura média, Prudente, Lentos a resolver assuntos, Fraudulento, Teimoso, Invejoso, Duvidoso, Triste, Temeroso, Insubordinado, Inexorável, Ambicioso, Taciturno, Anti-social, Analítico, Pessimista, Conhecedor, Estudioso, Desconfiado e Solitário.
 
Fleumático: Emoção controlada, mas de sentimentos fortes, Fisicamente cheios e baixos, Cobardes, Indolentes, Dedicado, Inconstante, Linguarudo, Maçador, Preguiçoso, Contemplativo, Reservado, Tímido, Resignado, Lento, Profundo estudioso, Caseiro, Hesitante, Invejoso, Mesquinho, Egocêntricos, Envergonhados, Ganancioso e Sóbrios.



[1] Para um profundo estudo do Temperamento sugiro o curso avançado de Astrologia Medieval - para mais informações visite - Robert Zoller - Medieval Astrology
[2] Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea, Academia das Ciências de Lisboa - © Academia das Ciências de Lisboa e Editorial Verbo, 2001
[3] Seguindo a fórmula de Robert Zoller para o Cálculo do Temperamento vou usar Quente e Húmido para Vénus ao invés de Fria e Húmida

Como se vê se a Lua é crescente ou minguante?


O Conceito de Seita na Astrologia Helenística


Planetas em Sect, Seita ou Séquito


Sect, Seita, Séquito, por Helena Avelar e Luis Ribeiro


Planetas Diurnos e Planetas Noturnos


Planetas e Signos de Mesma Polaridade (ou o inverso), por Helena Avelar e Luis Ribeiro


Excessos e Exageros, por Helena Avelar e Luis Ribeiro


Planetas Masculinos e Planetas Femininos


E o Sol, a Lua e Mercúrio? São maléficos ou benéficos?


Planetas Benéficos e Planetas Maléficos


domingo, 28 de maio de 2017

Temperamento dos Planetas


Os temperamentos, os signos e os planetas


Os Temperamentos, Helena Avelar e Luis Ribeiro


Os Elementos e os Acontecimentos Mundanos, por Helena Avelar e Luis Ribeiro


O Elemento Fogo, por Helena Avelar e Luis Ribeiro


O Elemento Ar, por Helena Avelar e Luis Ribeiro


O Elemento Água, por Helena Avelar e Luis Ribeiro