quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Direções (Catherine Aubier)


Chamam-se direções certos métodos de previsão. Existem três deles:

1) Direções simbólicas. Consistem em se fazer os planetas ou as cúspides de casas do Tema natal avançar um grau por ano de vida.

2) Direções secundárias. Chamadas também "progressões", estão baseadas numa frase da Bíblia: "Eu te darei um ano por cada um de teus dias". Tomamos, nas efemérides, a posição dos planetas no dia do nascimento e os fazemos progredir um dia por ano de vida.

Quando se estabelece um Tema completo a partir das direções secundárias, chama-se a isso Tema progredido! E um método muito utilizado nos países anglo-saxônicos.

Em seguida, comparam-se (nos dois casos) as posições obtidas com o Tema natal.

Por exemplo, a direção mais utilizada é Sol-Vênus: o ano em que um desses dois planetas chega à conjunção (ou sextil) com o outro indica freqüentemente um momento determinante da vida afetiva.

3) Direções primárias. As mais antigas. As mais complicadas também, pois necessitam de cálculos trigonométricos.

Baseadas na rotação da Terra em torno de si mesma, essas direções dependem ao mesmo tempo da hora e do local de nascimento; é por isso que são utilizadas às vezes para se retificar a hora. Sua elaboração complexa necessita de tábuas específicas e explicações que ultrapassam o âmbito desta obra. Para entendê-las é preferível consultar o livro de G. Gouchon, Les directions primaires simplifiées.

A onda crescente de programas de astrologia por computador permitirá, sem dúvida, aos praticantes utilizar novamente este método, que caiu em desuso devido à complexidade dos cálculos que exige.

A interpretação das direções é aproximadamente a mesma daquela dos trânsitos. Por exemplo, uma direção do Sol em conjunção com Saturno (ou de Saturno em conjunção com o Sol) terá uma significação semelhante àquela de um trânsito de conjunção Saturno sobre o Sol.