domingo, 11 de junho de 2017

A História da Astrologia Tradicional em Poucas Páginas (Final), por Benjamin Dykes

O Renascimento da Astrologia Tradicional (séculos XX- XXI)

A astrologia prática foi mais ou menos reinventada e popularizada em torno da virada do século 20 por pessoas como Alan Leo, Marc Edmund Jones e outros. Mas aqui eu gostaria de dizer algumas coisas sobre o ressurgimento da astrologia tradicional. Na minha opinião, houve quatro grandes tendências.

Primeiro, no início do século XX, os estudiosos europeus do grego trabalhavam em um novo projeto ambicioso, que era a catalogação e publicação de textos astrológicos gregos: o resultado era um grande trabalho multi-volume chamado CCAG (o "Catálogo de Códices Astrológicos em Grego"). Esses estudiosos eram historiadores e filólogos, e não astrólogos; mas suas publicações permitiram que os astrólogos tenham tido maior acesso a muitos textos antigos pela primeira vez. Um dos resultados mais importantes foi a publicação dos chamados "edições críticas". Uma edição crítica é um livro criado a partir de todos os manuscritos conhecidos e edições impressas de algum trabalho, de modo a formar o que assumimos como versão original (ou próxima do original). Algumas edições críticas de autores helenísticos que resultaram deste amplo esforço incluem a Antologia de Valens, os Tetrabiblos de Ptolomeu e os Apotelesáticos de Hephaistio. Mais tarde, no século, o historiador David Pingree publicou uma edição sobrevivente do Carmen de Dorotheus do árabe, com muitos fragmentos e passagens relacionados em grego. Outros criaram uma edição latina crítica de Firmicus Maternus.

Em segundo lugar, os astrólogos foram reintroduzidos a William Lilly através da reimpressão de 1985 de Christian Astrology, promovida por Olivia Barclay no Reino Unido.

Isso não só colocou a astrologia tradicional (tardia) no mapa, mas fez a astrologia horária uma peça central definidora da prática tradicional no mundo moderno.

Em terceiro lugar, o ímpeto de Barclay e outros desenvolvimentos produziu número de professores influentes (muitos deles estudantes de Barclay), tais como
como Deborah Houlding, John Frawley, Sue Ward e Barbara Dunn. Por outro lado, Robert Zoller trabalhou de forma independente desde o início da década de 1980 para promover a astrologia natal medieval (especialmente o trabalho de Bonatti). Muitas pessoas que trabalham profissionalmente como astrólogos tradicionais hoje são alunos desses importantes professores (eu era estudante de Zoller).

Em quarto lugar, vários tradutores tornaram os trabalhos mais antigos disponíveis em linguagens modernas. Estes incluem David Pingree, Charles Burnett, Robert Schmidt, James Holden, Meira Epstein, Robert Hand e eu. O número de obras tradicionais agora disponíveis em tradução explodiu nos últimos anos. Uma característica importante de alguns desses tradutores é que eles não estão simplesmente interessados ​​em publicar textos, mas em ressuscitar uma maneira tradicional de pensar, que ainda está logo abaixo da superfície, mesmo nas mentes modernas.

Agora que olhamos a astrologia tradicional em termos de períodos históricos, vejamos algumas de suas perspectivas típicas sobre a vida e o que elas acreditavam que o papel da astrologia era.



Benjamin Dykes, in Tradicional Astrology for Today, The Cazimi Press, Minneapolis, Minnesota, 2011. Tradução de Claudio Fagundes. 

O livro está à venda aqui: https://www.amazon.com/Traditional-Astrology-Today-Benjamin-Dykes/dp/1934586226/ref=sr_1_4?ie=UTF8&qid=1497110339&sr=8-4&keywords=benjamin+dykes