sábado, 8 de julho de 2017

A Pesagem de Dignidades e Debilidades, por Helena Avelar e Luís Ribeiro

O sistema de pesagem

A avaliação das dignidades ou debilidades essenciais dos planetas faz-se através de um sistema de pontuação. A um planeta em trono são atribuídos 5 pontos, a um planeta exaltado 4 pontos, em triplicidade 3 pontos, em termo 2 pontos e em face 1 ponto. Quanto às debilidades, o exílio corresponde a -5 pontos e a queda a -4.

Pontuações das dignidades e debilidades essenciais

Para fazer a “pesagem” de um dado planeta determina-se se este se encontra em alguma das suas dignidades e, caso isso se verifique, atribui-se-lhe a respectiva pontuação. Tem-se idêntico procedimento para as debilidades, atribuindo a correspondente pontuação negativa.

A soma final da pontuação, positiva e negativa, de cada planeta mostra-nos o nível de dignidade ou debilidade desse planeta.

Por exemplo, Mercúrio a 16° de Caranguejo encontra-se no seu próprio termo e na sua própria face. Recebe, portanto, 2 pontos pelo termo e 1 pela face, perfazendo um total de 3 pontos. Como Mercúrio não tem debilidades neste signo, não lhe são retirados quaisquer pontos.

Outro exemplo: Júpiter a 4º de Gémeos está na sua triplicidade participante e na sua face. Recebe por isso 3 pontos pela triplicidade e 1 pela face, perfazendo um total de 4 pontos. Contudo, Júpiter está também em exílio neste signo, pelo que perde 5 pontos. O resultado final é de 1 ponto negativo.

Se a pontuação final do planeta for positiva, o planeta está dignificado.

Quantos mais pontos positivos o planeta acumular, mais segura será a sua dignidade, pois um planeta em trono ou exaltação que tenha também dignidade de triplicidade, termo ou face, reforça o seu poder. O mesmo acontece quando um planeta acumula triplicidade com termo e com face, pois assim a natureza do planeta é reforçada. Planetas aparentemente “neutros” num horóscopo podem revelar-se mais fortes do que aparentavam.

Assim, um planeta com pontuação positiva é considerado em boas condições. Com pontuação acima de 4 pontos considera-se forte. Acima de 5 pontos é considerado muito forte.

Um planeta com pontos negativos está debilitado. Embora a debilidade possa ser atenuada por dignidades menores, o planeta continuará a ter alguma dificuldade na sua expressão.

Note-se que o estado de debilidade é sempre atribuído pelo exílio e queda, que se opõem às dignidades maiores (regência e exaltação); as dignidades que amenizam este estado são sempre menores (triplicidade, termo ou face), não tendo força suficiente para anular o estado de debilidade.

Desta forma, um planeta com pontuação negativa é considerado em más condições. Com pontuação abaixo de 4 pontos negativos diz-se que está nitidamente debilitado.

Nalgumas situações, a debilidade é superada pela dignidade, caso em que obtemos um planeta com alguma força.

Por serem opostos, o trono e a exaltação nunca coincidem com as respectivas debilidades (exílio e queda). No entanto, podem ocorrer sobreposições entre as debilidades e as outras dignidades: um planeta em exílio ou queda pode ao mesmo tempo estar em triplicidade, termo ou face. Neste caso as dignidades secundárias amenizam o estado de debilidade do planeta em exílio ou queda; em casos pontuais podem até recuperar-lhe a dignidade.

Por exemplo, consideremos Vénus a 12° de Virgem. Nesta posição, Vénus está no signo oposto ao da sua exaltação (Peixes), pelo que está em queda. A pontuação de um planeta em queda é de 4 pontos negativos. Contudo, Vénus tem triplicidade em Virgem e no grau 12 está também no seu próprio termo e face. Ganha, assim, 3 pontos da triplicidade, 2 do termo e 1 da face, o que perfaz um total de 6 pontos. Se descontarmos os 4 pontos negativos restam-nos, ainda assim, 2 pontos positivos. Desta forma, verificamos que um planeta aparentemente debilitado pode, se contarmos com as dignidades menores, ter alguma dignidade.

