sábado, 17 de junho de 2017

Algumas Escolas de Pensamento, por Benjamin Dykes

No último capítulo, mencionei que muitos astrólogos contemporâneos estão tentando ressuscitar o pensamento tradicional. Agora, nem todas as pessoas tradicionais ou os astrólogos concordavam em suas filosofias de vida ou com a astrologia. Aqui vou descrever cinco escolas básicas de pensamento (e discutirei algumas delas ainda mais tarde), mas tenha em mente que muitas pessoas tiveram pontos de vista que se sobrepuseram a diferentes categorias - nem todos se encaixam em uma única caixa, então ou agora.

Aristotélico-Ptolemaico. Eu uso esse nome porque essa abordagem se baseia na física de Aristóteles, bem como na justificativa científica de Ptolomeu para a astrologia em seu Tetrabiblos. De acordo com essa visão, os planetas fazem com que as coisas aconteçam, são agentes causais. Por exemplo, Marte causa eventos marciais porque ele produz calor e secura excessivos, e os eventos do tipo marcial têm essas qualidades. Portanto, a astrologia é praticamente um ramo da física, e é, de certo modo, parte das ciências naturais. Os astrólogos modernos que adotam termos da física, como ondas, campos de força e assim por diante, ou que acreditam que os conceitos físicos modernos podem ser adotados para justificar a astrologia, pertencem a este campo. Para a maior parte, essa visão também permite a liberdade e a escolha humanas, tal como as compreendemos convencionalmente (embora não seja a liberdade indeterminada da vontade). Por exemplo, talvez os planetas só causem certas tendências amplas, mas estas podem ser substituídas ou gerenciadas através do nosso poder de escolha. Nossa capacidade de escolher com sabedoria dependerá de como os planetas nos fizeram ter um certo temperamento ou atitude, de modo que nossas escolhas estão, de certa forma, condicionadas pelo poder causal dos planetas.

Estoico. Embora nem todos os que expressaram essa visão possam ter se identificados como estoicos, podem ser facilmente vinculados à filosofia estoica. De acordo com este ponto de vista, o universo é governado e determinado - talvez até os seus melhores detalhes - por uma inteligência ou mente cósmica permeável. Aqui, os eventos ao nosso redor são causados ​​de todas as maneiras normais (por meio de fenômenos naturais, escolha e assim por diante), mas não são os planetas que os causam. Em vez disso, a Mente Cósmica estabeleceu os planetas como seres ou objetos que significam coisas. Isto é semelhante aos medicamentos, onde os sintomas são causados ​​por processos naturais, mas um médico interpreta esses sintomas como sinais, a fim de fazer diagnósticos e prognósticos adequados. Então, nesta visão, a astrologia é uma ciência de interpretação e é divinacional, não faz parte das ciências físicas. Esta escola também argumentou que, embora tenhamos o poder de escolha, de uma perspectiva cósmica, tudo é causalmente determinado, mesmo as escolhas. Esta é a abordagem mais determinista das abordagens, mas astrologicamente há alguma margem de manobra. Por exemplo, mesmo que um planeta signifique algo, isso só pode significar um tipo de coisa - os detalhes do que é, pode ser um pouco para ganhar.

Platônico. Esta categoria se sobrepõe um pouco com outras visualizações. Platão não era realmente um astrólogo, mas seus interesses levaram nessa direção, e ele acreditava que a vida ética e social humana deveria se basear em certa medida no universo astrológico. As partes inferiores de nossa alma (emoções, instintos e corpo) são, em grande medida, governadas por forças físicas ditadas por deuses planetários e movimentos celestiais que estão entre nós e o mundo superior divino. Nosso poder de razão, que pode gerenciar essas forças inferiores um pouco, não é tão constrangido, e é adequado para estudar e compartilhar com as realidades eternas que estão acima da esfera dos planetas. No seu melhor e mais alto nível, a astrologia pode ser uma ferramenta para que as pessoas iluminadas tenham acesso à mente de Deus e à realidade eterna, porque os movimentos planetários mapeiam essencialmente, de forma temporal, os pensamentos eternos de Deus. (Isso está perto da visão estoica). Mas a astrologia e suas idéias também podem ser usadas para ajudar as pessoas menos iluminadas, que poderiam usar as idéias organizacionais dos mundos superiores para entender e gerenciar suas vidas neste mundo inferior. Platão parece sugerir que os astrólogos devem ajudar as autoridades políticas a governar justamente os cidadãos. Além disso, porque Platão acreditava na reencarnação e na ideia de que certos poderes planetários guiam nossa alma, algumas características de seu pensamento são próximas de certos pontos de vista astrológicos modernos.

