segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Livro: Plutão, por Puiggros


PLUTÃO

Puiggros

Sendo o último planeta descoberto e oficialmente aceito como tal, Plutão representa o limite, o "círculo intransponível" da nossa consciência atual. Planeta que, por isso mesmo, incrementa a superação dos limites, sua influência é representada na Natureza por um processo a princípio marcado pela destruição: o da semente que precisa apodrecer antes de se transformar numa nova planta. Por essa razão, afirma-se que Plutão não cria, mas transforma, re-cria, pois só após um período de morte aparente ou simbólica é que ele franqueia o acesso a novos mundos, a novos projetos e realizações.

Nas tradições ocultistas, ele é o Dragão, o guardião que se posta no limiar dos mundos inferiores; na psicologia de Jung, representa o inconsciente coletivo, as energias primitivas, que precisamos domesticar se não quisermos que elas nos devorem. Sua característica mais notável é a fuga do normal, do habitual, para entrar no campo do extraordinário; daí decorre sua relação com tudo o que é fantástico, milagroso.

Planeta das decisões importantes, o Autor começa este seu livro contando como se decidiu a escrevê-lo e de que modo vieram à luz as informações necessárias para a conclusão desta obra, definida por ele próprio como "uma experiência plutoniana".