Na prática, aquilo que Vénus representa no horóscopo, seria pouco afectado pela debilidade, encontrando formas estáveis e equilibradas de se expressar.

Noutros casos, as dignidades e as debilidades anulam-se, ficando o planeta com um total de 0 pontos. Nestes casos consideramos que está ligeiramente enfraquecido.

Por exemplo, Vénus a 8º de Escorpião está em exílio, pelo que tem 5 pontos negativos; no entanto, por estar num signo de Água tem triplicidade diurna, o que lhe confere 3 pontos, e neste grau de Escorpião está no seu termo, o que lhe acrescenta mais 2 pontos. A soma dos 5 pontos negativos com os 5 positivos (3 + 2) é igual a zero. Podemos então considerar que a debilidade inicial do planeta é atenuada por dignidades menores. Continua a haver dificuldade de expressão, mas esta torna-se menos notória.

Existe ainda um caso especial: quando um planeta não tem quaisquer dignidades na posição onde se encontra, é denominado peregrino. O termo peregrino significa “de passagem”. O planeta não tem nada de seu naquela área do Zodíaco, pelo que está sujeito aos “senhores” que ali governam e tem pouco poder de ação. E também considerado uma espécie de debilidade, que se agrava caso acumule com o exílio e a queda.

Nota: alguns autores dão a designação de peregrino a um planeta que não tenha dignidades nem debilidades na posição que ocupa. Contudo, a maioria parece concordar em atribuir a designação de peregrino a um planeta sem dignidades, independentemente de estar ou não debilitado.O próprio termo parece apontar para esta conclusão, pois sugere a ideia de vagabundo, sem laços nem responsabilidades.

O Sol está peregrino em todo o signo de Touro no 1º e 2º terços de Gémeos, todo o signo de Caranguejo, 2º e 3º terços de Virgem, todo o signo de Balança (onde está também debilitado por queda), Io e 3º terços de Escorpião, 1º e 2º terços de Capricórnio, todo o signo de Aquário (onde está também debilitado por exílio) e todo o signo de Peixes.

A Lua está peregrina nos signos de Carneiro, Gémeos e Leão, no 2º e 3º terços de Balança, 1º e 3º terços de Sagitário e 1º e 2º terços de Aquário.

Mercúrio está peregrino em Carneiro dos 0º aos 12° e dos 20° aos 29°; em Touro dos 14° aos 29°, no 1º e 2º terços de Caranguejo, em Leão dos 0º aos 17° e dos 24° aos 29°, em Escorpião dos 0º aos 11° e dos 19° aos 29°, em Sagitário dos 10° aos 17° e dos 21° aos 29° (neste signo tem também exílio), em Capricórnio dos 8º aos 29°, e em Peixes dos 0º aos 16° e dos 19° aos 29° (neste signo tem também exílio e queda).

Vénus está peregrino em Carneiro dos 0º aos 6º e dos 12° aos 20° (neste signo também tem exílio), em Gémeos dos 0º aos 12° e dos 17° aos 29°, em Leão dos 0º aos 6º e dos 11° aos 29°, em Sagitário dos 0º aos 12° e dos 17° aos 29°, e em Aquário dos 13° aos 29°.

Marte está peregrino em Gémeos dos 0º aos 10° e dos 24° aos 29°, em Leão no 1º e 2º terços, em Balança dos 0º aos 28° (neste signo tem também exílio), em Sagitário dos 0º aos 26°, e em Aquário dos 0º aos 20° e dos 25° aos 29°.

Júpiter está peregrino em Touro dos 0º aos 14° e dos 22° aos 29°, em Virgem dos 0º aos 17° e dos 21° aos 29° (onde tem também exílio), em Escorpião dos 0º aos 19° e dos 24° aos 29°, e em Capricórnio dos 14° aos 29° (onde acumula com a debilidade de queda).

