sábado, 14 de maio de 2016

O Ascendente e a Primeira Casa, por Howard Sasportas


Ansiamos por aquilo que anseia.
São Francisco

Imagine por alguns segundos como você se sentiria em sua existência no útero. Flutuando ritmicamente nas águas da vida — não há o sentido de um indivíduo ou de uma identidade separada, nenhuma ideia de corpo, sentimentos ou mente como algo diferente de qualquer outra coisa. Sonhadoramente imerso num paraíso primordial, há apenas unidade e união com o resto da criação. O universo é o eu e o eu é o universo.

O nascimento nos tira dramaticamente deste reino de totalidade oceânica. Nascer significa "tomar" um corpo e proclamar o eu como um indivíduo único e distinto. Com base neste momento, o mapa natal é desenhado e nossa viagem através das casas tem início.

Marcando a cúspide da 1ª Casa, o Ascendente mostra o grau exato do signo Zodiacal que está se levantando no horizonte oriental na hora do nascimento. Coincidentemente com a primeira respiração independente que tomamos, o Ascendente e a 1ª Casa proclamam o início de um ciclo, o passo inicial ou estágio no processo do próprio ser.

Não importa o que nasce num momento de tempo, ele reflete as qualidades deste momento. O signo Ascendente vem à luz e se distingue da escuridão no mesmo tempo em que emergimos do escuro, escondido e indiferenciado lugar que é o útero materno. Em outras palavras, o Ascendente aparece quando nós aparecemos e suas qualidades refletem tanto quem somos quanto como conhecemos a vida.

O signo do Ascendente simboliza uma faceta peculiar da totalidade da vida que procura uma "in-corpo-ração" através do ser nascido naquele momento. Uma vez que o Ascendente corresponde àquele "flash" inicial ou "impacto" de nossa existência individual, ele se imprime também profundamente na psique como "o que é a vida". Nós atribuímos à vida as qualidades do signo que se encontra no Ascendente ou dos planetas que se encontram perto. Ele é a lente através da qual percebemos a existência, o foco que trazemos à vida, a maneira como "suportamos" o mundo. E, uma vez que vemos o mundo desta maneira, invariavelmente agimos e nos comportamos de acordo com esta nossa visão. E mais, a vida força nossas expectativas e reflete nosso ponto de vista de volta para nós.

Vamos fazer uma pausa e considerar este conceito por um momento. A forma pela qual percebemos o mundo (nossas lentes) vai influenciar tanto a maneira como nos relacionamos com ele quanto a maneira como ele nos é devolvido, refletido. "Escolhendo" consciente ou inconscientemente algumas possíveis interpretações de situações ou de ações de pessoas e comportamentos (deixando de lado outras maneiras de avaliar as mesmas circunstâncias), organizamos nossa experiência de vida de acordo com o que elegemos para ver. O Ascendente, que é a primeira noção de vida que formamos ao nascer, nos descreve algo a respeito deste processo de escolha e seleção. Refletindo a imagem inata que temos da vida, o signo Ascendente colore nossa visão de existência. Se colocamos óculos vermelhos, o mundo parecerá vermelho e nós agiremos de acordo com isso. Podemos agir de maneira muito diferente se vemos um mundo azul através de nossas lentes.

Se Sagitário está ascendendo, por exemplo, vamos conhecer um mundo de opções e possibilidades emocionantes que nos convidam à exploração e ao crescimento. Se Capricórnio está ascendendo, no entanto, veremos o mundo através de uma lente menor, de medo, dúvida e hesitação. As mesmas oportunidades para expansão que estimulam e emocionam o Sagitário ascendente para a ação podem provocar no Capricórnio ascendente um estado de temor e apreensão. Quando uma nova possibilidade é apresentada ao Sagitário Ascendente ele dirá: "Muito bom, quando é que eu começo?" Quando a mesma possibilidade se apresenta a um Capricórnio Ascendente, tremendo e sussurrando este pergunta: "Eu tenho que fazer isso? Deveria mesmo, mas será que sou bom nisso? Meu Deus, que responsabilidade."

Nós "sonhamos" o mundo de acordo com o signo Ascendente e depois executamos o sonho. Criamos o enredo e também as soluções para ele. Quem tem Áries Ascendente interpreta o mundo como um lugar em que ação e decisão são pré-requisitos e então começa a agir decididamente. Quem tem Gêmeos Ascendente cria um mundo em que é necessário adquirir conhecimento e entendimento e então se empenha para compreender a vida. Neste sentido, o signo que se encontra no Ascendente é ambos, é aquilo para que olhamos e o que nos olha.

