segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Plutão separa para unir (por Puiggros)

Essa transcendência dos limites, que pode manifestar-se de várias maneiras - seja pela proeza física,

Os planetas pesados, em função da tremenda potência de energia que representam, manifestam sua ação através do indivíduo, mas não a partir do indivíduo, como o fazem os planetas pessoais.

Em outras palavras, o homem é um canal para a sua manifestação; sua energia flui através de nós, mas é demasiado poderosa para permanecer em nós.

Quando a influência de Urano flui livremente através do indivíduo, este último pode tornar-se um gênio. Quando isso não. ocorre, quando é reprimida no interior, essa influência produz transtornos de tipo congestivo, condutas espasmódicas ou epilepsias de várias espécies. Se é Netuno o planeta que se manifesta de forma livre, encontramo-nos diante do protótipo de artista, de homem sensível, espiritualizado, e com possíveis conexões com outras dimensões da realidade; mas, se essa energia é acumulada e reprimida, transforma-se em veneno, prejudica a sensibilidade, e a pessoa se torna enfermiça e perde contato com a realidade básica.

O poder da vontade simbolizado por Plutão, quando flui, sem entraves, conduz o indivíduo à realização das maiores proezas, nada lhe sendo proibido; mas se ele não canaliza essa força, permitindo que se detenha em si, será presa fácil de todo tipo de obsessões. As compulsões ancestrais de todas as espécies controlarão sua conduta e ele perderá a oportunidade de projetar e de colocar em prática, por si próprio, seu futuro. Em outras palavras, o indivíduo anula sua força de vontade, anula-se a si mesmo, e tal coisa certamente é uma espécie de morte.

É possível dizer que Plutão representa a válvula de segurança do nível psicológico mais profundo. Se, quando existe muita pressão, essa válvula não se abre, é normal que uma pessoa estoure.