segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

O habitual e o extraordinário (por Puiggros)

Plutão concentra, intensifica, transcende os limites. Em si mesmo, é neutro, mas tem a habilidade de levar uma situação, pessoa ou evento a ultrapassarem os limites comuns. Se a situação é de força, com Plutão é de "muito mais força"; se é de fraqueza, de "muito mais fraqueza". Plutão aprecia os extremos. Seu princípio consiste em sair do normal, do habitual, para entrar no campo do extraordinário; daí decorre a sua relação com todo o "fantástico" ou "milagroso".

Plutão encontra-se pleno de paradoxos ou contradições aparentes. Por um lado, com seu poder, transforma uma situação habitual numa situação extraordinária; mas Plutão é um planeta extremamente lento e muitas pessoas nasceram com ele no mesmo signo e situação, o que significa que aquilo que é individualmente extraordinário é, ao mesmo tempo, comum a um grande segmento da sociedade num momento determinado. Em outras palavras, muitas pessoas conseguem, de modo simultâneo, determinado nível extraordinário em algum aspecto definido. Isso equivale a dizer que Plutão devolve á categoria do habitual aquilo que anteriormente havia elevado ao nível do extraordinário.

É freqüente ouvir-se, da parte de alguns astrólogos, que somente as pessoas muito evoluídas respondem às energias de Plutão. No entanto, o que ocorre talvez seja o seguinte: certas habilidades extraordinárias passam despercebidas simplesmente pelo fato de que são temporalmente comuns a um numeroso grupo de pessoas.

As qualidades existentes em cada geração acabam por evidenciar-se porque se manifestam em cada um dos membros do grupo.