O signo que se encontra no Ascendente ou qualquer planeta que se encontre próximo da cúspide da lª Casa muitas vezes descreve a experiência individual da pessoa do nascimento. Por exemplo, Saturno no Ascendente ou Capricórnio Ascendente podem significar nascimentos tardios, longos ou difíceis. Marte ou Áries nesta posição parecem atirar a pessoa de cabeça na vida como se ela estivesse ansiosa para "sair de lá e começar a fazer coisas". Muitos nascimentos com Plutão no Ascendente ou Escorpião Ascendente envolvem uma luta violenta entre vida e morte, com a mãe ou a criança correndo grande perigo durante o parto. Terapeutas que fazem regressão e renascimento, e que também trabalham com astrologia confirmam a correlação entre o signo ou o planeta no Ascendente e a experiência do nascimento.

Em geral, o Ascendente e a lª Casa demonstram nossa relação com o próprio arquétipo de Iniciação. O signo ascendente não descreve apenas algo sobre o nascimento atual mas também as expectativas e as imagens inatas que temos quando "precisamos começar algo". O Ascendente sugere a forma e o modo pelo qual vamos entrar nas diversas fases ou aspectos da vida. Sempre que temos uma experiência análoga a um nascimento, cada vez que entramos numa área desconhecida, uma faceta ou grau de experiência, são evocadas as qualidades do Ascendente e da 1ª Casa. Cada novo começo ressoa com as qualidades de antigos começos, trazendo de volta procedimentos e associações similares. Capricórnio ou Saturno Ascendentes, por exemplo, hesitam e atrasam não só o novo nascimento mas qualquer transição para uma nova fase da vida.

A maneira pela qual conhecemos a vida é geralmente mostrada pelo Ascendente e pela 1ª Casa. A imagem que nos vem à mente é a de um passarinho saindo de um ovo. Nós podemos "sair da casca" de diversas maneiras. Um Câncer Ascendente sabe que tem de sair da casca, quebra-a e depois decide que é mais seguro ficar dentro do ovo que conhece. O pássaro com Touro Ascendente vai bicar a casca devagar mas, uma vez iniciado o processo vai levá-lo adiante de modo eterminado e firme. O pássaro com Leão Ascendente vai esperar a ocasião mais propícia para fazer uma entrada dramática, nobre e dignificante, exibindo-se orgulhosamente ao mundo. Como exercício, o leitor poderia tentar imaginar como os outros signos ascendentes "quebram a casca" para entrar na vida ou enfrentam as diversas fases de experiência.

O Ascendente pode ser a maneira pela qual entramos na vida, mas o modo como crescemos para dentro dela é o signo Solar. Explicando melhor, o Ascendente é o caminho que nos leva para o Sol. Uma mulher com o Sol em Áries e Ascendente em Virgem pode descobrir sua habilidade para iniciar, liderar e inspirar (Áries) desenvolvendo as qualidades de Virgem -como medindo sua energia de maneira dirigida e precisa. Um homem com Sol em Peixes e Libra Ascendente pode descobrir seu dom de curar e servir aos outros (Peixes) através de consultas individuais ou de um empenho artístico (Libra). O Ascendente se transforma no Sol, ou como diz Liz Greene, o Sol é o herói que nós somos mas o Ascendente é a busca na qual temos que nos aventurar. O Sol é a razão pela qual estamos aqui; o Ascendente é como chegamos lá.

Os signos e os planetas na 1ª Casa indicam o tipos de funções nas quais teremos mais valia nos processos de realização de nossa única e própria identidade. Estas são as tarefas que necessitamos realizar a fim de desvendar inteiramente o quem somos. Não seremos completos enquanto não reconhecermos, explorarmos e desenvolvermos estas qualidades. A este respeito é bom ter em mente que os signos e os planetas (em qualquer casa) podem ser comparados com um elevador numa grande loja de departamentos. Este elevador pode nos deixar no primeiro andar para calçados femininos, no segundo andar para moda masculina ou ir diretamente para o restaurante no último andar. Do mesmo modo, Marte ou Áries, por exemplo, podem, em certo grau, significar impulsividade e precipitação enquanto em outro significam coragem e bravura. Aumentando nossa sabedoria, é possível trocar e mudar os níveis, ir de uma forma de expressão do signo ou do planeta para outra. Tais mudanças de níveis talvez tenham que ser vivenciadas com todos os posicionamentos no mapa, mas é especialmente proveitoso provar desta maneira as energias na 1ª Casa, a parte do mapa tão crucial para a autodescoberta.