Saturno está peregrino no 1º e 2º terços de Touro, em Caranguejo dos 0º aos 26° (onde acumula com exílio), em Virgem dos 0º aos 28°, em Escorpião dos 0º aos 24°, e em Peixes dos 10° aos 27°.

Variantes do sistema de pontuação
O sistema de pontuação que apresentamos é o mais corrente, particularmente a partir do fim da Idade Média. No entanto, alguns autores árabes, como Ali Ben Ragel e Al-Biruni, davam maior importância ao termo do que à triplicidade. Neste sistema de pontuação (aparentemente mais antigo) o termo recebia 3 pontos e a triplicidade 2.
Na literatura astrológica medieval existem ainda referências a outros sistemas, mas estes parecem não ter tido uma expressão prática relevante.


Exemplo prático: pesagem das dignidades essenciais

Vejamos quais são as dignidades e debilidades dos planetas no horóscopo do filósofo alemão Friedrich Nietzsche.

Natividade de Friedrich Nietzsche

Começa-se por anotar a posição zodiacal de cada planeta e, usando a tabela de dignidades essenciais, atribui-se as respectivas pontuações.

Saturno encontra-se a 0°46’ de Aquário. Nesta posição recebe 5 pontos por estar em regência e mais 3 por ser triplicidade diurna deste signo de Ar. Não tem quaisquer debilidades. Saturno tem, portanto, 8 pontos no total.

Júpiter está a 26"02 de Peixes. Também tem regência, pelo que recebe 5 pontos, mas não tem mais nenhuma dignidade pelo que não lhe são acrescentados mais pontos. Como também não tem debilidades, não lhe é subtraído qualquer ponto. Tem no total 5 pontos.

Marte está a 27°56’ de Virgem. Por estar num signo de Terra, ganha 3 pontos como triplicida- de participante; tem ainda 2 pontos por estar no seu próprio termo. Como não tem debilidades, acumula um total de 5 pontos.

O Sol localiza-se no signo de Balança, a 22°07’. Neste signo o Sol não tem qualquer dignidade. Como está em queda recebe 4 pontos negativos. Tem um total de -4 pontos.

Vénus está a 6°22’ de Virgem. Recebe 3 pontos por triplicidade diurna por estar num signo de Terra, mas são-lhe retirados 4 pontos por estar no signo da sua queda. A sua pontuação final é de -1 ponto.

Mercúrio encontra-se a 4°09’ de Balança. Neste signo de Ar recebe 3 pontos por ser triplicidade noctur- na. Não tem mais dignidades nem debilidades, perfazendo um total de 3 pontos.

A Lua está a 9°02’ de Sagitário. Nesta posição zodiacal a Lua não tem quaisquer dignidades ou debilidades, pelo que tem 0 pontos.

Comparando os resultados, verificamos que Saturno é o planeta mais dignificado, com um total de 8 pontos. Seguem-se Júpiter e Marte, ambos com 5 pontos, e Mercúrio com 3 pontos de dignidade. Todos estes planetas se encontram dignificados, pelo que tudo o que significarem no mapa terá uma expressão estável e construtiva.

Por outro lado, o Sol e Vénus têm pontuações negativas, encontrando-se debilitados. Aquilo que significam no mapa terá uma expressão mais difícil e trabalhosa.

A Lua tem 0 pontos, pelo que não está dignificada; nestes casos, considera-se que o planeta está ligeiramente debilitado.

Estão peregrinos a Lua em Sagitário, sem dignidades nem debilidades, e o Sol em Balança, onde acumula o estado de peregrino com o de queda.

Com este sistema de pontuação podemos determinar com facilidade o estado de “operacionalidade” dos planetas.

