sexta-feira, 21 de julho de 2017

Casas, por Benjamin Dykes

Agora vejamos as casas. Assim como na astrologia moderna, estas indicam áreas da vida, e as condições e as naturezas dos planetas afetam particularmente a área da vida pertencente à casa em que estão e governam. Antes de falar sobre algumas características especiais das casas tradicionais, deixe-me mostrar duas diferenças importantes entre algumas das abordagens modernas e tradicional.

Primeiro, não existe uma correspondência de uma para a outra, entre casas, signos e senhores planetários. Casas, signos e planetas são distintos. Ou seja, a primeira casa não tem a natureza de Áries e Marte. A segunda casa não tem a natureza de Touro e Vênus. Tampouco o fato de que Capricórnio ou Saturno estar em alguma casa tem algo a ver com assuntos da décima casa - a menos que Capricórnio ou Saturno estejam na própria casa, ou Saturno governa décima casa. Tais sobreposições são apenas aparentes, e usá-las levará você a se confundir quando interpretar um mapa. De repente, posso pensar apenas em alguns casos em que os astrólogos tradicionais aplicam essas ideias, mas parecem ser idiossincráticos e forçados - e, em um caso, a tentativa de extrair essas semelhanças cai por terra depois de alguns exemplos, porque a comparação não funciona.

Em segundo lugar, a ordem das casas não corresponde a nenhum desenvolvimento evolutivo. O motivo pelas quais as casas são numeradas do jeito que elas são, é simplesmente porque essa é a ordem em que os signos se movem no sentido horário no horizonte: a ideia de desenvolvimento anti-horário nas casas realmente não faz sentido, se você olhar para o que as casas significam. Faz sentido ter filhos (quinta casa) antes de termos relações (sétima)? Ou que morramos (oitava) antes que tenhamos carreiras (décima)? Não. Existem teorias psicológicas modernas que tentam fazer esta seqüência funcionar, mas na minha mente (e para a mente tradicional), isso envolve um mal-entendido e confusão de casas, signos e planetas.

Com isso em mente, gostaria de salientar três características úteis e importantes das casas tradicionais: (1) algumas diferenças nos significados, (2) o uso de casas em Signos Inteiros e (3) lugares que se diz ser "forte", "vantajoso", "cheio" ou "propício para empreender". Existem alguns desentendimentos atuais sobre a relação entre os dois últimos pontos, então eu vou lhe dar a melhor breve introdução para eles.

(1) Diferenças nos significados. Muitos dos significados da casa são idênticos aos Modernos, com quatro importantes exceções. Novamente, aqui estão os significados básicos da casa tradicional:

 significados básicos das casas

Se você olhar ao redor, você verá que as quatro casas com maiores diferenças [de significado] são a segunda, a sexta, a oitava e a décima segunda. Dizem que esses lugares são "aversivos" ou "afastados" do Ascendente. Vou falar sobre o que isso significa no próximo capítulo, mas você pode ver que os significados de três dessas casas são negativos, enquanto que na astrologia moderna geralmente são positivos. Em vez da escravidão e da doença para a sexta, a maioria dos modernos diz que este é uma casa de "trabalho". Na astrologia tradicional, isso não é problema, desde que por "trabalho" você queira dizer trabalho e ser subordinado. Este é um tipo de trabalho para o qual você obtém pouco reconhecimento, porque a décima é o lugar do reconhecimento. Para a oitava, muitos modernos reconhecem os ativos do cônjuge e este também é um significado tradicional. Mas de forma alguma isso significa "sexo" (uma questão da quinta casa) ou "transformação" (a menos que você queira falar da transformação de seu corpo em um cadáver!). Do mesmo modo, a duodécima casa tem mais a ver com experiências que o deixam mais preso e inibe sua liberdade: inimigos (especialmente os ocultos), erros, depressão, isolamento, prisão. Pode também indicar assuntos de mistério e ocultismo, mas não se refere à iluminação espiritual porque nem Peixes, nem Júpiter, nem Netuno têm uma relação intrínseca com ela - esses assuntos pertencem mais à nona e à terceira (que também é uma casa espiritual na astrologia tradicional). Finalmente, a segunda casa tem mais a ver com recursos pessoais e aliados - o dinheiro e as pessoas que realmente o apoiam e estão prontos para a mão. Não pode significar "valores", porque os valores e as coisas que valorizamos estão em todo o mapa a segunda não tem relação intrínseca com Vênus. Já falei de valores em um capítulo anterior.

