domingo, 12 de junho de 2016

Ceres, por Catherine Aubier

Ceres é um pequeno planeta de 1.700 km de diâmetro que gravita entre as órbitas de Marte e Júpiter. Foi descoberto em 1801, aproximadamente ao mesmo tempo que três outros corpos celestes: Palas, Juno e Vesta. Esses pequenos corpos celestes são chamados de asteroides.

Ainda pouco utilizado, foi entretanto objeto de pesquisa da astróloga Claire Santagostini; esta, possuindo numerosos Temas de crianças débeis ou retardadas mentais, desprovidas de toda aptidão para a lógica, a análise, buscou em vão aspectos negativos de Mercúrio em seus Temas; ao colocar aí Ceres, ela descobriu ao contrário que esta, na grande maioria dos casos, estava em grande "aflição".

Por sua analogia simbólica com o signo de Virgem (armazenamento), Ceres, que na mitologia é a deusa das colheitas, encontraria seu lugar no sistema de regências enquanto planeta regente desse signo no lugar de Mercúrio. Significaria inteligência matemática, analítica, "aquela que seleciona, separa, recorta, enquanto Mercúrio combina" (Daniel Verney, Cérès et les asteróides dans les éphémérides de Cérès, Librairie des Souces, Genebra).

Pode-se dizer, também, que Mercúrio representa a inteligência do verbo e Ceres, a do número; Mercúrio representa a inteligência que compreende e percebe (função receptiva) e Ceres, a que analisa e disseca (função projetava).