quarta-feira, 21 de junho de 2017

Felicidade e Assessoria Astrológica, por Benjamin Dykes

Os astrólogos tradicionais estavam muito preocupados com a felicidade humana. Mas o que é felicidade, exatamente? Neste capítulo, descreverei duas filosofias importantes de felicidade que podem ser usadas até hoje para entender o mapa e ajudar os clientes. Cada um tem seus bons e maus posicionamentos, mas não vou tentar convencer você de que um é melhor do que outro - além disso, existem outras alternativas.

A coisa mais importante a entender é que, enquanto a felicidade envolve emoções e humor, não é exatamente uma emoção. Em vez disso, a felicidade é um estado de coisas em que uma pessoa é capaz de florescer: viver bem e fazer bem. Mas as opiniões diferem sobre o que se considera para uma vida boa ou o que é bom ou ruim e qual seria a vida emocional de uma pessoa feliz. Você pode ter muitos bens externos e convencionais, como riqueza e filhos, mas para realmente ser feliz requer um certo estado de caráter, no qual devemos cumprir adequadamente certas características e habilidades psicológicas como seres humanos e na sociedade. Vou explicar o que eu quero dizer abaixo.


Felicidade Tipo 1: Aristóteles e bens convencionais

A teoria do valor de Aristóteles se encaixa muito bem com o nosso senso normal de um mapa de nascimento. Como eu disse no último capítulo, os significados das casas mapeiam bens e males convencionais, como riqueza ou escravidão. Aristóteles acredita que, para ser feliz, devemos tentar maximizar os bens e minimizar os males: de acordo com nossa compreensão normal, as pessoas desabrigadas, anônimas e doentes são menos propensas a ser felizes do que aqueles que têm pelo menos alguma riqueza, status e saúde. Mas Aristóteles também reconheceu que não temos controle total sobre se podemos obter ou evitar essas coisas - nós ainda estamos sujeitos a sorte ou fortuna . É por isso que é importante ter uma boa educação e caráter, viver em uma sociedade justa, e assim por diante, de modo que o maior número possível de pessoas possam aprender habilidades e ter oportunidades positivas.

Então, quando olhamos para um mapa com esse espírito, a primeira coisa que podemos ver é a medida em que o mapa de alguém exibe esses bens e males convencionais: o gráfico mostra muitos bons amigos? Ou há perturbações na casa? Podemos também olhar para os senhores das casas: se o senhor de uma casa tipicamente boa está em uma condição muito ruim, pode mostrar uma área problemática da vida. Por exemplo, se o senhor da décima casa estiver na sexta, então a pessoa pode ter uma carreira estável, mas isso provavelmente ocorrerá através da obscuridade, trabalho e pouco reconhecimento. Todas essas coisas afetam a boa vida aristotélica.

Por outro lado, Aristóteles deixa muito claro que essas coisas não são suficientes para criar felicidades ou infelicidades. A felicidade é um estado da alma, e resulta de como a alma gerencia escolhas e emoções sobre esses bens externos. Uma pessoa rica pode ser miserável porque o estado de sua alma é desequilibrado e caótico; uma pessoa bastante pobre poderia ser feliz porque ele tem um caráter muito forte e equilibrado. Então, o que torna o caráter bom ou ruim? Para Aristóteles, uma noção chave é a do "meio". Quando enfrentamos coisas convencionalmente boas ou más e temos emoções sobre elas, é importante que usemos (1) julgamento racional para alcançar (2) um significado apropriado em nossas emoções, E que (3) essas escolhas se tornam habituais. Não basta fazer uma boa escolha ocasional ou sentir emoções apropriadas de forma intermitente: para sermos felizes, devemos nos habituar a viver uma vida de acordo com esse juízo racional e sóbrio, para ganhar um caráter firme. O melhor estado de caráter em relação a alguma emoção e situação, é chamado de "virtude" - por exemplo, existem virtudes preocupadas com dinheiro, prazeres, raiva e assim por diante.