Estes sistemas de pontuação servem para medir a qualidade de expressão de um planeta. São auxiliares de delineação, pelo que os seus resultados não podem ser interpretados por si mesmos. A dignidade ou debilidade do planeta só faz sentido no contexto geral do horóscopo.\
O sistema de pontuação e o cálculo "matemático" serve apenas para auxiliar o astrólogo na avaliação de dignidade e debilidade. Fornece uma noção aproximada do poder efetivo dos planetas e não deve ser aplicado de forma rígida. Há que recordar que este método quantitativo é um auxiliar da interpretação, que é qualitativa.
Na prática, não vale a pena perder tempo em comparações demasiado pormenorizadas sobre a pontuação dos planetas. A ideia é ter uma noção da sua força relativa e aplicar essa informação à interpretação (devidamente contextualizada) do planeta.

O almuten

A palavra almuten é uma corruptela de um termo árabe que significa “o vitorioso” ou “o vencedor”. Em Astrologia, considera-se almuten o planeta que mais dignidades possui num determinado ponto de um horóscopo.

A título de exemplo, consideremos no horóscopo de Nietzsche o planeta Mercúrio, que está a 4°09’ de Balança. Através da tabela de dignidades essenciais vamos determinar que planetas têm dignidade neste grau do Zodíaco.

Como se trata do signo de Balança, Vénus é o regente, recebendo por isso 5 pontos.

Em Balança, a exaltação é Saturno, pelo que lhe são atribuídos 4 pontos; como Balança é um signo de Ar, Saturno tem também triplicidade diurna, pelo que soma mais 3 pontos. Na tabela verificamos que o grau 4 de Balança é também termo deste planeta, que assim recebe ainda mais 2 pontos. Saturno soma portanto 9 pontos no total.

As restantes triplicidades do elemento Ar são Mercúrio (noctur- na) e Júpiter (participante) pelo que ambos adquirem 3 pontos nesta posição.

Falta apenas ver qual é a face neste grau zodiacal. Consultando a tabela, verificamos que os primeiros 10° de Balança estão sob o domínio da Lua, que recebe assim 1 ponto.

Comparemos os resultados:

Pontuações dos planetas nos 4°09'de Balança
Saturno é claramente o planeta com mais pontuações naquele grau; concluímos, portanto, que Saturno é o almuten de Mercúrio neste horóscopo. Isto significa que na interpretação de Mercúrio temos de adicionar um “tom” saturnino (de contenção, reserva e profundidade de pensamento) à expressão mais ligeira e social de Mercúrio em Balança.

Note-se que neste cálculo não foram tomadas em conta as debilidades (Balança é o exílio de Marte e queda do Sol). 0 cálculo do almuten visa determinar o planeta com mais poder num determinado grau (ou seja, o planeta que mais "manda" naquele ponto), pelo que as debilidades não têm de ser consideradas.

O cálculo do almuten também é utilizado para determinar qual é o planeta que tem mais poder sobre pontos não-planetários do horóscopo, por exemplo, o Ascendente.

Vejamos de novo o exemplo de Nietzsche, que tem o Ascendente a 29°09’ de Escorpião.

O regente do signo é Marte, que por isso recebe 5 pontos. Como se trata de um signo de Água, Marte também tem triplicidade noturna, somando mais 3 pontos. O total perfaz 8 pontos.

Vénus também tem triplicidade (diurna) em signos de Água, pelo que recebe 3 pontos, aos quais se acrescentam mais 1, pois também tem face nos últimos 10° de Escorpião. Soma no total 4 pontos.

A Lua tem 3 pontos por ser triplicidade participante e Saturno tem 2, por este grau de Escorpião estar no seu termo.

Os resultados são: 


Pontuações dos planetas nos 29°09 'de Escorpião

Concluímos então que Marte é o almuten do Ascendente. Como Marte jã é o regente, esta conclusão vem confirmar o seu poder sobre aquele ponto do horóscopo.

Como se pode verificar, o almuten corresponde sempre ao trono ou à exaltação do respectivo signo, corroborando assim o poder de uma das dignidades maiores.

