quinta-feira, 27 de julho de 2017

Aspectos e Aversões: Visão e Cegueira, por Benjamin Dykes

Agora que você aprendeu um pouco sobre signos inteiros, preciso apresentar-lhe uma dimensão adicional que tem a ver com aspectos e a noção de cegueira (e até mesmo inconsciente). Normalmente, os astrólogos tratam os aspectos como um relacionamento planetário por um grau exato, ou em poucos graus chamados de "orbe". Dê uma olhada no seguinte quadro:


Neste exemplo, a Lua está noturna em Virgem. Ela está dentro do orbe de um sextil com o Sol em Escorpião, porque de acordo com a maioria das regras modernas, um sextil tem um orbe de 3°. Novamente, de acordo com as regras modernas, ela está dentro de um semi-sextil exato com Júpiter em Leão. Ela também está dentro do orbe de um trígono fora do signo com Saturno em Gêmeos, porque seu aspecto trígono cai em 25° Touro, que está dentro de orbes de Saturno no início do próximo signo.

Na astrologia tradicional, tratamos as coisas um pouco diferente e voltarei a esse exemplo em apenas um momento. A astrologia tradicional distingue (1) aspectos de signos inteiros de (2) aspectos baseados em graus, frequentemente (3) não permitem aspectos fora do signo (embora alguns autores medievais permitam conjunções fora do signo), o que leva a discussão aos chamados aspectos "menores" de forma diferente através da chamada "aversão". Tomemos estes pontos um a um, a seguir.

(1) Aspectos do signo inteiro. É verdade que os aspectos por grau vão de um grau a outro grau específico, como quando um trino é aplicado de 15° Leão para 15° Sagitário. Mas a astrologia tradicional ensina que os signos como um todo são a base dos aspectos, de modo que o Leão aspecta Sagitário por um trígono. Uma vez que os signos (como casas em signos inteiros) são tratados como unidades distintas, qualquer planeta em algum signo irá  fazer um aspecto de signos inteiros com qualquer planeta em um signo que esteja aspectado da maneira correta. Assim, qualquer planeta em Virgem aspecta qualquer planeta em Capricórnio por um trígono, precisamente porque Virgo aspecta Capricórnio por trígono. Os graus dos planetas podem ser muito distantes, mas o que importa é o signo de cada um. No exemplo acima, a Lua aspecta Vênus por um trígono de signos inteiros, mesmo que seus graus sejam muito distantes para que a maioria das pessoas considerarem esse aspecto. Um aspecto de signos inteiros é um exemplo de muitas attitudes gerais ou "conduta" (Lat. habitudo) que um planeta pode levar em direção a outro.

Este tipo de observação ou significado de signos inteiros é atitudinal e tem um efeito astrológico, mas não é como estar envolvido com alguém diretamente. Imagine que você está sentado ao lado de alguém que faz você se sentir desconfortável, ou que está com alguém cujas opiniões políticas são desconfortavelmente diferentes das suas: você talvez não esteja tendo um debate, talvez esteja ignorando ou tentando discutir tópicos agradáveis: mas ainda há uma certa relação entre vocês, uma atitude, uma posição. Isto é como uma quadratura por signos inteiros. Novamente, imagine que cada signo é como uma casa em seu bairro: talvez haja alguém na rua que você não conhece e nunca tenha convivido, mas você realmente gosta de como essa pessoa desenvolveu o seu jardim e como trata os seus filhos, e você sente algum tipo de parentesco com essa pessoa: isto é como um sextil ou trígono por signos inteiros. Os planetas que se respeitam unicamente por signo podem ter esse tipo de desconforto ou amizade, assim como na vida real. Não é o tipo de relacionamento mais intenso, mas é real. Se a sua Lua aspectar Marte por uma quadratura por sinos inteiros, isso pode mostrar o desconforto e fricção entre o que esses dois planetas significam, embora possa não se tornar muito óbvio até serem ativados por uma técnica de previsão, e não será tão intenso e direto quanto um aspecto baseado em graus ou orbes.