Então, essas são as principais diferenças de significado, e vou explorá-las um pouco mais no próximo capítulo. Por enquanto, vamos ao sistema de casa.

(2) Sistemas de casas e casas de Signo Inteiros. Até a década de 1980, as pessoas geralmente pensavam que a astrologia tradicional usava apenas os tipos de sistemas domésticos que reconhecemos hoje: Placidus, Regiomontanus, Casa Igual, e assim por diante. De fato, pessoas antigas e medievais também conheceram os Meio-Arcos de Porfírio e Alchabitius, entre outros. Com exceção das Casas Iguais, esses sistemas são muitas vezes chamados de casas de "quadrantes", porque, de uma forma ou de outra, resultam de dividir os quadrantes entre os graus axiais (o Ascendente, o Meio do Céu, Descendente e Imum Coeli ou IC) em três partes: Assim, a área entre o grau do Meio do Céu e a do Ascendente contém espaços desiguais chamados de décima, décima primeira e décima segunda casas. Devido à obliquidade da eclíptica, diferentes sistemas e latitudes às vezes produzem mais de uma cúspide da casa em um signo, e alguns signos podem ser completamente contidos ou "interceptados" dentro de duas cúspides.

Mas os tradutores de material antigo descobriram que havia um sistema de casas antigo e provavelmente original, agora chamado de casas de "Signos Inteiros". Neste caso, cada signo é equivalente a uma casa. Assim, enquanto os graus axiais ainda são usados ​​para fins importantes, não há cúspides intermediárias nem signos interceptados. Dê uma olhada no diagrama abaixo:




Este mapa é desenhado no sistema Alchabitius Semi-Arcos, um popular sistema de quadrantes medieval. Você pode ver que o Ascendente está em 8° Sagitário, e assim a primeira casa vai dali até 13° Capricórnio, contendo parte de Sagitário e parte de Capricórnio. As partes superiores de Sagitário são consideradas na duodécima casa. Peixes e Virgem são inteiramente interceptados na terceira e na nona, e há duas cúspides de casa em Escorpião e Touro. Vênus é considerada um planeta da sétima casa porque está contida na divisão do quadrante que começa no Descendente em Gêmeos.

Mas em Signos Inteiros, as coisas são diferentes. Porque Sagitário é o signo ascendente, Sagitário inteiro está na primeira casa, tanto as partes acima do grau da cúspide [no sistema de Alchabitius] quanto as partes abaixo [desse grau]. A primeira casa termina onde Sagitário termina. A segunda casa é todo o segundo signo, Capricórnio e qualquer planeta em Capricórnio seria um planeta da segunda casa - e assim por diante. Você também pode ver que, enquanto o Meio-do-Céu cai no décimo primeiro signo (a casa do décimo primeiro Signo Inteiro), Virgem (o décimo signo) é a décima casa inteira.  Então, a Lua em Virgem é um planeta da décima casa, e também Vênus é um planeta da oitava casa. Não haverá cúspides intermediárias (exceto as próprias divisões de signos) e sem signos interceptados. Aqui está o mapa em Signos Inteiros:


Embora o uso de quadrantes ou casas iguais esteja documentado por certos autores antigos, os textos que os descrevem são controversos e eles podem ter introduzido esses sistemas de casas apenas para determinados fins. Por exemplo, há evidências de que as casas de quadrante foram usadas principalmente para determinar a força planetária ou a estimulação em um mapa - ou seja, quais planetas são mais poderosos ou se destacam mais. Vou falar disso novamente abaixo. Mas, de qualquer forma, a transição de usar principalmente Signos Inteiros para usar somente casas de quadrantes veio lentamente, e parece ter se acelerado durante os primeiros dois séculos do período árabe.

Muitos tradicionalistas e alguns astrólogos modernos já abraçaram Signos Inteiros. Mas, como você pode imaginar, mudar para Signos Inteiros pode ser desorientador e assustador! Nos mapas acima, faz uma grande diferença se Vênus é considerada um planeta da sétima casa pertencente a relacionamentos, ou um planeta da oitava casa pertencente à morte, ao medo, e assim por diante. Posso dizer da minha própria experiência que fazer esta mudança muitas vezes leva tempo e pode levar a uma espécie de crise de identidade e paralisia ao olhar mapas: em que casa está realmente um planeta?