Acabamos de ver como o almuten indica o planeta mais poderoso num determinado ponto do horóscopo. Podemos também utilizar o cálculo do almuten para determinar o planeta que tem domínio sobre um conjunto de pontos do mapa (planetas, Casas, etc.) e que sintetiza as suas qualidades combinadas.

Estes pontos não são escolhidos ao acaso, mas devido à sua significação comum para um tema em estudo. Por exemplo, num mapa natal, o almuten da Lua e de Mercúrio dá indicações sobre o tipo de estrutura mental que caracteriza o indivíduo (como é óbvio, as informações fornecidas pelo almuten devem ser ponderadas com outros factores interpretativos, que estudaremos adiante).

Para exemplificar, vamos então calcular o almuten da Lua e de Mercúrio no horóscopo de Nietzsche.

A Lua está a 9°02’ de Sagitário. Neste signo Júpiter tem regência, triplicidade noturna e termo, pelo que acumula um total de 10 pontos (5+3+2). Saturno tem apenas triplicidade participante, recebendo 3 pontos. O Sol tem triplicidade diurna, pelo que recebe também 3 pontos. Mercúrio tem face neste grau, o que lhe vale 1 ponto.

Mercúrio, por seu turno, está a 4°09’ de Balança. Vénus é a regente, pelo que tem 5 pontos. Saturno é a exaltação, a triplicidade diurna e o termo, acumulando assim 9 pontos (4+3+2). Júpiter é a triplicidade participante, recebendo portanto 3 pontos. Mercúrio é a triplicidade diurna, o que lhe confere 3 pontos. A Lua tem dignidade de face, recebendo por isso 1 ponto.

Se colocarmos estes cálculos numa tabela, obtemos o seguinte resultado:

Tabela de cálculo do almuten Lua-Mercúrio
Júpiter é o planeta com maior pontuação, sendo por isso o almuten. Contudo, Saturno está a pouca distância (apenas 1 ponto a menos) pelo que podemos considerá-lo um co-almuten, ou seja, adiciona a sua tonalidade à de Júpiter. A importância destes dois planetas é ainda reforçada pela grande diferença de pontuação em relação aos restantes planetas.

Na prática, podemos concluir que a mentalidade de Nietzsche é “tingida” por uma mescla de Júpiter (“pensamento filosófico”, fé e misticismo) e Saturno (“pensamento científico”, ceticismo e crítica). O resultado desta complexa mistura é, aliás, bem patente nos seus escritos.

Nota: Esta consideração de um segundo almuten (co-almuten) só é válida quando consideramos o almuten de vários pontos combinados. No caso do almuten de um único ponto, só se considera um co-almuten se dois planetas empatarem "ex-aequo" na pontuação de dignidades.
O almuten é um complemento especializado da interpretação. Usa-se apenas em casos particulares, em que é necessário fazer interpretações muito detalhadas. Nunca se usa de forma indiscriminada, seja aplicando o cálculo a um ponto isolado, seja na síntese de vários pontos do mapa. Em suma, não vale a pena calcular almutens para conjuntos aleatórios de pontos, pois os resultados serão desprovidos de significado.
Por outro lado, o almuten (como, aliás, tudo em Astrologia) nunca é interpretado isoladamente; há sempre que considerar o contexto geral do horóscopo.
De nada serve dizer, por exemplo, que um dado planeta é o almuten do Ascendente, começando de imediato a tirar conclusões deste fato; há que conhecer em pormenor a dinâmica desse planeta e do próprio Ascendente, para que a informação fornecida pelo almuten faça sentido. Só quando devidamente contextualizada, esta informação pode complementar e aprofundar a interpretação básica do horóscopo.

Tabela de dignidades e debilidades essenciais


Helena Avelar e Luis Ribeiro, in Tratado das Esferas. Editora Pergaminho. Cascais, Portugal, 2007.

Pode ser adquirido em nova edição aqui: https://www.facebook.com/prismaedicoes/