sábado, 19 de dezembro de 2015

Lua em Quadratura com Plutão no Mapa Natal, por Adrian Ross Duncan

Você é profundamente motivado em um nível inconsciente pela
necessidade de segurança - uma necessidade que é muito
difícil de satisfazer. Porém, ao se voltar para fora de si mesmo,
preocupando-se mais com os outros, descobrirá um talento
especial para ajudar outras pessoas a sentirem segurança. Isto
pode manifestar-se como uma conscientização social. Você
também consegue lidar com pessoas em crise e possui uma
capacidade psicológica inata para mudar os sentimentos das
pessoas. Você adapta-se a trabalhos que exijam um certo
poder e distanciamento e consegue investigar estados
emocionais profundos em outras pessoas e isto pode estar
ligado tanto à psicologia quanto ao oculto.

Você é uma pessoa que sente tudo com profundidade, embora
as pessoas que só o conhecem superficialmente possam não
saber disto. Sua necessidade de auto-proteção emocional vem
de certas experiências perturbadoras na infância, que fazem
com que se mantenha tranqüilo em tempos de crise.
Problemas ocorrem em relações íntimas porque nunca revela a
maneira como realmente se sente. Se tivesse coragem para
mostrar sua vulnerabilidade, as pessoas o tratariam melhor.
Agarra-se aos laços emocionais com maior intensidade,
embora em tempos de crise possa repentinamente anular seus
sentimentos e tornar-se uma pedra de gelo. Não é sensato
resolver a crise por meio de um ultimatum. É essencial superar
esses mecanismos de defesa destrutivos, se quiser viver um
relacionamento caloroso.

Você foi profundamente marcado por experiências traumáticas
na infância, durante as quais deixou de confiar na segurança
da família. Seu vínculo com sua mãe é complexo na melhor
das hipóteses e, na pior, não-existente. Por qualquer razão, ela
não pôde criar você: talvez tenha sido levado para longe dela
por algum tempo, talvez ela não tenha podido amamentá-lo, ou
talvez, ainda, ela tenha estado sob grande pressão psicológica
e não tenha tido os recursos necessários para cuidar
devidamente de você.

Seja qual for a razão, você procurou se proteger da
vulnerabilidade resultante, amputando os seus vínculos
emocionais de forma a não sentir muita dor ou pena. Se bem
que tal atitude possa ter sido muito eficaz para assegurar sua
sobrevivência emocional quando criança, ela se tornou um
hábito profundo e inconsciente mais tarde no decorrer da sua
existência, sendo capaz de sabotar qualquer vínculo de
natureza emocional. É particularmente doloroso para as outras
pessoas experimentar a atmosfera gelada que você cria
quando esconde os seus sentimentos.
Algumas experiências de vida o levarão, todavia, a transformar
suas manobras drásticas de sobrevivência emocional e, assim
fazendo, aceitar maior responsabilidade pelos problemas de
família. Esta transformação causará uma profunda
compreensão psicológica das outras pessoas que, porventura,
também sejam atormentadas por emoções extremas.