Deixe-me dar-lhe dois exemplos simples. Suponha que eu bebi um par de martinis e quero outro. Divertir-se enquanto se bebe com os amigos pode ser considerado um bem, e então eu quero continuar a fazê-lo, e sei que vou ter prazer quando eu beber. Mas há duas coisas a considerar. Primeiro, há um equilíbrio entre prazer e dor que estão envolvidos. Não sentiria muita dor se não tiver o prazer, e não devo estar excitado demais com o prazer se eu o tiver. Em segundo lugar, há a questão de saber se é racionalmente certo para mim parar agora ou continuar bebendo, dependendo de outros interesses e necessidades da minha vida. Eu tenho que levantar cedo (o que sugere que eu não deveria continuar a beber)? Ou estou no casamento de um amigo em um resort tropical, sem outras responsabilidades (o que sugere que eu poderia facilmente continuar com o prazer)? Estas questões têm a ver com a virtude da temperança, que abrange os prazeres e as dores no que diz respeito ao consumo, à alimentação e ao sexo. Idealmente, eu me habituei para que eu possa parar de beber com um mínimo de dor se eu precisar parar, ou posso continuar sem sentir-me ganancioso pelo prazer se eu precisar. Os bebedores inexperientes dificultam esse tipo de decisão, enquanto os bebedores experientes e equilibrados não o fazem. O bebedor experiente que é facilmente capaz de tomar uma decisão e ter essas emoções equilibradas, provavelmente tem essa virtude de temperança.

Depois, há a coragem, que é um algo que envolve sentimentos de medo e confiança em situações perigosas: o soldado corajoso sabe como continuar lutando apesar do perigo, mas também sabe quando é hora de se retirar. Mas ele não sucumbe nem à temeridade excessiva nem ao terror, e ele sabe como agir habilmente com base nessas emoções e as necessidades da situação.
Mas a maioria de nós tem essas virtudes em apenas um par de áreas da vida. Existem duas condições contrastantes em que não atingimos o equilíbrio médio ou adequado na emoção e na ação. O primeiro é um "vício". Os vícios são estados em que atingimos consistentemente um extremo em vez de uma média bem pensada. Um soldado que segue consistente e deliberadamente apenas seus sentimentos confiantes, torna-se uma pessoa impiedosa; aquele que sempre segue o medo é um covarde. Um alcoólatra furioso segue o prazer de beber (por muitas razões, tenho certeza) e se sente extremamente doloroso quando ele não está bebendo. Os anoréxicos tornaram-se habituados a odiar alimentos e bebidas. Alguém que sente muita angústia ao não comer uma segunda sobremesa não pode ser tão feliz e equilibrado como alguém que sente pouca ou nenhuma angústia.

A segunda condição é chamada de "falta de autocontrole". A maioria de nós se enquadra nesta categoria em várias áreas. Aqui, há uma verdadeira inconsistência e confusão em julgamentos, emoções e ações. A maioria de nós teve a experiência de botar para quebrar e tomar mais algumas bebidas a mais e pagá-la no dia seguinte com uma ressaca no trabalho. Bulemia é um bom exemplo dessa condição, com seus contrastes selvagens de engolir e vomitar. Alguém que constantemente vacila de forma inadequada entre confiança e medo é outro exemplo.

Assim, na filosofia de Aristóteles, temos estados de um meio estável (virtudes), de extremos estáveis ​​(vícios) e vacilação inconsistente. Se aplicarmos isso ao mapa, podemos usar dignidades e outras condições planetárias para identificar hábitos e pessoas que exibam esses traços. Por exemplo, podemos comparar um planeta em seu domicílio com alguém com uma virtude; em sua exaltação, a alguém que possa ter um vício de autoconfiança excessiva; um planeta em queda como tendo certos vícios ou mesmo falta de autocontrole, porque o planeta em queda muitas vezes mostra uma luta para ser notado, o que pode levar a comportamentos extremos.. Um planeta em um aspecto difícil com Saturno pode mostrar problemas de autoestima, embora possa ser, simplesmente, uma área da vida cujos bens convencionais são difíceis de obter. Os benéficos tendem a mostrar estados equilibrados, enquanto os maléficos geralmente mostram extremos. Poderia haver muitas maneiras de observar essas condições, mas estas são algumas das minhas sugestões.


Felicidade Tipo 2: Estoicos e valores seletivos

A teoria do valor estoico é em parte uma resposta aos valores aristotélicos, por isso era importante lidar primeiro com Aristóteles. Os estoicos têm insights sobre valores e emoções que Aristóteles realmente não traz, mas, uma vez que fazemos, podemos ver que o estoicismo tem uma dimensão mais "espiritual" que valoriza a libertação, a confiança pessoal e um engajamento emocional positivo com a vida. Deixe-me explicar alguns pontos básicos sobre a teoria do valor estoico, e então faça o contraste com Aristóteles. Isso ajudará você a entender o que está em jogo em suas visões de mundo.