Mas eu também posso dizer que, se você assumir a usar casas de Signos Inteiros, você provavelmente se sentirá muito mais confortável e seguro. Além disso, várias características do pensamento tradicional de repente fazem sentido em Signos Inteiros, quando não fazem sentido se se sobreporem as casas com noções de cúspide e força planetária. Por exemplo, o uso de aversões e a noção de um planeta aspectando a sua própria casa (isto é, o signo que ele rege). Eu falarei mais sobre isso no Capítulo 10.

(3) Lugares vantajosos ou fortes. Como mencionei, os astrólogos tradicionais não acreditavam que qualquer planeta fosse igualmente proeminente ou "engajado" no mapa. Alguns planetas são considerados mais fracos ou mais obscuros. Meu próprio professor, Robert Zoller, usa o exemplo de uma fotografia de um grupo de pessoas. Algumas pessoas estão na frente e muito claras: seu olhar é atraído para elas imediatamente. Mas outras pessoas estão no fundo, parcialmente escondidas ou até embaçadas. Da mesma forma em uma festa, algumas pessoas permanecem num canto, enquanto outras aparecem e fazem você prestar atenção nelas. Esta não é uma questão de saber se essas pessoas (ou planetas) são boas ou interessantes, é uma questão de volume e proeminência.

Vejamos duas versões desta ideia, porque leva a um modo de falar sobre a força planetária que combina casas de Signos Inteiros e sistemas de quadrantes. O primeiro diagrama abaixo tem oito casas que se diz serem "vantajosas" ou "fortes". Uma vez que essa abordagem é atribuída ao possivelmente mítico Nechepso (ver Capítulo 1), deve ser muito antiga.

Oito lugares vantajosos: Nechepso, Abu Ma'shar, al-Qabisi

As casas cinzentas são os lugares que mostram "vantagem", "força", sendo "engajado" ou "propício ao negócio" (é afirmado de maneira diferente em diferentes idiomas). Você deve ver imediatamente que são precisamente todas as casas angulares (primeira, décima, sétima, quarta) e as casas sucedentes (segunda, décima primeira, oitava, quinta). As casas remanescentes são cadentes, o que literalmente significam "queda", como se estivessem diminuídas no poder e na proeminência. De acordo com essa abordagem, os planetas nessas oito casas seriam planetas vantajosos pois são mais estimulados, proeminentes, "fortes" e assim por diante. Os planetas nos ângulos são os mais proeminentes, enquanto os planetas dos sucessivos não são tão proeminentes. Os planetas nas casas cadentes são considerados mais fracos e mais obscuros, independentemente de estarem também em suas próprias dignidades, aspectados por poderosos bons planetas, e assim por diante.

Sete lugares vantajosos (cinza): Timaeus, Dorotheus, Sahl

Este segundo diagrama tem apenas sete lugares cinzentos. Mas você pode ver algo que os diagramas têm em comum? Todos são o Ascendente em si, ou em aspecto com o Ascendente. A décima primeira casa aspecta o Ascendente por um sextil, a décima e a quarta casas por uma quadratura, a nona e a quinta casas pelo trígono, e a sétima por uma oposição. A única casa que está configurada com o Ascendente, mas não está em cinza, é a terceira, porque é um tipo de casa ambígua tradicionalmente. Se um planeta estiver na nona, então é considerado vantajoso ou engajado, e assim por diante. Isso não era verdade para o diagrama anterior.

Bem, essas abordagens são simplesmente conflitantes, ou há uma maneira de combiná-las? Uma solução que muitos tradicionalistas estão adotando agora é: (a) o diagrama de sete lugares é baseado em Signos Inteiros e mostra planetas que estão especialmente vantajosos e engajados para os nativos, porque todos eles estão configurados para o Ascendente. Mas (b) o diagrama de oito lugares é baseado em divisões de quadrantes, e mostra a ocupação ou a proeminência dos planetas em si mesmos e em relação a todo o gráfico. Eu acho que essa abordagem tem muitas possibilidades, mas devo enfatizar que estamos tentando peneirar textos difíceis e reconstruir o que os astrólogos antigos fizeram. Pode haver outra resposta que funciona melhor.

