sábado, 13 de maio de 2017

A divisão dos Céus de acordo com o Movimento Primário, por Clélia Romano

As Casas terrestres dão significado especial aos signos e planetas relacionando-os com uma área da vida do nativo. Além disso, são responsáveis por conferir ao planeta a dignidade acidental, um aspecto muito importante e paralelo à dignidade essencial já estudada acima.

Chamamos Casas à divisão da carta de acordo com pontos por onde passam os céus, planetas e luminares durante as 24 horas do dia.

O céu inteiro é arrastado de Leste para Oeste sobre nossas cabeças devido ao chamado movimento primário, a rotação da Terra. Desta forma, a cada momento do dia diferentes constelações aparecem a Leste.

As casas são doze, como os signos. São numeradas em sentido contrário aos ponteiros do relógio, e tal numeração representa a ordem em que cada uma vai ascender.

Nem sempre a carta foi dividida em doze casas: em épocas muito antigas as casas mundanas eram divididas em Oito, o chamado sistema oktotopos. De acordo com Antiochus e Thrasyllus tal sistema foi atribuído a Nechepso, um rei egípcio. Manilius e Firmicus Mathernus, falam dos Oito locais ou Casas e sua descrição em Mathernus é praticamente uma condensação do atual significado. A Casa 1 tinha o mesmo sentido que tem hoje e a Casa 8 significava a morte, sendo que as casas intermediárias agrupavam dois dos sentidos atuais.

A divisão do círculo em 12 casas é atribuída a Hermes.

Inicialmente houve uma mistura dos dois sistemas, mas o sistema de 12 casas acabou predominando.

Clélia Romano, in Fundamentos da Astrologia Tradicional, Edição do Autor, 2011, p. 79. http://www.astrologiahumana.com/