A imagem estoica do universo começa com a ideia de que o universo é a Mente Divina. Deus não fica fora do universo, Deus é o universo. Isso tem três importantes consequências. Primeiro, significa que todas as coisas estão conectadas em um cosmos integrado e orgânico. Em segundo lugar, significa que o universo é organizado e gerenciado de forma inteligente - não de fora, mas de dentro. Tudo o que você e eu somos e fazemos e pensamos é, em última instância, parte e ação da atividade da Mente Divina. Terceiro, isso significa que todas as coisas estão determinadas e destinadas a ser o que são, e fazem o que fazem, no decorrer da atividade do universo. Dito de outro modo, tudo age de forma inevitável de acordo com a sua natureza: não há nada que "não deveria acontecer", da perspectiva cósmica.

Esta última parte pode ser um pouco difícil de engolir, então deixe-me explicar um pouco mais. Do ponto de vista cósmico, tudo inevitavelmente acontece como é, precisamente porque as coisas não podem ajudar a fazer o que fazem, e tudo no mundo está implicado de alguma forma em como as coisas acontecem. Uma nuvem segue sua natureza e às vezes libera chuva, uma pedra cai, e assim por diante. A partir de nossa limitada perspectiva humana, não podemos realmente dizer exatamente como as coisas acontecerão, porque não podemos descrever todo o estado cósmico a qualquer momento. Mas já sabemos que as pessoas irritadas - por causa de seu caráter - farão isso ou aquilo. Uma pessoa amorosa ama. Se eu disser a você para levar um guarda-chuva porque vai chover, mas você é o tipo de pessoa que não ouve conselhos, então você não vai levar um guarda-chuva e vai se molhar. Não há nenhum sentido culpando o universo por se molhar, porque as nuvens agiram de acordo com sua natureza, e você também. Mas talvez eu possa convencê-lo a carregar um guarda-chuva: nesse caso, seu estado mental teria mudado e você se comportaria de maneira diferente.

Agora, o universo está configurado de tal maneira que existem confrontos inevitáveis entre as coisas (como o seu desejo de ser teimoso e não se molhar, e a nuvem derramando chuva). No caso humano, esses conflitos são especialmente rígidos, porque a maioria das pessoas tem distorções mentais sobre quem realmente são e o que estão tentando fazer. Essas distorções de compreensão resultam em infelicidade. Assim, na visão estoica, o objetivo da vida-felicidade - envolve "viver de acordo com a natureza" e ter "um fluxo suave de vida". Isso significa que devemos alinhar-nos com a nossa verdadeira natureza e a natureza cósmica, então como para abraçar a bondade do universo, sem ficar perturbado pelo que acontece quando outras coisas agem de acordo com suas naturezas?
Aqui é onde a teoria do valor estoico vem. Lembre-se de que, para Aristóteles, as coisas normais, como a riqueza e a reputação, são bens, e devemos tentar maximizá-los, mesmo que ele também diga que a felicidade deriva oficialmente da nossa capacidade mental de gerenciá-los (e nossas emoções sobre eles) corretamente. Os estoicos têm uma visão mais estrita: somente o estado de sua mente e suas emoções é responsável pela felicidade, e essas coisas externas não são boas ou más. Em vez de ter valor moral, eles têm o que os estoicos chamam de valor "seletivo". Em vez de a riqueza ser boa, é algo que em circunstâncias normais você deve "selecionar"; Mas em outras circunstâncias, você deve "desmarcá-lo". O que Aristóteles chama de "bom", os estoicos chamam "de acordo com a natureza"; O que ele chama de "ruim", eles chamam de "não de acordo com a natureza".

Isso pode soar estranho, mas é assim que funciona na prática. Se você acha que a riqueza é boa, então você está fazendo-a responsável (em parte) pela sua felicidade. Você quer isso. Você deseja isso. Quando você ganha riqueza, você está satisfeito, mas quando você não tem isso, você pode ficar desesperado. Isso faz de você um escravo de coisas que você realmente não pode controlar, e muitas vezes faz você reagir com alegria exagerada (quando você obtém) ou desespero (quando você não obtém). Em outras palavras, se você atribuir valor moral a coisas que não são você e realmente não pertencem a você, então você se torna automaticamente investido emocionalmente nelas e agirá como se realmente fosse parte de você. Esta não é apenas uma visão falsa do que realmente lhe pertence, mas coloca você em uma montanha-russa emocional que o obriga a negociar emoções opostas - é disso que Aristóteles está falando quando fala do meio e de gerenciar as emoções.

