segunda-feira, 20 de junho de 2016

Mapas de Empresas, por Catherine Aubier

Pode-se fazer o Tema astral de uma empresa, como se faz o de um ser humano? Não discutiremos sobre essa questão, que é, antes de tudo, um problema de ética e de concepção pessoal de astrologia.

De fato, nada se opõe, tecnicamente falando, ao estabelecimento do Tema de tudo o que nasce.

No que diz respeito a uma empresa, a única questão é determinar, justamente, o momento real desse nascimento: é o momento de sua criação ou o de sua oficialização? Pela lógica, dever-se-iam considerar a data, a hora e o local do encontro em que dois países decidem fabricar um avião chamado Concorde, por exemplo. Mas, na realidade, utiliza-se preferivelmente o momento do "nascimento oficial", pois é mais fácil de ser determinado precisamente.

Uma vez que o Tema esteja estabelecido, é interpretado exatamente como o de uma pessoa, exceção feita ao fato de que, como em astrologia mundial, a Lua representa o público e de que a descrição de personalidade dá lugar a um estudo de potencialidades.

É sempre desejável, nessa abordagem, que o Tema da empresa apresente semelhanças harmoniosas com o de seus dirigentes.

Nessa mesma óptica, previsões relacionadas ao futuro de uma empresa podem ser realizadas através do estudo dos trânsitos planetários em relação ao Tema de nascimento.