Vejamos novamente o gráfico que eu mostrei acima e veja como essa solução poderia funcionar:



Em vez de usar a palavra "casa" para tudo, basta chamar todos os signos de "casas", e dizer que as divisões do quadrante (com base nos graus axiais) são "fortes" ou "medíocres" ou "fracas" em sua proeminência e estímulo. Assim, a área do grau do Ascendente em 8° Sagitário a 13° Capricórnio não é a primeira "casa", mas é uma região fortemente estimulada. A área de 13° Capricórnio a 20° Aquário não é a segunda casa, mas é medíocre em sua estimulação ou força. A área de 20° Aquário a 0° Aries (onde o IC está) é fraca em sua estimulação ou força. E assim por diante em todo o mapa.

Se você olhar para Júpiter, ele está na sexta casa de Signos Inteiros. Isso significa que ele diz respeito a doença, escravidão, estresse, animais de estimação e animais pequenos, e assim por diante. Esta casa não é uma das vantajosas de acordo com o diagrama de sete lugares, porque não faz aspecto como signo ascendente. Mas em termos de dinamismo ou estimulação, ele está em uma região intermediária. De acordo com a solução que estou sugerindo, ele não é necessariamente vantajoso para os nativos, mas ele tem força média no quadro como um todo e em relação aos assuntos da sexta casa.

Agora olhe para Saturno. Ele está na décima primeira casa por Signos Inteiros, que é uma casa vantajosa para os nativos. Ele também está dentro de cerca de 10 graus do MC, o que significa que ele também é fortemente estimulado em si mesmo ou para o mapa como um todo. Por outro lado, a Lua está na décima casa (um lugar vantajoso para o nativo), mas ela está em uma divisão dinâmica mais fraca: então, embora ela esteja em uma casa fundamental do quadro e mostra algo importante na vida (reputação, profissão), ela não é tão estimulada e prominente como poderíamos querer que ela seja. Isso significa que, embora ela pertença a assuntos da décima casa, ela não pode carregar um peso tão grande quanto um planeta concorrente, como Saturno (já que o grau do Meio-do-Céu ainda tem um senso de reputação e profissão).

Olhe agora para Vênus. Ela está na oitava casa de Signos Inteiros, que não é uma casa vantajosa para os nativos. Mas, ao estar em uma região fortemente estimulada, ela é muito ativa e proeminente no mapa e teremos que considerá-la na operação do mapa como um todo.

Acho que esta solução de acerto é muito promissora e você pode achar isso muito útil em seu trabalho. Quando olhamos para um mapa, queremos ver o que os planetas destacam - tanto para o próprio nativo (com base no sistema de sete lugares) como no mapa como um todo (com base nas oito divisões dos graus axiais). Só porque um planeta está disponível e vantajoso ou engajado, apenas porque um planeta é muito estimulado e proeminente em si mesmo, não significa que seja vantajoso. Isso pode nos ajudar a avaliar a atividade dos planetas com um pouco mais de sutileza.

Exercício: responda as seguintes perguntas, com base na solução de compromisso que descrevi. Use casas de Signos Inteiros para tópicos na vida, o diagrama de sete lugares com Signos Inteiros para lugares vantajosos para os nativos e o diagrama de oito lugares com divisões de quadrantes para o engajamento e a proeminência dos planetas em si mesmos.


1. Em que casa está a Lua?

2. Em que casa está Marte?

3. Em que casa está Júpiter?

4. Indique qual é a casa de Saturno e qual força dinâmica ele tem.

5. Qual é a força dinâmica de Marte?

6. Qual é a força dinâmica de Júpiter?



Capítulo 9
Benjamin Dykes, in Traditional Astrology for Today - An Introduction, Cazimi Press, Minneapolis, Minessota, EUA, 2011. Tradução de Claudio Fagundes (sujeita a revisão permanente).

O livro está à venda aqui:
https://www.amazon.com/Traditional-Astrology-Today-Benjamin-Dykes/dp/1934586226/ref=sr_1_4?ie=UTF8&qid=1497110339&sr=8-4&keywords=benjamin+dykes