sexta-feira, 26 de agosto de 2016

A Paisagem da Vida, por Howard Sasportas



Existem três ingredientes básicos que se combinam para formar uma carta astrológica: os planetas, os signos e as casas. Os planetas representam impulsos, induções e motivações psicológicas peculiares. Como verbos, eles descrevem uma certa ação que está acontecendo; por exemplo, Marte assevera, Vênus harmoniza, Júpiter expande, Saturno restringe, e assim por diante. Os signos representam doze qualidades de ser ou doze atitudes perante a vida. O impulso de um planeta se expressa através do signo em que está colocado. Marte assevera de maneira ariana ou taurina, Vênus pode harmonizar de maneira geminiana ou canceriana, e assim por diante. As casas, no entanto, mostram áreas específicas da vida de cada dia ou em que campos de experiência tudo isso está acontecendo. Marte em Touro manifesta-se de maneira lenta e firme, mas seu posicionamento na casa determina a área exata da vida em que a sua ação lenta e firme pode ser observada mais obviamente, seja na carreira da pessoa, fazendo com que ela aja deste ou daquele modo, seja em seus relacionamentos, na escola etc. Uma explicação bem simples seria: os planetas mostram o que está acontecendo, os signos mostram como está acontecendo e as casas mostram onde está acontecendo.

Servindo de lente para focalizar e personalizar a cópia heliográfica planetária dentro da paisagem da vida atual, as casas trazem a carta para a Terra. Mesmo assim, o significado e a função das doze casas é geralmente o menos compreendido de todos os fatores básicos da astrologia. A proposta deste livro é examinar de que modo uma avaliação correta dos signos e dos planetas em cada uma das doze casas pode nos orientar com vistas à nossa verdadeira identidade, iluminando o caminho para a nossa autodescoberta e a revelação do nosso plano de vida.

Existem algumas razões pelas quais o completo significado das casas tem sido tantas vezes desdenhado. Muitos livros sobre astrologia se detêm no significado "exterior" de cada casa e negligenciam seu princípio básico mais sutil e fundamental. A menos que o âmago do significado de uma casa seja alcançado, a verdadeira essência dessa casa fica perdida. Por exemplo, a 11ª Casa é normalmente conhecida como a "casa dos amigos, de grupos, das esperanças e dos desejos". A primeira vista, isso pode parecer estranho — o que amigos e grupos têm a ver com esperanças e desejos? Por que essas coisas todas estão englobadas debaixo de uma mesma casa? No entanto, quando o princípio mais profundo e básico da casa é explicado, a conexão torna-se clara. O centro da 11ª Casa é "a pressão para nos tornarmos maiores do que já somos". Fazemos isso ligando-nos a algo maior que o nosso eu separado — alinhando-nos com amigos e círculos sociais, reunindo grupos, nos identificando com causas que nos tirem de dentro de nós e nos englobem num esquema mais amplo de coisas. Mas o desejo de sermos maiores do que já somos também tem de ser acompanhado pela capacidade de considerar novas e diferentes possibilidades. Em outras palavras, esperar e desejar algo nos transporta para além das imagens e dos modelos existentes de nós mesmos. Antes de termos um sonho realizado, precisamos ter um sonho. Entendida dentro do contexto do desejo que temos de ampliar nossa esfera de experiência já existente, a classificação da 11ª- Casa como sendo a dos "amigos, grupos, das esperanças e desejos" começa a ter sentido no relacionamento entre eles.

A maneira convencional pela qual a influência dos planetas e dos signos nas casas tem sido interpretada é outro obstáculo para uma completa avaliação do significado de cada casa. Considerando os eventos como circunstâncias meramente externas que nos acontecem, a astrologia tradicional interpreta os posicionamentos numa carta sob uma luz determinante e fatalista, e deixa de compreender a parte que nos toca ao absorver o que nos acontece. Um astrólogo orientado apenas para ver acontecimentos, por exemplo, poderia dizer a um homem com Saturno na 11ª Casa, algo como: "Seus amigos vão limitá-lo, desapontá-lo." Isso pode até ser verdade, mas qual é o bem que essa interpretação pode trazer?