(2) Aspectos próprios. O que eu chamo de um aspecto apropriado é um aspecto baseado em grau: um que ocorre dentro de um certo número de graus, muitas vezes chamado de "orbe". Na astrologia moderna, os orbes são normalmente anexados ao tipo de aspecto em si: então, por exemplo, quando estudando astrologia moderna, aprendi que um trino tem um orbe de 6°. Então, se a Lua no mapa acima estiver em 25° Virgem, então o seu trígono exato é de 25° Capricórnio, mas qualquer planeta dentro de uma órbita de 6°, de um lado ou de outro daquele, estaria dentro do aspecto de trígono.

Mas na astrologia tradicional, os orbes são normalmente atribuídos a planetas, não aos próprios aspectos. Uma exceção é uma regra em textos gregos antigos, que diz que qualquer aspecto por grau é válido apenas em 3°. Assim, no caso da Lua acima, seu aspecto trígono é com 25° Capricórnio, mas qualquer planeta dentro de 3° de cada lado, estaria em trígono. Mas, no tempo dos astrólogos latinos, árabes e medievais, diferentes planetas receberam diferentes orbes. Aqui está uma lista de orbes tradicionais dos astrólogos persas e árabes:

Orbes típicas tradicionais (quantidade na frente e atrás)

Essas orbes são boas para os graus de cada lado de um planeta. Então, no mapa acima, Marte está em 15° Aquarius. Ele lança um raio sextil exato com 60 graus de distância, até 15° Aries. Mas porque ele tem um orbe de 9°, qualquer planeta dentro de 9° de cada lado estaria em sextil. Claro, se o seu orbe se sobrepusesse com o orbe desse outro planeta, então o outro planeta poderia estar mais longe do que 9° e ainda ser considerado como sendo um aspecto dentro dos orbes. Você pode ver que esses orbes são às vezes muito maiores do que o que estamos acostumados na astrologia moderna, e você pode se perguntar se esses olhar alargado é útil. Mas lembre-se de que a diferença entre os aspectos baseados em signos inteiros e os aspectos por grau é realmente de intensidade: dois planetas relacionados apenas por signo têm um mais fraco, menos intimo; mas os planetas que se aspectam por grau começam a se comunicar e se conectar diretamente entre si e, de fato, é precisamente o que o termo árabe para um aspecto de aplicação significa: conectar-se, comunicar-se.

(3) Aversões e cegueira. Um efeito dessa maneira de ver os aspectos e os aspectos é que, para muitos astrólogos tradicionais, não existem aspectos fora do signo, mas há conjunções fora do signo porque os próprios planetas são levados a ter uma aura sobre eles o que permite uma interação entre os limites dos signos. Assim, de acordo com os textos mais antigos, a Lua não está vislumbrando Saturno em um trígono fora do signo por orbes, porque aspectos fora do signo não são considerados. Mas ela o está aspectando por signos inteiros, um aspecto bem diferente!

Isso leva a um conceito muito importante, "aversão". Isso é algo que parece muito novo para os astrólogos modernos, mas na verdade não é diferente do que você já sabe. Classicamente, os planetas só podem ser conjuntos no mesmo signo (ou em uma conjunção por grau), ou podem se aplicar ou se afastar mutuamente, por signos inteiros, em sextil, quadratura, trígono ou oposição. Isso deixa de lado quatro signos da imagem: os signos vizinhos de cada lado do planeta (o segundo e o décimo segundo signo a partir do signo deles), e os planetas no sexto e oitavo signo a partir deles. A figura abaixo mostra o que quero dizer.

Planetas que estariam em aversão a Marte na Casa 10 (em branco)

Neste diagrama, Marte está na casa do décimo signo inteiro, e assim ele pode aspectar com um planeta lá, ou então estar em  aspecto com outros planetas por sextil, quadrado, trígono ou oposição (esses lugares estão todos cinzentos). Mas ele não pode estar em aspecto com nenhum planeta que estejam nos signos das casas 11 ou 9, ou o das casas 3 ou 5.  Dizem que esses lugares são "aversivos" a Marte: literalmente, "afastam-se" dele.

