sábado, 10 de junho de 2017

A História da Astrologia Tradicional em Poucas Páginas (5), por Benjamin Dykes

O declínio da astrologia (século 17 dC - século XVIII)

Havia muitas razões para o declínio da astrologia perto do final do século XVII. Mas mas essas razões não são os motivos reais pelos quais normalmente somos informados. A visão usual é que a astrologia fazia previsões ruins e acabou sendo superada pela chegada gloriosa da ciência moderna (especialmente na astronomia e nas disciplinas associadas à medicina). É fácil mostrar que essa não é a verdade, através de dois fatos bem simples de se entender. Em primeiro lugar, as pessoas nos círculos religiosos e econômicos rotineiramente faziam predições falsas e tinham disputas entre si, e ainda assim essas áreas se desenvolveram muito bem. Segundo, muitos astrólogos eram cientistas, e alguns esperavam usar a física newtoniana (com sua "ação à distância") para apoiar a astrologia. Não havia unanimidade sobre astrologia entre cientistas.

Gostaria de propor as seguintes razões para o declínio da astrologia, todas essas estavam em jogo naquele tempo.


  1. O vocabulário astrológico combinava cada vez menos com as opiniões das pessoas educadas sobre o mundo: por exemplo, não existe uma categoria científica ou acadêmica que possa dar sentido a uma "casa" astrológica ou a uma "regência". A natureza simbólica da astrologia dificultou a compreensão das pessoas, e os astrólogos em si mesmos muitas vezes jogavam o velho vocabulário em uma tentativa de ser moderno.
  2. Embora os almanaques astrológicos fossem muito populares, eram muito genéricos e não eram muito úteis (bem como colunas modernas do signo do Sol), ao contrário de ir a um astrólogo profissional.
  3. Os astrólogos reformadores estavam mais interessados ​​em se livrar do que eles consideravam antigo ou "não naturais", ou como invenção por árabes, do que fazer suas próprias contribuições - o que levou a uma astrologia empobrecida. Enquanto isso, eles estavam muitas vezes em competição uns com os outros como personalidades, em vez de promover cooperativamente a astrologia como uma arte. Isto foi especialmente verdadeiro na Inglaterra, onde os astrólogos se atacaram em panfletos viciosos, muitas vezes políticos.
  4. Os mitos modernos do progresso e do Iluminismo encorajavam as pessoas a rejeitar qualquer coisa que parecesse "antiga" - que incluiu a astrologia.
  5. As pessoas religiosas muitas vezes continuavam insistindo que a astrologia não se aplicava à alma, mas apenas a coisas como clima e remédios. Essa atitude geral também teria desencorajado a magia astrológica e a espiritualidade.
  6. As pessoas não religiosas (simpáticas com a astrologia ou não) freqüentemente tendiam a teorias materialistas e mecanicistas do mundo, o que na verdade não correspondia à visão astrológica do mundo.
  7. Finalmente, há o que eu chamaria de teologias e ideologias ruins, não-astrológicas. Muitos astrólogos protestantes, em particular, publicaram panfletos assustadores, proferindo a chegada do anticristo. Agora, embora houvesse algumas vistas antigas sobre como o mundo seria destruído quando os planetas chegassem a determinadas posições, não era uma informação muito prática. A astrologia funciona com ciclos e a visão persa da astrologia mundana admitiu transtornos periódicos que levariam a novos ciclos. Os astrólogos anteriores não especularam sobre o Dia do Juízo Final, nem assumiram que estava perto! Portanto, sua visão astrológica da história combinou bastante a noção astrológica de ciclos. Mas as figuras Reformistas e Iluministas (como muitos modernos) acreditavam que estavam entrando em um período fundamentalmente novo da história, que tinha versões seculares e religiosas. Em termos seculares, significava que estávamos entrando em um momento de luz e razão, mas religiosamente significava que estávamos entrando em um momento de escuridão e conflito finais. E assim, esses astrólogos enxertaram o que era realmente uma visão cristã dos tempos finais em uma astrologia que nunca era adequada para isso. Além disso, ambos esses pontos de vista de entrar em uma era totalmente nova são basicamente incompatíveis com a astrologia prática: se materialismo racional e razão são tudo o que precisamos, então não precisamos de astrologia; mas se pregamos erroneamente a vinda do Anticristo todos os anos, então os astrólogos ficam enfraquecidos. Devo enfatizar que essas duas atitudes são hipóteses de diferentes ideologias, não são fatos comprovados. Mas, como a astrologia era mais ou menos prejudicada por ambos, parecia menos relevante e útil.

Benjamin Dykes, in Tradicional Astrology for Today, The Cazimi Press, Minneapolis, Minnesota, 2011. Tradução de Claudio Fagundes.  

O livro está à venda aqui: https://www.amazon.com/Traditional-Astrology-Today-Benjamin-Dykes/dp/1934586226/ref=sr_1_4?ie=UTF8&qid=1497110339&sr=8-4&keywords=benjamin+dykes