A premissa filosófica sobre a qual a astrologia psicológica se baseia é a de que a realidade de uma pessoa brota de sua paisagem interior de pensamentos, sentimentos, expectativas e crenças. Para o homem com Saturno na 11ª Casa, o fato de ter problemas com amigos é apenas a pontinha do iceberg — a manifestação exterior de alguma coisa que ele mesmo é responsável por criar. Sua dificuldade em se relacionar com companheiros é a manifestação superficial de algo bem mais profundo: o temor de expandir os próprios limites para incluir algo além de si mesmo. Ele quer tornar-se maior do que já é — para se identificar com algo além do sentido existencial do eu; no entanto, fica temeroso de colocar em risco a identidade que já tem. A 11ª Casa o impele a englobar uma realidade maior, mas Saturno diz "pare, preserve o que você já conhece". Entendido desta maneira, não são os amigos que o restringem, mas suas próprias restrições é que limitam os seus amigos. O astrólogo que mostra esse dilema introduz esse homem no pórtico da mudança. Confrontar essas apreensões, examinar suas origens e mostrar as possíveis maneiras de lidar com seus temores: eis as chaves que abrem a porta para posterior crescimento e desenvolvimento. Quando considerados dentro do contexto de abrir seu potencial e realizar seu plano de vida, as dificuldades deste homem com amigos torna-se uma necessária e produtiva fase de experiência. Com este Saturno na 11ª Casa, em vez de evitar ou culpar os outros, é preferível ater-se a ele, e este é um dos caminhos que "vai fazer dele aquilo que ele deve se tornar". Esta interpretação da 11ª Casa é infinitamente mais benéfica do que o "lamento, meu chapa, mas seus amigos são péssimos".

Em seu livro A astrologia da personalidade, Dane Rudhyar, um pioneiro na astrologia centrada no indivíduo, propõe que a leitura de uma carta é a leitura do dharma da pessoa. Em trabalho posterior, As casas astrológicas, ele elabora um pouco mais esta afirmação, enfatizando que planetas e signos em cada casa oferecem "instruções celestiais" de como uma pessoa pode da maneira mais natural possível abrir seu plano de vida nesta área de existência. Tanto quanto possível, este livro interpreta os planetas e os signos através das casas sob esta perspectiva. No entanto, além de só indicar o mais autêntico modo de preencher nossas potencialidades intrínsecas, o posicionamento das casas também mostra a nossa predisposição inata para entender as experiências associadas com cada casa dentro do contexto dos signos e planetas que nela se encontram. Por exemplo, uma mulher com Plutão na 7ª Casa está inclinada desde o nascimento a contar com Plutão naquilo que diz respeito a essa casa. E mais: por ser Plutão o que ela espera dessa casa é precisamente Plutão o que ela irá encontrar.
Tudo o que vemos na vida é colorido por aquilo que esperamos ver. Solicitou-se a 28 estudantes que descrevessem o que viram quando um maço de cartas de baralho foi mostrado, uma por uma, numa tela. O que eles esperavam basicamente (ou o que era o modelo orientador) era a opinião prévia de que o maço de cartas consiste em quatro naipes: dois pretos (espadas e paus) e dois vermelhos (ouros e copas). Porém, quando o operador mostrava um seis de espadas vermelho muitos estudantes simplesmente recusavam a evidência que estava diante de seus olhos e convertiam nas suas descrições o seis de espadas vermelho em preto. Explicando melhor: quando o seis de espadas vermelho era mostrado na tela, eles nem notavam a incongruência da carta com suas próprias expectativas de como deveria aparecer um seis de espadas. Eles viam apenas aquilo que esperavam ver, não o que realmente estava sendo mostrado.