Mas se você mudar seu sistema de valores para que coisas como riqueza só tenham valor "seletivo", então ele imediatamente o separa emocionalmente das coisas, para que você não seja escravo delas. Você é capaz de se sentir mais centrado e calmo em si mesmo, tanto quando você as recebe, mas também quando as perde. Suponha que um homem atribua valor moral ao seu carro amado como algo bom. Mas um dia ele encontra um amassadona porta. Ele fica devastado, fica de mau humor, sente uma sensação de perda, e talvez descarregue em outra pessoa mais tarde no dia (esse tipo de coisa acontece com as crianças o tempo todo). Agora, se ele fosse um aristotélico, ele tentaria negociar seus sentimentos de raiva para que eles fossem coordenados com a importância do carro: o carro é um bem, mas não um bem supremamente importante, e também um amassado é um mal, mas apenas um mal menor. Então talvez ele fique um pouco irritado ou um pouco triste. Mas, da perspectiva estoica, este não é um caso de raiva bem administrada, é um caso de alguém com valores distorcidos que está deixando um objeto inanimado controlar sua mente - é uma espécie de doença emocional. Ele deve fazer o que pode para "selecionar" manter o carro seguro, mas não acreditar que o carro esteja, em última instância, com poder ou capacidade de controlar sua felicidade. Infelizmente, um tal homem provavelmente não apenas pensa que um carro é bom, mas ele é emocionalmente um escravo de muitas outras coisas da mesma forma - espero que elas não se danifiquem!

A maior parte da humanidade está sujeita a esses delírios. Para os estoicos, isso permite que eles digam algo que possa vir a ser um choque no dia que "possuir nossas emoções" e acreditar que "todo sentimento é válido". Ao contrário da maioria das pessoas (e Aristóteles), os estoicos não acreditam que as emoções são totalmente pré-estabelecidas como raiva, medo e luxúria. Em vez disso, todas as emoções derivam de julgamentos de valor. Atrás de cada emoção, há algum julgamento de valor que nos faz buscar algo, evitá-lo ou reagir em nossa alma quando queremos e não o temos. Mas, como os julgamentos de valor podem ser verdadeiros ou falsos, isso significa que as emoções podem ser falsas ou verdadeiras. Suponha que eu pense que algo como riqueza é um bem real: isso configura um impulso para ir atrás dela. Mas esse desejo é um falso desejo, pois meu julgamento sobre a bondade intrínseca da riqueza é falso. Agora suponha que eu obtenha riqueza: isso cria um inchaço irracional de orgulho na minha alma, porque eu acho que consegui algo que é realmente meu e me fará feliz: isso também é uma falsa emoção.

Agora, você pode ter a ideia de que os estoicos são contra as emoções. Este é um mal-entendido comum. Na verdade, os estoicos defendem a mudança do seu sistema de valores para que, em vez de ser um escravo das coisas externas e experimentar a montanha-russa de emoções (ou tentar encontrar um meio termo entre emoções concorrentes), você transforma suas más emoções para o que eles chamam de "bons sentimentos". Os bons sentimentos emergem quando você encontra a fonte da felicidade em si mesmo, atribui valor seletivo para outras coisas e começa a abraçar todo o cosmos como parte de sua vida - ou melhor, você abraça sua vida como algo integrado com o cosmos . Desta forma, os estoicos dizem que você pode se elevar espiritualmente acima dos valores convencionais.

Deixe-me dar-lhe alguns exemplos dessas emoções dos textos estoicos autênticos. Na classe de emoções que têm a ver com buscar algo, as falsas emoções "normais" incluem raiva, luxúria, ânsias de todo tipo e amor de riquezas. Mas os sentimentos estoicos "verdadeiros" envolvem bondade, generosidade, calor e carinho. As falsas emoções que fazem evitar ou temer as coisas envolvem hesitação, angústia, vergonha, superstição e terror. Mas as correspondentes emoções estoicas são o respeito e a limpeza. Limpeza? O que isso poderia significar? Meu senso é que é como manter uma casa limpa: ter um calmo evitar de coisas que poderiam poluir seu senso de auto-integridade e paz de espírito.

