terça-feira, 17 de maio de 2016

As Três Fases do Processo de um Planeta Retrógrado, por Martin Schulman

Com os planetas em movimento direto, é muito fácil para o indivíduo mudar, a cada momento, a ênfase da energia planetária dentro de si mesmo, enquanto todo o seu próprio padrão de energia aumenta e diminui. Entretanto, quando tenta fazer o mesmo com seus planetas Retrógrados, ele inesperadamente se vê numa situação bem diversa.

Primeiramente, ele está, num dado momento, atravessando parte do tríplice Processo Retrógrado. Ele está:

  1. saltando à frente de si mesmo, tentando viver o futuro agora;
  2. no processo de viver o futuro experimentando sentimentos como se já tivesse estado lá;
  3. repetindo mentalmente a primeira fase e, assim, revivendo, realmente, a expectativa de um futuro que já aconteceu.

Quando o indivíduo está na Fase I (saltando à frente de si mesmo para tentar viver o futuro agora) lhe é quase impossível usar o planeta Retrógrado negativamente, pois está tentando usar toda a sua energia para se impulsionar para a frente. Desta maneira, durante esta Fase ele irradia exteriormente, para que possa se magnetizar em direção a todas as pessoas e condições que proporcionarão a experiência do futuro.

Durante a Fase II (quando está realmente vivendo a experiência) ele frequentemente não tem consciência da Fase I, onde ele, na realidade, a anteviu; mas experimenta mais sensações de déjà-vu do que os indivíduos com planetas em movimento direto. Em outras palavras, ele tem a sensação de saber que já viveu isto antes, mas não sabe exatamente como, quando ou por quê. É esta ambivalência que cria uma vibração cruzada onde ele está atuando negativa e positivamente ao mesmo tempo. Parte dele está irradiando positivamente seu desejo de completar a experiência, enquanto a outra parte está negativamente procurando absorver a compreensão do porquê da experiência parecer repetitiva. Naturalmente, é durante esta fase que o indivíduo é menos compreendido pelos outros.

Finalmente, na Fase III, onde está mentalmente repetindo a expectativa de um futuro que ele já viveu, fica completamente fora de sincronização de tempo com o resto do mundo, pois se esforça para reabsorver os indivíduos e as circunstâncias que o trarão de volta ao seu passado. Nesta fase, ele é mais compreensível, mas também é como se tirasse energia dos outros, pois praticamente não a irradia.

E interessante notar que as Fases I e II — a tentativa de viver no futuro e a vibração cruzada de futuro-passado — são tão íntimas do indivíduo que a Astrologia dificilmente as percebe como características dos Retrógrados. Ao contrário, tem sido sempre a Fase III do Processo Retrógrado (a característica de rever o passado ou demorar-se nele) a que sempre foi a mais visível. Talvez isto aconteça não apenas porque é nesta fase final que o indivíduo gasta a maior parte de seu tempo, mas também reage de uma maneira perceptivelmente diferente da sociedade em geral.