sexta-feira, 2 de junho de 2017

A História da Astrologia Tradicional em Poucas Páginas (1), por Benjamin Dykes

Nós astrólogos gostamos de falar sobre a antiguidade do que fazemos, mas muitas pessoas não sabem muito sobre as práticas e as pessoas que realmente fizeram a nossa história ao longo dos últimos 2.000 anos. Não se preocupe, eu não estou querendo oprimi-lo com nomes e datas! O Apêndice A direciona para livros sobre esse tipo de coisa. neste capítulo eu, simplesmente, quero dar um esboço dos períodos básicos e citar algumas "necessárias" figuras desses tempos. Isto lhe dará uma orientação geral sobre a nossa herança.

Na minha maneira de ver, o período de astrologia tradicional durou de cerca de século 1 aC no Mediterrâneo, ao século 17 na Inglaterra e na Europa continental, começando com obras em grego e terminando em Inglês e Latim. (Há algum desacordo sobre exatamente quais datas e pessoas definem os ensinamentos deste vasto período) Mas eu devo deixar claro que estou falando sobre astrologia "horoscópica" aqui: isto é, astrologia que usa mapas com um Ascendente (em vez de astrologia baseada em presságios). Este é o tipo que praticamos, com seu uso propriamente dito de planetas, dignidades, sinais, casas, aspectos, e um número de técnicas preditivas que você já conhece. Eu não vou discutir a Babilônia antiga ou pré práticas egípcio-helenísticas (cuja exata natureza e história são controversos).

Período Helenístico (século 1 aC - século 6 dC)

Nosso primeiro período começa no mundo greco-romano, particularmente em Alexandria. Na época da conquista do Egito e do Oriente Próximo, Alexandre, o Grande, nos 330's BC, pelo menos alguns horóscopos de astrologia natal estavam sendo praticados. Mas, pelo século 1 aC, egípcios, babilônicos e práticas persas compuseram e  aprimoraram o complexo sistema de astrologia entendemos hoje: signos, casas, planetas, regências, aspectos, vários métodos preditivos, os lotes (ou "partes árabes"), as divisões dos planetas em maléficos e benéficos, planetas diurnos e noturnos, e assim por diante. Porque as conquistas de Alexandre, mais ou menos, unificaram toda a região através da cultura helenística e a língua grega, havia muitas abordagens diferentes para a astrologia e eram amplamente disponíveis em livros de língua grega.

Realmente, a energia do mundo astrológico foi centrada na cidade egípcia de Alexandria, com sua famosa biblioteca: a partir daí temos dois dos mais famosos escritores da astrologia antiga: Claudius Ptolomeu e Vettius Valens (embora parece que não se conheceram). Um dos mais famosos livros de astrologia deste período teve reivindicada a sua autoria por um Faraó egípcio (Nechepso) e um padre (Petosiris), e por muitos séculos foi usado e citado pelos astrólogos. Infelizmente, dele só restaram pequenos trechos, e foi escrito de tal forma que até mesmo os astrólogos antigos tinham alguma dificuldade para entender algumas de suas técnicas.

Há alguma controvérsia sobre como este complexo sistema de astrologia foi desenvolvido, especialmente há pouco registro de seus detalhes desde  antes do século 1 aC. Foi uma lenta acumulação de informações ao longo de milênios, ou habilmente trabalhada por um pequeno grupo de pessoas em um curto espaço de tempo, ou uma combinação destas possibilidades? Porque os astrólogos antigos tinham livros que afirmam ter sido escritos por pessoas lendárias como Hermes Trismegistus e outros, pelo 1º século AD, mesmo que eles não pudessem saber a resposta. Na verdade, perdemos tanto material original desde esse período, que podemos nunca saber a resposta em detalhe.

A Astrologia Helenística se espalhou por todo o mundo greco-romano, e foi facilmente misturada com as inúmeras religiões de mistério, filosofias e tipos de magia, que também estavam disponíveis, como o gnosticismo, platonismo, estoicismo, e assim por diante. (Vou discutir algumas dessas no capítulo 2) foi considerada uma prática científica respeitável, e na verdade formada metade da ciência astronômica: enquanto a matemática diz-nos como os céus se movem, astrologia diz-nos o que os movimentos significam e este é um bom momento para dissipar um mito importante: que o uso de casas divididas por Signos Inteiros e os aspectos do período helenístico (ver capítulos 9-10) foi resultado da matemática grega ser muito incerta e imprecisa. Nada poderia estar mais distante da verdade. Na verdade, na época medieval e renascentista as mudanças nas efemérides e na teoria astronômica foram realmente apenas refinamentos de livros anteriores, como grande Almagesto de Ptolomeu. A astronomia de Ptolomeu durou tanto tempo precisamente porque era algo tão sofisticado e deu resultados tão precisos.

Do 3º ao 7º século, temos uma espécie de divisão em duas vias na astrologia helenística. No Império Romano (agora centrado na Constantinopla), o período criativo da astrologia parece ter se esgotado. Mas este declínio coincidiu com uma grande excitação no Império  Persa Sassânida, cujos governantes e estudiosos, encorajaram a tradução de livros de astrologia grega para pahlavi (língua persa da época), além de fazer suas próprias contribuições. Nós vamos voltar para os persas e árabes em seguida.

Pessoas que você precisa conhecer:

Dorotheus de Sidon (século 1 dC). Escreveu um livro sobre natividade e eleições em forma poética, geralmente chamado de Carmen Astrologicum ("Poema astrológico"). Dorotheus forneceu material de fonte absolutamente essencial para escritores persas e árabes medievais.

Vettius Valens (120 AD - 175 dC) Morando em Alexandria, Valens escreveu o Anthology, uma centralização de um  livro em nove partes sobre a natividade, com inúmeras técnicas preditivas não encontradas em outros lugares.

Claudius Ptolomeu (século 2 dC). Um escritor científico prolífico em Alexandria, ele é mais conhecido por seu Almagesto (em teoria astronômica e equações) e seu Tetrabiblos (no natal e astrologia mundana). Astrologia de Ptolomeu não era muito popular até a Idade Média Latina, quando ele foi reverenciado por seu material sobre natalidades. O próprio Ptolomeu alegou que ele quis simplificar e racionalizar a tradição de sua época, tanto que o material encontrado em outra parte na astrologia helenística está faltando em seu livro (por exemplo, dos lotes, ele usa apenas o Lot da Fortuna).
.
Antiochus de Atenas (talvez 2º século dC). Sua identidade é um pouco discutida, mas ele é importante para um conjunto de definições de configurações astrológicas (como sitiando, aplicação, e assim por diante) raramente encontrada em outras obras deste período.

Firmicus Maternus (4º século dC). Advogado e estudioso, ele escreveu sua grande Mathesis como um trabalho sobre astrologia natal em oito livros. Ele é notável por ter escrito em latim, o que era incomum no período antigo. Firmicus também preserva muito material que de outra forma teria sido raro ou perdido.

Rhetorius do Egito (6º ou século 7). Rhetorius escreveu um importante compêndio natal baseado sobre Antíoco e muitos outros autores. Ele foi muito importante para posteriores astrólogos persas e árabes, como Masha'allah.



Benjamin Dykes, in Tradicional Astrology for Today, The Cazimi Press, Minneapolis, Minnesota, 2011. Tradução de Claudio Fagundes.