Cristão. Esta quarta visão baseou-se em noções anteriores, bem como em um novo desenvolvimento teológico do 1º e 2º Séculos AD: isto é, a introdução de um "livre arbítrio" indeterminado que é libertado das forças de necessidade na Terra e que pode radicalmente criar e mudar a direção da vida. De acordo com esta escola, o livre arbítrio humano é uma imagem espelhada fraca da vontade radicalmente livre de Deus. No entanto, a maioria das pessoas normalmente não exercem seu livre arbítrio, mesmo quando pensam que estão exercendo. A maioria de nós está atolada no pecado e no mundo sensual (como em Platão). Mas, às vezes, recebemos ajuda de Deus no exercício do livre arbítrio e, na sua forma mais forte, isso permite a existência de santos e esclarecidos: ao contrário das pessoas normais que estão sujeitas ao mundo natural (e cujas vidas podem ser amplamente descritas pela astrologia). As pessoas, realmente, não podem ser capturadas e descritas por qualquer carta astrológica, já que escolhas e ações derivam do livre arbítrio. Assim, a astrologia pertence propriamente a questões como o clima, a saúde e as ações normais de pessoas pouco consideradas. Essa visão também está próxima de uma visão genérica gnóstica, que diz que a maioria das pessoas é ignorante da realidade final e está sujeita a governadores planetários maléficos - mas os gnósticos esclarecidos são libertados moralmente e espiritualmente porque têm acesso a reinos acima dos planetas. Pode-se ver ecos de Platão aqui.

Mágico. Esta visão tem tantas fontes que é difícil definir com precisão: ela se baseia em magias populares, presságios, platonismo, hermetismo e muito mais. Em sua forma "inferior", usa horários planetários auspiciosos, talismãs, plantas análogas, gemas, música e discursos apropriados, para interagir com os poderes planetários e criar circunstâncias mundiais favoráveis ​​para o praticante. Em suas formas "superiores", pode incluir todas essas práticas, mas para o fim de tornar-se sábio, espiritualmente avançado e viver uma vida virtuosa. Na Renascença, Marsilio Ficino defendeu o uso da magia astrológica para reengenharia e equilíbrio da alma, então sua magia astrológica levou a missão de transformação psicológica e espiritual através do uso de rituais astrológicos. (Isso me surpreende que os astrólogos mais modernos não defendam isso.) Este é o "outro mundo" das escolas, e não está realmente incluído ou aludido nos livros de texto astrológicos padrão: é preciso consultar grimórios e outros textos mágicos para aprender as técnicas.

Estas são as cinco abordagens tradicionais básicas da astrologia, e acho que você provavelmente poderá ver muitos ecos nas atitudes modernas. Para terminar, gostaria de descrever uma certa visão da astrologia da Idade Média, que ainda é relevante hoje. Até o século 13, os pensadores cristãos desenvolveram uma mistura de compromisso de vontade livre radical e tendências ptolemaicas e aristotélicas. A grosso modo ele fez as seguintes reivindicações. (1) A astrologia cumpre a definição de uma ciência, porque usa experiência e razão, com deduções de axiomas, regras e assim por diante, para explicar as coisas. (2) Porque seus objetos de estudo (ou seja, os planetas) estão entre as melhores e melhores coisas, é uma das mais altas hierarquias. (3) Os planetas são agentes causais, e suas influências afetam combinações de forma e matéria na terra. (4) A astrologia é compatível com a liberdade, provê a liberdade total. De acordo com este ponto de vista, algumas de nossas ações e escolhas são causalmente afetadas por nossa fisiologia, caráter e assim por diante, e estas podem ser entendidas como astrológicas. Mas o livre arbítrio e a salvação não estão sujeitos a causas físicas e, portanto, a astrologia não pode fazer coisas como descrever nossa natureza espiritual. Portanto, a astrologia pertence ao clima, ao corpo e a outros eventos mundanos que não estão sob nosso controle direto, e até mesmo algumas questões de personalidade e caráter; mas não pertence ao nosso livre arbítrio e nossa capacidade de ser salvo.

Essa última parte é muito importante, porque ainda convivemos com ela. Nesta visão de compromisso, quanto mais santo e abençoado você é, menos astrologia se aplica a você: para aqueles que têm o mais alto grau de autodeterminação e vontade livre e conexão espiritual, não estão sujeitos a causas astrológicas, além de coisas físicas como doenças e tempo. Mas quanto menos iluminado e menos livre e menos espiritual você é, mais astrologia se aplica a você. Esta mesma atitude agora aparece entre alguns astrólogos modernos, mas em vez de ser "abençoada" ou "santa", dizemos que somos "conscientes" ou "evoluímos". Em outras palavras, a astrologia moderna é essencialmente uma astrologia secular para os não salvos. Longe de ser uma descoberta moderna especial baseada em Jung ou nos teósofos, ela vem diretamente das universidades católicas medievais e escritores anteriores também. Com base em uma vontade indeterminada e radicalmente livre, provavelmente permanecerá conosco, desde que as pessoas acreditem nesse tipo de livre arbítrio.


Benjamin Dykes, in Traditional Astrology for Today - An Introduction, Cazimi Press, Minneapolis, Minessota, EUA, 2011. Capítulo 2. Tradução de Claudio Fagundes.