domingo, 26 de junho de 2016

Regentes Planetários. Por Helena Avelar e Luís Ribeiro

Como já referimos, os signos do Zodíaco podem ser comparados a papéis numa peça de teatro. Os planetas seriam os atores que vão representar esses papéis, de acordo com o signo em que se encontrem.

Estes atores (os planetas) terão naturalmente mais facilidade em representar determinados papéis (signos) e sentir-se-ão menos adequados a outros. Podemos, assim, dizer que alguns signos são "confortáveis" para alguns planetas, enquanto outros poderão ser considerados "desconfortáveis".

Nos signos onde parece ser mais fácil ao planeta expressar-se com facilidade diz-se que está em dignidade. Nos signos onde o planeta parece menos adaptado diz-se estar em debilidade.
Antes, contudo, de avançarmos com quaisquer tentativas de interpretação, importa frisar que o facto de um planeta estar em dignidade não significa necessariamente que seja "bom", tal como a debilidade não indica que seja "mau".

Assim, um planeta dignificado terá, à partida, a sua expressão facilitada. A sua expressão estará, portanto, altamente energizada. No entanto, esta facilidade e energia pode também levar a alguns exageros. Da mesma forma, um planeta em debilidade poderá encontrar dificuldades de expressão, mas estas mesmas dificuldades podem catalisar um processo interno de compreensão e trabalho interior que é, em si mesmo, muito positivo.

Podemos interpretar as dignidades e debilidades planetárias como indicadores da "força" ou capacidade de manifestação de um planeta.

Das dignidades planetárias clássicas, estudaremos a regência e a exaltação. Das debilidades, estudaremos o exílio e a queda.

Para melhor entendermos estes termos, vamos por um momento encarar os signos como se fossem reinos.

Cada reino tem o seu próprio rei. Da mesma forma, cada signo terá um planeta que vai regê-lo - o planeta regente.

Quando um planeta está no seu próprio signo diz-se que está em regência ou em trono.

Importa, contudo, realçar que o rei é o representante do reino mas não é o próprio reino. Há que distinguir entre a Inglaterra e a rainha Isabel II, por exemplo.

Da mesma forma, o dinâmico e assertivo signo de Carneiro é regido pelo planeta Marte, com as suas qualidades de ação e iniciativa. Quando Marte está em Carneiro, atinge a sua expressão ideal. Ele rege (reina) nesse signo. Por essa mesma razão, pode também cair em excessos.

Contudo, apesar das claras semelhanças entre ambos, signo não deve ser confundido com o seu planeta regente, ou vice-versa.

Quando o rei se encontra muito longe do seu reino, numa terra estranha, ninguém lhe presta homenagem e o seu poder está enfraquecido. Assim, quando o planeta está no signo oposto ao da sua regência, diz-se que está em exílio ou detrimento.

Por exemplo, Marte em Balança (signo oposto ao Carneiro) está em exílio. As capacidades guerreiras de Marte não encontram terreno propício em Balança, onde reinam as leis da harmonia, da estética e dos relacionamentos. O desafio aqui será o de dominar a sua impaciência e aprender a ser diplomata.

Por outro lado, o rei pode não estar no seu reino mas ser o convidado de honra de num reino amigável. Nesse reino, será tão homenageado como em sua própria casa (ou talvez mais) e terá o seu poder muito fortalecido. Se for o convidado de honra, diz-se que está em exaltação (no sentido de ser elevado ou "posto ao alto").

Continuando com o nosso exemplo, Marte está exaltado em Capricórnio, signo que representa o esforço e o trabalho em direção a um objectivo. Aí, a atividade e energia de Marte poderão ser trabalhadas, através do esforço e disciplina capricornianas, até darem o seu máximo rendimento.

Finalmente, quando o rei se encontra no reino mais distante daquele onde foi exaltado, as suas qualidades são pouco apreciadas e tem poucas oportunidades de expressão. Quando um planeta está no signo oposto ao da sua exaltação diz-se que está em queda.

Marte está em queda no Caranguejo, o signo oposto ao Capricórnio. A ação agressiva, direta, frontal tem pouca receptividade num reino onde a prioridade é a defesa, proteção e nutrição. Em Caranguejo o guerreiro irá aprender a canalizar a sua agressividade natural para a proteção e a manutenção da estabilidade.

Existem, obviamente, alguns signos em que o planeta não se encontra em nenhum estado especial. Diz-se então que está neutro ou peregrino. (Na Astrologia clássica, o planeta estaria peregrino se não estivesse situado em nenhuma das suas dignidades. Estas incluem, além das já mencionadas, as triplicidades, termos e faces.)