segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Norma geral para interpretar os signos nas casas, por Howard Sasportas


O posicionamento de signos é ligeiramente mais complicado que o posicionamento planetário em relação às casas. Em primeiro lugar, sempre vai haver um determinado grau de certo signo na cúspide ou ponto inicial de cada casa. No exemplo mostrado na Figura 15, o 11° grau de Câncer está na cúspide da 1ª Casa. O 29° grau de Câncer na cúspide da 2ª Casa, o 20° grau de Leão na cúspide da 3ª Casa, e assim por diante. Nós associamos os princípios de Câncer com o que a 1ª Casa representa. O princípio de Câncer também vai influenciar a 2ª Casa (mesmo que só um grau de Câncer fique na 2ª, ainda assim ele é associado com esta casa devido à posição da cúspide). Os princípios de Leão operariam na 3ª Casa e assim por diante.

No entanto, se olharmos melhor veremos que existe uma variedade de modos com que um signo pode aparecer numa casa:

1. Uma parte de um signo pode estar numa casa, mesmo que ele não esteja na cúspide dessa casa. No exemplo acima, Câncer se encontra na cúspide da 2ª, mas muito do signo de Leão também se encontra aí. Por isso, a 2ª Casa vai ser associada não só à influência de Câncer, mas também à de Leão. Normalmente a influência do signo na cúspide é considerada mais importante mesmo que mais do signo seguinte esteja presente nesta casa.

2. Se, como no caso do sistema quadrante de divisão de casas, o mesmo signo cai em duas cúspides sucessivas de casas, então um dos outros signos vai estar interceptado em outra casa. Isso quer dizer que uma casa começa com um signo na cúspide, tem o signo seguinte interceptado ou totalmente contido nessa casa e tem o signo seguinte completando a casa. Existem então três signos influenciando uma casa interceptada (novamente o signo da cúspide é tido como a influência mais importante). No exemplo dado, Câncer e Capricórnio estão ambos na cúspide de duas casas (a 1ª e a 2ª e a 7ª e a 8ª, respectivamente). Em consequência disso, podemos procurar outras casas com signos interceptados. Neste caso, a 5ª Casa começa aos 23° de Libra na cúspide, tem Escorpião inteiro interceptado nela e termina nos primeiros graus de Sagitário. Situação semelhante acontece com os signos opostos na casa oposta, a 11ª.

A norma para interpretar um signo (ou signos) numa casa é semelhante àquela utilizada para interpretar um planeta numa casa, exceto que é preciso lembrar que o signo na cúspide da casa é considerado mais importante que outros signos que possam estar nesta casa:

1. O signo ou signos numa casa encontram sua mais natural área de expressão no campo de experiência a que esta casa se refere.

2. O signo ou signos numa casa indica os tipos de experiências que permitem ao nativo realizar melhor seu potencial neste campo de vida.

3. O signo ou signos numa casa também sugere o tipo de energias que a pessoa está predisposta a esperar nesta área da vida.

_______________________________________________________________
Extraído do livro As Doze Casas, de Howard Sasportas.