Agora, na astrologia moderna, há aspectos como o semi-sextil e o inconjunto, o que lhe permitiria planetas se aspectarem nesses signos. Então, você pode pensar que a astrologia tradicional tem um defeito, porque não permitimos esses aspectos. Mas aqui está a chave: essas posições não são aspectos, mas eles ainda significam algo.

Lembre-se de que a palavra "aspecto" significa "olhar". E quando os planetas lançam aspectos, eles aptos para lançar raios de luz. Mas, "olhando", "vendo" e "luz", sempre foram compreendidos em termos de conhecimento e controle: pense no que significa dizer, "vejo o que você quer dizer", ou ser "esclarecido", ou quando os políticos falam de "olhar para uma questão ", ou mesmo que alguma questão política esteja "na mesa", como se fosse algo sobre o qual eles examinarão e farão algo. Mas quando as coisas estão na escuridão e invisíveis, sugerem coisas que não são conhecidas, ou são ignoradas, que estão fora do alcance e inacessíveis ou - em um contexto psicológico - estão inconscientes ou estão sujeitas a negação.

Isso é o que significa, precisamente, que os planetas estão em aversão uns aos outros, ou especialmente quando um planeta está aversivo a um signo que ele governa: isso significa que há alguma desconexão, algum distanciamento, ignorância, não é visto. Em alguns contextos, pode até significar viagens (ou seja, não estar presente) ou agir sem muita informação. Deixe-me mostrar-lhe dois diagramas que ilustram isso filosoficamente e praticamente:

Lugares em aversão ao Ascendente (em branco)

Neste diagrama, vejamos o Ascendente (Áries). Por definição, as seguintes casas são aversivas ao Ascendente: a duodécima (Pisces), a segunda (Touro), a sexta (Virgem) e a oitava (Escorpião). Ao estar aversivo, esses lugares significam algo como ignorância, negação, etc. Bem, o que essas casas significam, tradicionalmente? A décima segunda significa inimigos, inimigos especificamente ocultos; a segunda significa posses e bens pessoais, mas também aliados pessoais; a sexta significa doenças e também subordinados, escravos e (medievalmente) vassalos; a oitava significa morte. Se pensarmos sobre esses significados, podemos ver como eles podem mostrar o tema da ignorância: um é ignorante dos inimigos escondidos (décima segunda); um também é ignorante e na negação da própria morte (oitava). A segunda e a sexta talvez não parecessem caber: afinal, não vemos e conhecemos nossas próprias posses e subordinados? Mas pense nisso. Em uma economia pobre, muitas vezes é difícil entender o que realmente está acontecendo com nossos recursos, qual é o seu valor e como podemos gerenciá-los bem. Da mesma forma, ao falar de aliados, às vezes é difícil saber e confiar nas suas intenções.

Para a sexta [casa], não podemos ver a doença chegar, mas também estamos no escuro sobre o que nossos subordinados e funcionários estão fazendo. Na Idade Média, o feudalismo era essencialmente uma pechincha entre um terrateniente (o Ascendente) e seus vassalos (a sexta). Em troca de certos favores e direitos da terra, os vassalos concordavam em apoiar o proprietário em tempos difíceis; mas você pode imaginar um senhor em seu castelo, questionando se seus vassalos estão se aproveitando dele, o que eles realmente têm em mente, e se ele pode [mesmo] contar com o apoio deles.

Se você olhar de outra maneira, as casas vizinhas do Ascendente representam ignorância sobre pessoas e coisas próximas (inimigos escondidos, aliados), enquanto a sexta e o oitava representam a ignorância sobre coisas e pessoas aparentemente muito distantes ou inferiores na ordem social (vassalos, morte).

Então, em um certo sentido filosófico, os lugares em aversão mostram pessoas e eventos reais em nossas vidas, mas onde nem sempre temos certeza de qual é a verdade sobre eles. Como eu disse antes, esses lugares não têm aspectos para o Ascendente (pois os aspectos implicam conhecimento e uma relação clara), mas eles ainda significam algo.

