segunda-feira, 29 de agosto de 2016

A Divisão da Carta em Ângulos, por Howard Sasportas



Para entender as casas é imprescindível lembrar que estamos considerando dois tipos de movimentos: o da Terra e dos outros planetas ao redor do Sol, e também o da Terra sobre seu eixo. A divisão da esfera mundana que eventualmente se tornou conhecida como as casas surgiu da necessidade de se relacionar a rotação axial da Terra com o movimento dos planetas no céu. Enquanto os signos são subdivisões da aparente revolução do Sol, da Lua e dos planetas ao redor da Terra, as casas são subdivisões da rotação diurna (diária) da Terra sobre seu próprio eixo.

Em As casas astrológicas, Dane Rudhyar desenvolve a idéia de Cyril Fagan de que aquilo a que hoje nos referimos como casas eram originalmente períodos de tempo chamados "relógios". Os relógios baseavam-se no movimento do Sol em seu nascimento a leste, passando sobre a cabeça do observador e se pondo a oeste. Cada relógio cobria aproximadamente seis horas de tempo, marcando os pontos de nascimento, meio-dia, pôr-do-sol e meia-noite. Com o advento da Renascença, os astrólogos inventaram diversos métodos para dividir estes relógios nas doze casas do horóscopo. Mais tarde, desenvolveram uma correspondência entre os vários tipos de atividades humanas e os diversos relógios ou casas. Deste modo, as casas se tornaram o quadro de referência através do qual as potencialidades da combinação de planeta com signo podiam ser relacionadas com os atuais acontecimentos e conceitos de vida. Sem a estrutura das casas, os astrólogos não podem trazer para a Terra o significado dos eventos celestes. É fácil ir dos quatro relógios para os quatro pontos da carta chamados de ângulos (ver Figura 3). Do ponto de vista da posição de um observador na Terra, a qualquer hora do dia um certo signo será visto elevando-se no leste, enquanto seu signo oposto (a 180° de distância) será visto se pondo a oeste. O grau que o signo ocupa no ponto mais ocidental do céu é chamado de o grau ascendente, e o signo no qual se encontra é chamado de Ascendente ou signo ascendente. Astronomicamente, o Ascendente marca a intersecção da eclíptica com o horizonte do observador. Isto significa que é o encontro do céu com a Terra. O ponto oposto ao Ascendente é o descendente, o signo que se põe a oeste. A linha que liga o Ascendente ao Descendente é chamada de eixo do horizonte.

Do mesmo modo, a qualquer hora do dia para um observador na Terra, determinado grau de certo signo estará culminando no meridiano superior, o ponto ao sul do local em questão. Ele é chamado de meio-do-céu ou MC, uma abreviação do termo latino Medium Coeli, — o meio dos céus. O ponto oposto ao Meio-do-Céu é chamado de Imum Coeli ou IC, uma abreviação de fundo-do-céu. A linha que liga o Meio-do-Céu com o Fundo-do-Céu é chamada de eixo do meridiano.

Esses quatro pontos são determinados astronomicamente. Chamados coletivamente de os ângulos, os signos que se encontram nestes pontos revelam muito a respeito da orientação do indivíduo às experiências básicas na vida. Seu significado é discutido com maiores detalhes nos próximos capítulos. A intersecção do eixo do horizonte com o eixo do meridiano estabelece os quatro quadrantes da carta. Devido à inclinação da Terra, o tamanho dos quadrantes que se originam desta subdivisão raramente é igual, variando de acordo com a latitude e a época do ano do nascimento.

_______________________________________________________________
Extraído do livro As Doze Casas, de Howard Sasportas.