quarta-feira, 7 de junho de 2017

A História da Astrologia Tradicional em Poucas Páginas (3), por Benjamin Dykes

O Ocidente Latino Medieval (aproximadamente 1100 AD - 1400 AD)

Os europeus medievais de língua latina obtiveram conhecimento de grande parte da astrologia quando os tradutores da Espanha do século 12 começaram a trabalhar em trabalhos astrológicos, mágicos, herméticos, matemáticos e filosóficos em árabe. Uma linha de tradução vem de João de Espanha (ou João de Sevilha), que trabalhou em Toledo. Outra linha importante vem de um grupo de três tradutores: Hermann da Caríntia, Robert de Kelton e Hugo de Santalla. (Aliás, Hugo foi o primeiro a traduzir a Tábua de Esmeralda de Hermes do árabe para o latim - o famoso "como acima, então abaixo" do texto que ainda citamos hoje).

É importante saber que João e esses outros tradutores tinham atitudes muito diferentes em relação à tradução, que afetam a nossa astrologia hoje. João preferiu escrever em latim simples e direto, tentando traduzir o árabe palavra por palavra. Seu latim é mesmo fácil para um aluno começar a ler. Mas Hugo e os outros não gostavam do fluxo de árabe e queriam escrever em um latim mais estilizado (e, portanto, complicado). Consequentemente, as traduções de João se tornaram mais populares e seu vocabulário foi adotado pela maioria dos astrólogos, enquanto as obras de Hugo e outras foram largamente negligenciadas. Por exemplo, nossa palavra "exaltação" vem diretamente do vocabulário de João: exaltatio. Mas Hugo usou o termo regnum um pouco mais preciso, "supremacia, reino". Pense em como podemos ver Aries de forma diferente, se considerarmos o lugar da "supremacia" do Sol ao invés de sua "exaltação". Esta negligência de Hugo e os outros também significava que suas traduções de importantes autores árabes na astrologia natal e horária nunca foram amplamente conhecidas, o que novamente afetou a compreensão futura da astrologia. Recentemente eu comecei a traduzir obras de Hugo e seu círculo, para que suas contribuições estejam disponíveis para o público contemporâneo (ver Apêndices A e B).

No século 13, a astrologia foi amplamente apoiada por elites militares e políticas, e foi comentada e teorizada por acadêmicos como São Tomás de Aquino e seu professor, São Alberto, o Grande. Nos próximos séculos, a astrologia tornou-se um pilar dos cursos universitários, especialmente nas faculdades de medicina. Algumas figuras notáveis ​​neste período são o astrólogo italiano Guido Bonatti (13º século), um conselheiro do imperador Frederico II chamado Michael Scot (séculos XII e XIII) e Campanus (século 13), que criou um sistema de casas ainda usado por alguns hoje.


Pessoas que você precisa conhecer:

  • João da Espanha (início do século 12). Também conhecido como João de Sevilha, ele era um prolífico tradutor de árabe, com um estilo latino muito amigável. Muitos astrólogos mais recentes usaram suas traduções como textos de origem.
  • Hugo de Santalla, Hermann da Caríntia, Robert de Ketton (início do início do século 12). Esses três tradutores trabalharam juntos de várias maneiras ao redor do norte da Espanha e do sul da França, especialmente em trabalhos astrológicos que João da Espanha não traduziu. Seu latim foi mais estilizado e difícil, o que levou a que suas traduções fossem negligenciadas ou criticadas. Eu traduzi vários dos seus trabalhos disponíveis em inglês.
  • Abraham ibn Ezra (século XII). Um erudito e poeta judeu que viveu em grande parte na Espanha, ibn Ezra escreveu uma série de trabalhos curtos em todas as áreas da astrologia, em grande parte desenvolvidos sobre predecessores de língua árabe.
  • Guido Bonatti (século XIII). Este astrólogo italiano era famoso em seus tempos, especialmente como um conselheiro militar astrológico. Seu enorme Livro de Astronomia foi um trabalho de enciclopédias baseado em predecessores árabes, gregos e latinos, e tornou-se um padrão medieval.


Benjamin Dykes, in Tradicional Astrology for Today, The Cazimi Press, Minneapolis, Minnesota, 2011. Tradução de Claudio Fagundes.