O que era ainda mais importante para os autores tradicionais, era um planeta em aversão ao seu próprio signo - ou seja, não sendo configurado por um aspecto de signo inteiro para seu próprio domicílio. Aqui está um exemplo:


Dê uma olhada em Vênus. Vênus sempre governa Taurus e Libra, mas nesse diagrama ela está aversiva a Touro (a décima primeira casa) porque é o signo adjacente a sua própria posição em Gêmeos. Agora, porque ela governa a casa de Touro, Vênus está tentando lidar com os assuntos da primeira casa. Mas ela está aversa a isso. O que isto significa? Deixe-me dar uma citada intrigante do livro de Sahl "On Elections":

"Porque um planeta que não faz seu próprio domicílio é como um homem ausente de sua própria casa, que não pode repelir nem proibir nada. Na verdade, se um planeta aspecta seu próprio domicílio, é como o mestre de uma casa que o protege: quem está na casa, teme-o e ele que está fora teme vir até ela." (On Elections, §§23b-c)

Em outras palavras, um aspecto ao próprio domicílio mostra uma relação de duas vias com a própria casa e as raízes. Por um lado, o aspecto do senhor mostra a proteção da casa, proporcionando sua significação e aperfeiçoando-a. Mas essa conexão também mostra que o senhor. por sua vez, é apoiado pela casa. Quando o senhor tem aversão, ele e a casa estão em carência, com perigo de trapaça, e o senhor está sendo enfraquecido e separado de sua casa. Provisão e proteção parecem ser aqui os conceitos-chave, e eles também estão relacionados às noções de casa, propriedade e pertencimento. Desta forma, casas, aspectos e aversões de todo o signo se encaixam perfeitamente. Este não é o caso em sistemas baseados em quadrantes.

Agora, Vênus estar em aversão à décima primeira não significa que sempre haverá pausas, diferenças e assim por diante nas amizades do nativo. Às vezes, podemos ver essas coisas claramente usando uma técnica de temporização, como uma profissão. Quando esta Vênus ou a décima primeira casa é ativada, normalmente devemos esperar que esses temas surjam. Talvez uma amizade seja dissolvida, talvez o nativo quebre relações com velhos amigos e faça novos, ou talvez os próprios amigos tenham experiências erráticas. Pode também significar apenas viagens. Ou, tome outro exemplo: suponha que o senhor da quarta (família, lar) esteja averso à quarta. Quando a quarta casa ou aquele senhor são ativados por uma técnica preditiva, devemos esperar a viagem ou falta de comunicação ou mal-entendidos no relacionamento do nativo com a família dele.

O que eu recomendo é que você olhe para o seu próprio mapa natal: interprete cada planeta por sua vez, e anote quais dos seus signos (se houver) estão em aversão e pense nessa área da vida - especialmente no contexto de um dispositivo de temporização, como profecções. Você deve encontrar temas de incomunicabilidade, mal-entendidos, viagens, ignorância, atuação impulsiva e sem informações, ou eventos que atrapalham alguém sem saber.

Exercício: veja o mapa a seguir e responda as perguntas abaixo. O mapa usa casas por signos inteiros.


1. Vênus está em aversão a algum dos seus domicílios? Em caso afirmativo, qual (is) qual (is)?

2. A Lua aspecta Júpiter por signo?

3. Marte está em aversão a um dos seus domicílios: qual é?

4. Use a tabela de orbes acima. Mercúrio está dentro de orbes apropriadas para um sextil com Saturno?

5. A Lua se opõe a Saturno por signos inteiros. Ela está dentro de orbes apropriadas para uma oposição baseada em graus e orbes com ele?



Capítulo 10
Benjamin Dykes, in Traditional Astrology for Today - An Introduction, Cazimi Press, Minneapolis, Minessota, EUA, 2011. Tradução de Claudio Fagundes (sujeita a revisão permanente).

O livro está à venda aqui:
https://www.amazon.com/Traditional-Astrology-Today-Benjamin-Dykes/dp/1934586226/ref=sr_1_4?ie=UTF8&qid=1497110339&sr=8-4&keywords=benjamin+dykes