quarta-feira, 24 de maio de 2017

Aplicação Prática dos Temperamentos, por Helena Avelar e Luis Ribeiro

Os temperamentos constituem a chave da interpretação de um horóscopo.

Cada planeta ou signo tem afinidades com um dos quatro temperamentos, servindo este de base para a definição das suas características.

A combinação do temperamento de um planeta com o do signo onde se encontra posicionado é a base da interpretação astrológica.

Em Astrologia Natal é possível determinar o temperamento (ou combinação de temperamentos) de cada indivíduo. Este temperamento global descreve as características de base, que condicionam todos os comportamentos, motivações e dinâmicas pessoais. A manifestação das particularidades indicadas no mapa está sempre sujeita ao temperamento dominante. Por exemplo, um indicador astrológico de agressividade terá uma expressão diferente num mapa de temperamento colérico (que reforça a tendência agressiva) ou num mapa de temperamento fleumático (que a retrai). O temperamento é, portanto, uma espécie de pano-de-fundo sobre o qual a personalidade se manifesta.

O cálculo para determinar o temperamento individual tem um certo grau de complexidade, que leva em conta o peso relativo das quatro qualidades primitivas do horóscopo.

Na pesagem são consideradas as qualidades primitivas do Ascendente e da Lua (bem como as configurações planetárias que lhe estão associadas), à qual se adiciona o temperamento do signo solar.


Helena Avelar e Luis Ribeiro, in Tratado das Esferas - um guia prático da tradição astrológica. Editora Pergaminho. Cascais, Portugal, 2007, pp. 46-7.