terça-feira, 9 de maio de 2017

Peixes, por Marcos Monteiro

Signo mutável da água, feminino.

Último signo mutável, último signo da água e último do Zodíaco, encerrando as possibilidades de manifestação.

Ele não "resume" os outros signos, no entanto. Além de ser um contra-senso uma possibilidade ser um resumo ou uma recapitulação de outras, os signos podem ser pensados como direções do espaço, e uma direção não resume as outras.

Enquanto Gêmeos simboliza o aprendizado, conhecer todas as verdades que estiverem à mão (mutável do ar), Virgem simboliza a realização da mesma coisa até a perfeição, até atingir a verdade daquilo (mutável da terra) e Sagitário simboliza se conformar à única Verdade (mutável do fogo), Peixes simboliza o sentimento da verdade, ou a verdade dos desejos. A primeira que aparecer, qualquer uma.

A água é fria e úmida, não é estável. Se conforma ao recipiente em que for depositado e muda conforme muda o recipiente.

Da mesma forma, a verdade de Peixes, o seu ideal, muda. Se Touro é o signo mais fixo (fixo da terra, fria e seca), Peixes é o mais mutável (mutável da água, fria e úmida).

O animal símbolo de Peixes exemplifica isso de forma bastante boa. Os peixes nadam conforme a correnteza e mudam — o cardume todo — de direção sem muito esforço.

Peixes é o signo da indecisão, da intuição, da inspiração. Ao contrário de Virgem, ele não quer aprender uma única coisa, mas sentir o que estiver mais próximo.

É um signo extremamente fértil; é o último signo antes da explosão de vida da primavera, é quando as sementes plantadas em Capricórnio e que estavam dormentes em Aquário começam a se nutrir e se preparam para nascer.

A qualidade básica de Peixes é, como eu disse acima, a verdade dos desejos (água). Enquanto Câncer é o início dos desejos, os desejos básicos e necessários à vida, Escorpião simboliza os desejos adultos, a exploração das possibilidades do desejo, o êxtase, Peixe é a recepção da experiência dos desejos, é a recepção do conhecimento não racional da exploração dos desejos, são os desejos menos carnais, menos ligados ao corpo.

Coisas piscianas: o estereótipo mais comum do Rio de Janeiro (onde as coisas acontecem "por acaso", devido a afinidades imediatas, sem explicações racionais) e, por associação, a imagem mais turística do Brasil no estrangeiro; os peixes de forma geral (porque cada espécie é diferente da outra — ou seja, cada ideia é diferente da outra — mas os peixes de uma mesma espécie são muito parecidos uns com os outros - conformidade total a uma ideia); o improviso musical, a intuição. Por ser o fim do ciclo, renovação, batismo, renascimento.

Marcos Monteiro, in Introdução à Astrologia Ocidental, Edição do Autor, 2013, p. 95-6.