sexta-feira, 27 de maio de 2016

Aspectos Plutão — Lua, por Puiggros



Grande sensibilidade e extremismo emocional são características típicas desses aspectos, especialmente em signos de Água. As oscilações emocionais são uma constante.

A Lua simboliza aquilo que uma pessoa sente acerca de si mesma e, em combinação com Plutão, pode expressar uma forte insatisfação e a necessidade de remodelar-se continuamente para melhorar a própria imagem.

A face destrutiva de Plutão obriga o indivíduo a eliminar hábitos e padrões de comportamento; as atividades rotineiras se tornam insuportáveis e a inércia do conhecido, estéril e decepcionante.

Tormentos sentimentais e períodos em que a inclinação a destruir a própria imagem é tão forte que pode chegar, em casos muito aflitos, a estimular a tendência ao suicídio. As pessoas que apresentam esse aspecto no mínimo "pensaram" nessa possibilidade.

Esses tormentos internos, de grande intensidade, excedem em muito as perturbações habituais.

Não obstante — e muito embora possam deixar marcas profundas —, essas ocorrências lunares costumam ter pouca duração. Tal coisa, unida à tendência plutoniana de descobrir aquilo que transcende os fatos, de investigar os mistérios ocultos por trás de qualquer atitude, desenvolve a capacidade de controlar essas situações, excetuando-se os momentos culminantes da crise. Muitas vezes, essa pessoa adota uma aparência de frieza, tendendo à estabilidade, ao controle e à compostura; no entanto, isso não passa de uma estratégia de sobrevivência — estratégia muito conhecida por esse tipo de pessoa, já que Plutão a capacita a ressurgir das mais tremendas crises emocionais. Padrões herdados de seus pais e do ambiente de sua primeira infância a condicionam fortemente, mas, ao mesmo tempo, ela manifesta o profundo desejo, e possui a capacidade, de. romper com esses esquemas familiares e tradicionais.

Capacidade de esforço e autodisciplina. Quando estabelece um objetivo para si, o indivíduo se entrega de forma total; sua dedicação e sua vontade são inquebrantáveis. Embora seja, às vezes, intermitente e oscile de acordo com a situação da Lua, sabe claramente o que quer e não há qualquer coisa exterior a ele que possa modificar seus sentimentos ou seu propósito.

O segredo acerca de sua intimidade e um elevado sentido do privado transformam-no num ser difícil de entender.

Em certas ocasiões, Plutão representa a mãe (por sua relação com as entranhas da Terra) e, em aspecto com a Lua — o símbolo materno por excelência —, essa qualidade se enfatiza, se manifesta como uma espécie de complexo materno, como certa tendência a nutrir, desenvolvendo o papel de mãe de família, seja em organizações, grupos de pessoas ou escolas, seja na qualidade de Madre Superiora de um convento.

Em temas femininos, esse aspecto pode impelir a ter muitos filhos, como prova evidente do "poder" de gerar. De qualquer maneira, a figura de Mãe, quer se trate de uma mãe real ou simbólica, tem uma grande importância. A relação Plutão — Lua simboliza de modo perfeito o arquétipo de mãe terrível que é encontrado em várias tradições, como, por exemplo, a deusa hindu Kali. O poder de, por um lado, nutrir os seus filhos e, por outro, devorá-los constitui uma imagem muito significativa. Trata-se do poder de dar e de tirar a vida.

O impulso de "proteger" os outros pode transformar esse indivíduo num ser dominador. Possui habilidade tanto para auxiliar como para aproveitar-se, nas situações problemáticas, das outras pessoas.

Pode desenvolver uma sensibilidade extrema e despertar suas faculdades psíquicas. Exposto a essas influências, o indivíduo pode apresentar tendência à mediunidade, sonhos proféticos e premonições. Muita curiosidade, imaginação e interesse em relação a tudo o que representa poder de modificação e regeneração. De modo geral, não hesita em aplicar todas essas habilidades aos assuntos diários e em estimular suas relações pessoais.

Com frequência, esse indivíduo rompe os vínculos que o ligam ao lar e à família — e especialmente à mãe —, com a finalidade de encontrar sua própria identidade.

Capacidade para aceitar as mudanças que a vida lhe proporciona e para usá-las em seu próprio benefício.

O indivíduo costuma estar atento, acumula saber e o guarda. A capacidade de intuir e a facilidade de separar o joio do trigo, aliadas a uma forte subjetividade, levam-no a tender para o oportunismo e para o controle e domínio das situações, seja mediante sedução, fascínio pessoal, seja através de uma persistente persuasão. Genialidade para adaptar-se às variações de humor ou às oscilações emocionais de uma determinada situação, tornando o indivíduo um estrategista rápido e intuitivo. Essa relação Lua—Plutão é definitivamente donjuanesca e tem a seu alcance a possibilidade de uma vida social ampla e profunda. No entanto, se trabalha com o mais elevado de si mesmo — e isso costuma ocorrer numa segunda etapa da vida —, o indivíduo se torna desprendido e impessoal, visando auxiliar os outros, ou seja, ser um canal por onde fluam forças úteis para todos.

O mau uso desses aspectos pode conduzir a situações de forte irracionalidade e falta de controle.

O indivíduo deverá aprender importantes ensinamentos no que diz respeito às relações humanas, uma vez que geralmente se encontra em situações ou atividades nas quais precisa lidar com o público. Em contrapartida, esse aspecto define também o tipo de pessoa que se isola, que se autoimpõe uma solidão que limita as suas oportunidades.

O uso excessivo de suas emoções, em lugar de seu intelecto, conduz o indivíduo a oscilações constantes.

Muito aflitos, esses dois planetas se reprimem mutuamente, entravando tanto a emotividade como a sensualidade e a capacidade de criar. Tornam-se estéreis em vários níveis ou, pelo contrário, se descontrolam em atitudes e em atividades impulsivas e desmedidas, que também conduzem, por meio da dissipação inútil das forças, à esterilidade.

No caso da oposição, um tende a absorver o outro ou a ser absorvido por ele. De qualquer forma, é destruído o sentido de identidade distinta.

No aspecto físico, podem ter problemas nos órgãos do aparelho reprodutor. Em alguns casos, de tipo hereditário.