Junto com a 3ª, a 4ª e a 10ª casas, a 1ª Casa mostra algo a respeito da atmosfera, do ambiente do começo da vida. Normalmente encontramos nos posicionamentos da 1ª Casa a formação dos primeiros anos de vida Por exemplo, se Júpiter estiver aí, a pessoa pode mudar de país logo depois do nascimento. Com Saturno pode haver uma sensação de privação ou restrição durante a infância. Formamos uma identificação muito forte com os arquétipos representados pelos signos e planetas ali localizados porque as energias da 1ª Casa são conhecidas e despertadas muito cedo na vida. Faça um pequeno entalhe na casca de uma muda e, quando crescida, a árvore terá uma enorme ferida.
As energias da 1ª Casa poderiam descrever mutuamente o efeito que "nossa entrada em cena" provoca nos outros. Com Urano ou Aquário nesta posição, nossa chegada poderia significar rompimento e mudança. Com Plutão ou Escorpião, nosso nascimento poderia coincidir com uma grande crise de reorientação daqueles que nos rodeiam. Nós levamos conosco qualquer signo ou
planeta na 2ª Casa onde quer que vamos. Isto não é nada surpreendente uma vez que esta casa é naturalmente associada com o signo cardeal e de fogo Áries, e com o planeta Marte. O fogo cardeal representa um princípio radiante na vida.

Em geral, os atributos de qualquer signo ou planeta na 1ª Casa são amplificados por estarem nesta posição, como se o volume de seu "tom" fosse aumentado. Se as energias da 1ª Casa não são óbvias na pessoa então alguma outra coisa no mapa está provavelmente obstruindo sua expressão e este bloqueio tem de ser examinado.

Uma vez que o signo Ascendente tem tão grande influência na maneira pela qual conhecemos a vida, as qualidades deste signo serão refletidas e incorporadas em certo grau em nossa aparência física e em nosso semblante.

Muitos astrólogos dizem ter a habilidade de retificar uma hora de nascimento incerta procurando o signo Ascendente que mais se relacione com a imagem e a aparência da pessoa. No entanto, determinar a aparência corporal apenas pelo Ascendente é simplificar demais as coisas. O mapa todo é vivo e expresso através do corpo; por isso, muitos fatores diferentes num mapa de nascimento são concretizados na fisionomia.

O livro Recentes avanços em astrologia natal, de Geoffrey Dean, relata alguns estudos feitos a respeito da relação dos posicionamentos no mapa e da aparência física. A astróloga americana Zipporah Dobyns acredita que a posição do regente do Ascendente (o planeta que rege o signo que se encontra na 1ª cúspide da 1ª Casa) é mais importante neste caso do que o signo em que se encontra o Ascendente. A astróloga alemã Edith Wangemann relata a correlação entre o signo Ascendente e o regente com o formato da cabeça, a testa e os ossos que ficam em volta das sobrancelhas.

March e McEvers, autores de Aprenda astrologia, vol. 3, incluem um interessante capítulo sobre "Procurando a aparência física". Eles acreditam que os fatores cruciais são o signo Ascendente, os planetas que se encontram na 1ª e na 12ª Casas próximos 8 a 9 graus do Ascendente, o posicionamento do regente do Ascendente, o signo solar e os planetas próximos do Meio-do-Céu.
Evidentemente, relacionar a aparência física com o mapa é muito complexo. No entanto, algumas possíveis manifestações físicas do Ascendente são dadas no Capítulo 17.

Em geral, para se definir bem um Ascendente há um certo número de fatores que devem ser levados em consideração: o signo Ascendente; o planeta regente - seu signo, sua casa e seus aspectos; os planetas que se encontram junto ao Ascendente e os aspectos feitos com o próprio Ascendente.

No momento do nascimento, uma das miríades de possibilidades de vida para uma incorporação física irrompe da liberta matriz do ser. Por mais bonito que isto possa soar, nós na verdade não nascemos com a compreensão de nós mesmos como entidades separadas e individuais, nem chegamos com o conhecimento de nós mesmos como alguma manifestação de espírito universal ou como uma expressão de alguma das muitas faces do que alguns chamam de Deus. No entanto, é através do desenvolvimento do signo Ascendente e dos planetas da 1ª Casa que vamos nos tornar não só mais cientes do que somos como indivíduos, mas também mais conscientes de nossa relação com um todo maior do qual fazemos parte. As próximas onze casas descrevem estágios suplementares desta viagem.