quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Mercúrio, Gêmeos e Virgem através das Casas, por Howard Sasportas

Cada planeta tem algumas associações com os deuses e deusas das mitologias grega e romana. As atividades características do grego Hermes e do romano Mercúrio ajudam a esclarecer as funções e significados deste planeta e a maneira como ele se expressa através das diversas casas.

Mercúrio era o mensageiro dos deuses - ele recolhia e distribuía informações. Da mesma maneira, o planeta Mercúrio no mapa é associado aos trabalhos da mente, do intelecto, e também das várias maneiras de trocar informações, como escrever, falar, ensinar e viajar. O mito conta-nos que, assim que Mercúrio nasceu, ficou muito aborrecido por ver-se obrigado a permanecer em seu berço todo embrulhado. Na verdade, ele o abandonou o mais rapidamente possível para procurar algo mais interessante a fazer. De maneira semelhante, a posição da casa em que Mercúrio se encontra no tema natal indica a área da vida na qual somos incansáveis, curiosos e inquiridores. Como uma criança quando cresce fica fascinada por tudo o que pode tocar, nomear ou descobrir, nós partimos numa investigação para descobrir como funciona a vida. No mito, Mercúrio sempre é retratado como um jovem, jamais como um velho. Pela sua casa, este planeta define qual a esfera de vida em que podemos ser eternamente jovens, mantendo uma aparência viva e saudável.

Mercúrio era um intermediário e apostador. Ele defendeu diversos casos de vários deuses. Uma de suas primeiras ações depois do nascimento foi fazer oferendas a todas as doze grandes divindades do Olimpo. Ele era também um renomado ladrão, sendo responsável pelo roubo de pequenas coisas de cada um dos deuses (como o rebanho de "Apoio e o cinturão de Afrodite). Neste sentido, era uma espécie de mímico cósmico capaz de assimilar algumas qualidades de cada um dos deuses. Assim, Mercúrio nas casas mostra onde existe um alto grau de adaptabilidade e versatilidade de um lado, e de volubilidade e inconstância de outro. No momento em que você pensa que o prendeu, ele escorrega e aparece mais adiante com um ponto de vista diferente. A própria mente, como o deus Mercúrio, é uma espécie de trapaceiro. O intelecto nos capacita a sermos objetivos e analíticos, mas muitas vezes pode nos enganar torcendo os fatos de modo a se enquadrar em padrões que desejamos justificar. Como disse alguém: "Existem mentiras, malditas mentiras, e estatísticas."

Os alquimistas medievais escreviam sobre uma figura a que chamavam de Mercurius. Ele era definido como "o espírito criador do mundo" ou "o espírito oculto ou preso na matéria". Paradoxalmente, ele era responsável pela criação do mundo e também foi aprisionado dentro de sua própria criação. Muitos anos mais tarde, o cientista alemão do século XX Werner Heisenberg, pesquisando o campo da medicina atômica, desvendou seu "Princípio de indecisão", no qual mostrou que "o ato de observação por si só afeta aquilo que está sendo observado". De alguma maneira nossas mentes tomam parte na determinação do mundo.

Mercúrio trazia mensagens dos deuses para os humanos mortais. Neste sentido, representa um processo dentro de todos nós que permite a construção de uma ponte entre um conhecimento mais elevado e a realidade de todos os dias, entre consciência e inconsciência, entre o ego e o ambiente. A mente pode nos separar de outras pessoas mas é também através da mente que a nossa consciência é capaz de se expandir para um maior conhecimento dos inter-relacionamentos de toda a vida. A mente pode unir ou separar, e a posição por casa, de Mercúrio, mostra onde é possível encontrar um refúgio em algum canto ou onde nos esforçamos para tocar ou entender outras pessoas e nós mesmos bem melhor. Vale a pena refletir sobre o que o filósofo Epicteto disse há quase dois mil anos: "Nós não somos perturbados por coisas mas pela opinião que temos das coisas".3 Na casa de Mercúrio, nem sempre conseguimos mudar o mundo, mas sempre podemos fazer algo a respeito da maneira como olhamos para ele.

Mercúrio é associado a dois signos: Gêmeos e Virgem. Eles representam duas funções complementares deste planeta. O lado geminiano de Mercúrio é especialista em reunir pequenos pedaços de informações, colocá-los juntos e relacionar diversos aspectos da vida uns com os outros. Virgem, por outro lado, disseca e separa as coisas, analisando cada componente em detalhe.
Gêmeos contido numa casa descobre as qualidades mercurianas de comunicação, maleabilidade e intranqüilidade. É onde temos a tendência de estar sempre saindo e nos espalhando por aí. Como a proverbial borboleta, para nós é difícil ficar confinados a essa área.

Virgem na cúspide ou contida numa casa evoca o lado de Mercúrio que é preciso, crítico e que presta atenção em detalhes. Enquanto Gêmeos gosta de saber um pouquinho de diversas coisas, Virgem prefere saber muito sobre algumas coisas. Na casa de Gêmeos, procuramos o conhecimento para o bem do conhecimento, mas na casa de Virgem adquirimos o conhecimento para usá-lo prática e construtivamente.

A casa de Mercúrio de algum modo vai estar ligada a qualquer casa em que Gêmeos esteja e também a qualquer casa onde se encontre Virgem. Por exemplo, o escritor Oscar Wilde nasceu com Mercúrio em Escorpião na 3ª Casa e Gêmeos na cúspide da 10ª, ligando a casa e o planeta das comunicações (Mercúrio na 3ª) com a profissão e a carreira (10ª). Mas o seu Mercúrio de 3ª Casa também está ligado ao seu Ascendente, pois Virgem encontra-se na cúspide da 1ª Casa. Ele enfrentou a vida (1ª Casa) com a agudez cortante de seu intelecto e com uma ameaçadora e incisiva finesse (Mercúrio em Escorpião na 3ª).