domingo, 7 de maio de 2017

Libra, por Marcos Monteiro

Signo cardinal do ar, masculino.

A entrada de uma nova estação é marcada por Libra. No hemisfério norte, o outono; no hemisfério sul, a primavera.

Sendo o signo cardinal do ar, ele também é um signo da unidade, da novidade, que chama atenção sobre si, mas ao contrário de Aries (seu signo oposto), ele é úmido, se adapta.

Libra mantém a unidade adaptando-se ao ambiente, conformando-se. Ao contrário de Aries, ele não entra em conflito, mas, ao contrário de Câncer, ele não se isola.

Enquanto Gêmeos é o signo de ar juvenil, do aprendizado inconseqüente (e da mentira por descaso com o significado das palavras), Libra é o signo da comunicação, do uso do aprendizado para se relacionar com o mundo, para agradar (e da mentira para contemporizar, para acalmar os ânimos, para deixar todos contentes).

O símbolo de Libra é a balança, o instrumento que pesa e compensa diversas medidas, que se conforma e muda de acordo com o que é posto nela. É o signo da diplomacia, das relações humanas.

A qualidade primária de Libra é o início (signo cardinal) do pensamento (ar). É o pensamento, a mente, a palavra, se movendo para interagir. Apesar de ser o modo cardinal, é o ar adulto, porque é o início do diálogo, que é coisa de adultos.

Imagens librianas: o pavão, a balança, as leis (não o julgamento).

Marcos Monteiro, in Introdução à Astrologia Ocidental, Edição do Autor, 2013, p. 90.