De maneira semelhante nossas expectativas arquetípicas, vistas através dos signos e dos planetas nas casas, nos precondicionam a certas maneiras de viver a vida. Portanto, a mulher nascida com Plutão na 7ª Casa vai tomar decisões com relação a associações sob o prisma deste planeta. Nesse sentido, ela está "presa" a Plutão nesta área da vida como a semente do carvalho está presa ao fato de se tornar um carvalho. Nada do que faça pode mudar o fato do planeta estar ali. Porém, se ela se conscientizar de que Plutão é o contexto pelo qual ela encara a 7ª Casa, algumas alternativas, que não existiam antes, se abrirão para ela.

Antes de mais nada, ela pode se perguntar qual a proposta de Plutão na 7ª Casa diante da abertura completa de seu plano de vida. Desta maneira, ela aceita e começa a cooperar com a sua natureza congênita. Em segundo lugar, em vez de culpar a vida ou outras pessoas pelo estado de coisas dessa casa, ela pode tentar entender o papel que ela mesma desempenhou em criar tais circunstâncias. Fazendo isso, estará infundindo maior propósito e significado às experiências de sua vida — que não são apenas acasos que acontecem com ela. Finalmente, se ela puder "usar" Plutão em suas conotações mais construtivas, não sofrerá mais do que o necessário neste aspecto. Por um lado, Plutão implica em derrubar e destruir todas as estruturas existentes. Por outro, representa a transformação e o renascimento de uma maneira completamente nova de ser.

Através da alteração da perspectiva na qual ela vê o que está se passando, ela consegue entender as interferências de Plutão como oportunidades necessárias para crescer e mudar. Encarando de frente e chegando a bons termos com o tipo de traumas associados a esse planeta, ela "modifica" seus planos e percebe que Plutão tem uma dimensão completamente diferente de experiência a lhe oferecer. Ela aprende aquilo que Paracelso observou há muito tempo, ou seja, que "a deidade que traz a doença também traz a cura".

Conhecimento implica em mudanças. Examinando o posicionamento das casas em nossas cartas, não estamos só encontrando pistas para achar o melhor caminho para atingir a vida nesta área; estamos também ganhando introspecção para as expectativas arquetípicas subjacentes que operam dentro de nós. Uma vez que nos tornamos conscientes de que temos uma tendência congênita para ver as coisas dentro de certo contexto, podemos começar a trabalhar construtivamente dentro de uma estrutura, e gradualmente ir expandindo seus limites de modo a permitir outras alternativas. Tendo isso em mente, o leitor pode usar este livro tanto como ferramenta para seu desenvolvimento pessoal como para se guiar na interpretação de uma carta. O significado sugerido para cada planeta e para cada signo através das casas tem a intenção de servir como um esboço amplo e geral que, espero, inspire mais e mais pensamentos e reflexões sobre a natureza de cada posicionamento.

Minhas sugestões não devem ser tomadas como um evangelho ou aplicadas com rigidez excessiva, e peço desculpas pelas limitações do formato deste "livro de receitas". Tenho plena convicção de que cada fator de uma carta astrológica só pode ser completamente apreciado à luz da carta inteira. Ainda assim, a expressão de qualquer posicionamento num horóscopo é ocorrência de certo fator do nível de consciência da entidade da qual deriva.

Uma mulher pode ter nascido na mesma hora, lugar e data que seu cachorrinho, e seus mapas astrológicos seriam exatamente os mesmos; porém, o cachorrinho vai expressar seu mapa de nascimento de acordo com seu grau de conhecimento e, a mulher, de acordo com o seu. Uma vez que nosso grau de consciência tem um papel tão crucial na determinação da "manifestação" e do significado dos posicionamentos num mapa, nenhuma interpretação rígida de qualquer fator pode ser fixada. Cada um de nós é mais do que a soma das partes do mapa. Cada um de nós tem potencial para maior conhecimento, liberdade e realização.

_______________________________________________________________
Extraído do livro As Doze Casas, de Howard Sasportas.