Espero que você veja que essa forma de desacelerar e se afastar emocionalmente de coisas que não estão sob seu controle, permite que você fique confiante e envolvido no mundo, sentindo simpatia e generosidade por outras pessoas e não sendo um joguete do que a vida lhe apresenta. Um estoico abraça, mas tenta melhorar o mundo em que vivemos, percebendo que às vezes ele deve selecionar certas coisas, ao mesmo tempo que não aponta os outros, mesmo que sejam o que as pessoas normais chamariam de boas ou más. As duas principais diferenças entre as emoções aristotélicas e estoicas são estas: (1) Aristóteles acredita que algumas emoções são principalmente irracionais e pré-administradas, enquanto os estoicos acreditam que resultam de julgamentos de valor; e (2) Aristóteles acredita que devemos gerenciar e equilibrar emoções, enquanto os estoicos acreditam que devemos transformá-las.


Aconselhamento Astrológico

Ambos os sistemas éticos aristotélicos e estoicos são compatíveis com a previsão astrológica e são igualmente capazes de ver os mesmos eventos e sentimentos em uma figura astrológica. Mas a compreensão da natureza humana, dos valores e da felicidade faz com que eles vejam esses eventos e sentimentos em diferentes termos morais. Conseqüentemente, um astrólogo que leva uma ou outra visão oferecerá diferentes tipos de conselhos para um cliente. Embora cada escola de pensamento queira (a) oferecer caminhos de ação aos clientes e (b) ajudar os clientes a se preparar para eventos, cada um o fará de maneira diferente e com diferentes expectativas de como o cliente pode ir adiante. Os aristotélicos aconselharão o gerenciamento das emoções sobre coisas que são realmente cruciais para a nossa felicidade, enquanto os estoicos aconselharão a transformação de nossos valores e a sábia seleção ou não seleção dos mesmos. Ambas as escolas nos avisarão para agir, fazer certas coisas e evitar certas coisas, usando delineação e previsão para preparar os clientes. Mas a atitude que tomamos em relação a tudo isso pode fazer toda a diferença.

Aqui estão alguns passos que eu sugiro ao olhar para um mapa:

Avalie bens e males convencionais. Aqui, podemos usar técnicas de interpretação normais para avaliar a presença de bens e males convencionais (ou coisas de acordo com a natureza ou não). Qual é o status social do cliente? Ele ou ela tem amigos e de que tipo? Como os filhos do cliente se classificam? Como serão as relações? Desta forma, podemos ajudar as pessoas a se preparar para eventos que não estão totalmente sob seu controle. Isso inclui fazer mapas eletivos para eventos importantes, de modo a maximizar bens ou coisas convencionais de acordo com a natureza. Ou, suponha que você veja um mapa com muitos planetas em detrimento, ou com muitos planetas cadentes: esses gráficos sugerem eventos e planos que começam bem, mas não são duradouros, ou vivem onde não parece que haja muita energia e impulso. Sua capacidade de se conectar com o cliente no nível de valores irá ajudá-lo a formar estratégias para ajudá-los.

Avalie as habilidades mentais e emocionais típicas. Tanto a astrologia moderna como a tradicional têm técnicas para isso, envolvendo frequentemente o Ascendente e seu senhor, Mercúrio e a Lua. Que tipo de equilíbrio existe entre as emoções e os apetites do cliente e as faculdades racionais? Quais valores o cliente possui, e como suas crenças desencadeiam reações emocionais e afetam sua capacidade de lidar com a vida? Aqui podemos identificar as formas padrão nas quais as pessoas respondem de forma intelectual e emocional à vida, de modo a recomendar uma moderação em bens e emoções, ou mudar para valores seletivos e transformação emocional. Mas em nenhum caso devemos recomendar mera passividade e reivindicações de vitimização. Em vez disso, devemos incentivar os clientes a fazer escolhas conscientes sobre as coisas, possuir e fortalecer seu poder em relação às emoções e seu senso de confiança e auto-integridade.

Previsão e preparação. Ninguém nasce um sábio. Mas a previsão pode desempenhar um papel importante no aconselhamento, porque permite que as pessoas cultivem preparação, paciência e calma para as pessoas que enfrentam eventos futuros. Isso nos permite ter uma distância crítica de nossas vidas para que possamos avaliar de forma realista o que acontecerá e o que isso significa para nós, além de perceber que tudo o que acontece de ano para ano é apenas uma fase temporária no processo cósmico.




Capítulo 5
Benjamin Dykes, in Traditional Astrology for Today - An Introduction, Cazimi Press, Minneapolis, Minessota, EUA, 2011. Tradução de Claudio Fagundes.

O livro está à venda aqui:
https://www.amazon.com/Traditional-Astrology-Today-Benjamin-Dykes/dp/1934586226/ref=sr_1_4?ie=UTF8&qid=1497110339&sr=8-4&keywords=benjamin+dykes