sexta-feira, 27 de maio de 2016

Aspectos Plutão — Netuno, por Puiggros

Existe uma relação muito profunda entre esses dois planetas. Produzem-se neles circunstâncias e situações muito significativas, que não encontramos nos outros.

Essa situação única nas revoluções planetárias acontece todas as vezes em que Plutão se aproxima do signo de Escorpião; e, se levarmos em conta que Vênus, o planeta da relação, aquele que tudo une, está exaltado em Peixes, regido por Netuno e em exílio em Escorpião, poderemos começar a intuir algo da transcendência desse contato, dessa união, que se produz a cada período de aproximadamente 250 anos, quando as órbitas se encontram.

Peixes, o último signo do zodíaco, nos liga, numa nova volta da espiral, a Áries, o primeiro signo, a primeira energia, que necessita ainda ser caracterizada. Escorpião também é um signo de mudança, de morte e ressurreição, e vincula um nível ao outro. Vida e morte, princípio e fim estão sempre estreitamente unidos.

Netuno representa os ideais mais elevados, a inspiração mais sutil ou um estado de graça ao qual se pode aspirar, ao passo que Plutão significa o poder, toda a força acumulada ao longo do tempo e de alguma maneira concentrada como semente no mais profundo do inconsciente.

Para dar um grande salto, é necessário muito "impulso"; para atingir os ideais de Netuno, é necessária a força de Plutão. Enquanto este último cruza um signo, Netuno percorre dois, um positivo e outro negativo. Isso também pode nos levar a pensar numa distribuição da energia, na manifestação dual, nas duas faces da moeda dessa energia capaz de nos transportar da pura potencialidade ao mais elevado estado de realização. Devemos observar igualmente que esses planetas são muito lentos e que os aspectos que produzem entre si no desenvolvimento de seus ciclos afetam toda a humanidade, desvelando o inconsciente coletivo, repolarizando os ideais dessa humanidade de acordo com novas diretrizes e alterando fatores profundamente enraizados na natureza humana.

Netuno simboliza a dissolução e Plutão, a possibilidade de transcender; nesse processo, Vênus — a capacidade de amar — tem uma grande participação. Netuno — a oitava superior de Vênus — e Plutão — a oitava superior de Marte — reproduzem, num nível mais elevado, as relações que estes dois planetas exercem no plano pessoal.

No mapa astral de cada indivíduo, os aspectos entre Netuno e Plutão representam, em função de seu movimento lento, uma influência de longa duração, de manifestações e resultados pouco menos que permanentes, e assinalam igualmente situações e acontecimentos decisivos, pontos de fatalidade, de crise duradoura ou o início de um novo capítulo da vida.

Netuno é a capacidade de imaginar, de sonhar e de produzir mundos ideais; ele prefere flutuar a pisar em terra firme, aventurar-se pelo desconhecido à segurança do habitual e, em naturezas evoluídas, se manifesta sob a forma de elevada compreensão e espiritualidade.

A expressão criativa da relação entre esses dois astros estimula o fervor a certos ideais, assim como a capacidade para inspirar e guiar outras pessoas. Excelente em tudo aquilo que diz respeito ao intangível: religião, psiquismo, arte etc. Dotado de percepção clara e de uma intuição bastante desenvolvida, eleva qualquer característica a um nível artístico e possui uma habilidade natural para sentir, experimentar e manejar o abstrato. Trata-se do sonhador capaz de transportar seu sonho para a realidade, do visionário que também age.

Amante da justiça, o indivíduo é um libertador que luta contra tudo aquilo que desumaniza, degrada ou oprime o homem; esse ideal de justiça é manifestado em todos os domínios em que age.

Romântico e sonhador, ele pode, na melhor das hipóteses, transformar a fantasia em arte e a sensibilidade em compaixão.

Em sentido contrário, sua sensibilidade e sua fantasia se tornam intoxicantes e o indivíduo é capaz de fanatizar-se por qualquer coisa; dessa forma, passa a confundir seus sonhos com a realidade, vive numa ilusão constante; irresponsável e volúvel, apresenta uma forte tendência a mergulhar em si mesmo, a desaparecer do "mundo", a eliminar sua parte mais "real" e a viver numa espécie de vida dupla, dentro de um sonho.

Capaz de grandes sacrifícios, o indivíduo mostra paixão pela pompa e pelo cerimonioso, tendência ao martírio, à purificação interior, ao autocastigo, à autodisciplina e também à autopiedade.

Caso expresse a sua pior parte, tende a ser astucioso, decepcionante, falso, malicioso, portador de absurdas ideias utópicas, de escassa moral e exagerado; nesse caso, pode ocorrer também que facilmente sucumba às drogas, narcóticos e venenos, ou que comercie com eles, podendo ainda manifestar tendências criminais e inclinação para o suicídio.

De modo geral, o indivíduo mostra interesse — e tem aptidões para tal assunto — pelo sobrenatural, podendo chegar a ser mago, clarividente e médium, que luta pela liberdade do homem. Ou, pelo contrário, pode transformar-se em praticante da magia negra. De qualquer modo, nunca sendo compreendido pelos outros, tende a sentir-se só ou abandonado.