sexta-feira, 4 de novembro de 2016

A Lua na 7ª Casa, por Howard Sasportas



Quem tem a Lua na 7ª Casa pode ser sensível e adaptável demais às necessidades de seu companheiro, derivando em demasia suas identidades daquilo que a outra pessoa quer que eles sejam.

Inversamente, podem estar procurando uma mãe em seus companheiros. Modelos emocionais do início da vida com a mãe podem ser projetados no companheiro, nublando uma percepção objetiva da realidade do aqui-e-agora. Uma montanha de problemas aparece quando um companheiro (homem ou mulher) se confunde com a mãe deste modo, não mencionando o fato de que até o pensamento de sexo com a mãe é um tabu. Pensa-se em casamento pela segurança que oferece e pela promessa de um lar confortável, além de uma família que dá à pessoa uma sensação de fazer parte de algo. A Lua não se importa muito em ser um indivíduo separado. Casar-se é o que a maioria das pessoas faz; então, por que eles não devem fazer o mesmo? Aspectos tensos de Saturno sobre a Lua ou dos planetas exteriores podem tornar a realização desses desejos básicos mais difícil: a Lua na 7ª é seriamente inclinada para o relacionamento; porém outras partes do self podem não cooperar com isso.

O próprio relacionamento pode necessitar do carinho e do alimento que seria dado a um bebê. A natureza flutuante da Lua tende a se manifestar de vários modos. Quem tem este posicionamento pode ter muitas mudanças de humor e de sentimentos com relação ao relacionamento. Em alguns casos, a Lua na 7ª Casa descreve um parceiro incansável, instável e emocionalmente idiossincrásico. Como com qualquer planeta na 1ª Casa, a pessoa é aconselhada a refletir sobre a razão pela qual ela atraiu estas qualidades específicas em outra pessoa. O que a outra pessoa está "vivendo" por elas?

_______________________________________________________________
Extraído do livro As Doze Casas, de Howard Sasportas.