quarta-feira, 8 de junho de 2016

Revolução Solar: O Ascendente nos Signos, por Alexandre Volguini.

Os signos que ocupam a cúspide de cada Casa matizam, de modo evidente, a sobreposição de cada caso particular com suas significações próprias, mas é impossível fazer a lista de todas as variações possíveis. Como exemplo dessa coloração, citamos uma observação de Janduz; segundo ele,1 quando, nas pessoas nascidas sob o signo de Touro "anualmente, por Revolução Solar, Touro volta para a I Casa, o ano é bastante contraditório e até mesmo movimentado. Bons amigos, protetores ou pessoas que lhe têm consideração ajudarão a colocá-lo numa posição da qual, em seguida, sentirão ciúme ou inveja; o dinheiro emprestado ou confiado não voltará; a mulher ou o emprego provocarão mágoas ou desgostos". Embora os dados desse autor devam sempre ser utilizados com grande prudência, tendo em vista o número de erros, deformações e afirmações gratuitas existente em suas obras, creio ser essa observação correta.

Minhas conclusões pessoais me permitem dizer que o Ascendente anual no signo de Áries torna o nativo mais independente, mas também mais imprudente do que antes; essa orientação do céu anual inclina, com frequência, aos gestos impulsivos, às iniciativas um tanto improvisadas, às decisões prematuras e indica pouca paciência; essa posição é muitas vezes encontrada durante o ano em que o sujeito se estabelece por sua própria conta ou em que se liberta de uma dependência qualquer (como, por exemplo, a libertação de um prisioneiro, a liquidação de uma dívida). É geralmente o indício do começo de uma vida nova, a promessa (ou o desejo, caso o conjunto da Revolução Solar seja desfavorável) de modificação, que marca o ponto de partida de uma nova evolução. Essa posição do Ascendente anual aumenta a energia e pressagia frequentemente o surgimento de uma circunstância que ajuda a sair do meio inicial (social ou intelectual). E o sinal da renovação na existência. A intercepção de Áries na I Casa mostra também a aspiração a uma mudança libertadora, mas, na maioria das vezes, sem atingir a sua realização.

O Ascendente anual em Touro aumenta a sensualidade - fato que pode ser traduzido por alguns desvios de conduta; as questões pecuniárias levam a uma modificação nas relações e existe, com certa frequência, uma ligação entre as finanças e os sentimentos (como, por exemplo, os cálculos financeiros nos projetos sentimentais).

Sob o Ascendente anual em Gêmeos, a vida é visivelmente dominada por acontecimentos que atingem as pessoas próximas, e o indivíduo depende muito mais dos outros do que de sua própria vontade. As partidas ou, pelo contrário, as chegadas das pessoas pelas quais se tem afeição sempre têm lugar nos anos marcados por essa posição e, muito frequentemente, o próprio nativo se desloca para acompanhar ou reencontrar seus parentes. Sua receptividade é acentuada e os reencontros ou os novos conhecimentos (feitos, em geral, fora de sua casa) desempenham um papel importante.

O Ascendente anual em Câncer anuncia que os assuntos familiares ou domésticos, muitas vezes bastante anteriores ao início do ano, assumem maior importância. É uma posição favorável a tudo que diz respeito à política e à vida pública (evidentemente, se a Lua não estiver muito afligida), embora tenda a tomar o sujeito mais fechado e recolhido, pelo menos no que diz respeito às coisas que mais o preocupam. Esse Ascendente anual em Câncer acentua igualmente a emotividade e, por pouco que a Lua esteja afligida por Saturno (ou se encontre num signo saturnino), o ano é marcado pelas voltas ao passado e pelas fantasias nostálgicas; eventualmente, até pelos remorsos inúteis e mesmo por um complexo ou neurose de envelhecimento.

O Ascendente anual em Leão mostra que a vida sentimental ocupa o lugar central. Essa orientação descreve, com frequência, as disposições otimistas, muita vivacidade (sobretudo se o Ascendente se coloca na III, V ou XI Casas natais) e uma enorme vontade de viver. Da mesma forma, esta posição do  Ascendente anual marca frequentemente a época dedicada à expressão mais acentuada da personalidade, a uma espécie de êxito pessoal (no domínio indicado, seja pela Casa natal em que ele se encontra, seja pela Casa anual ocupada pelo Sol). Com o Sol mal colocado ou afligido, o sujeito é atingido pela falta de franqueza das pessoas próximas; muitas vezes, uma espécie de pudor ou orgulho o impede também de manifestar-se, fato que cria certa solidão moral.

O Ascendente anual em Virgem indica que o livre-arbítrio não tem um papel preponderante e que os conflitos de interesses devem ser temidos; é a posição da servidão, das obrigações de todos os tipos e da subordinação às pessoas ou às circunstâncias (muitas vezes, a ambas). O êxito exige diplomacia e astúcia. Essa orientação do céu anual enfatiza, de modo geral, as ocupações cotidianas sem grande envergadura e diz respeito, frequentemente, às questões práticas, aos meios de conservar ou assegurar o conforto, o bem-estar e, em suma, a situação (assim como os hábitos vigentes). Por último, as doenças infecciosas, microbianas, são muito comuns sob o Ascendente em Virgem, sobretudo se ele receber aspectos negativos.

O Ascendente anual em Libra permite prever, de modo geral, aproximações ou associações com pessoas que não são da família; com frequência, os estranhos oferecem mais satisfações que os parentes, pois esta é a posição por excelência da vida mundana e social (encontramo-la presidindo aos casamentos e às uniões de todos os tipos). Disso resultam a expansão das relações, da clientela, a adesão aos grupos e o recebimento de convites.

O Ascendente anual em Escorpião é uma posição de dificuldades de todas as espécies e descreve um ano de esforços perseverantes e de lutas, cujos resultados são, de maneira geral, bastante incertos. Esse Ascendente parece impelir o sujeito, de uma forma ou de outra — e, às vezes, até mesmo contra a sua vontade -, para os conflitos, os litígios e os processos. Estes últimos desempenham com frequência um papel muito importante nos anos marcados por essa orientação. É necessária uma Revolução Solar particularmente favorável para que esse Ascendente não pressagie um ano difícil, uma desagregação qualquer ou, então, uma morte no ambiente de convívio.

O Ascendente anual em Sagitário pressagia tanto a expansão da personalidade - isto é, dos interesses ou das tendências, ideias ou iniciativas novas -, como a expansão dos negócios que tornam o sujeito mais livre ou mais independente. É também indício certo de grandes viagens. Na mesma medida que a orientação anterior é penosa ou difícil, esta pode ser favorável e auspiciosa, caso, evidentemente, Júpiter e Plutão (que consideramos como regente de Sagitário) não estejam intensamente afligidos no tema anual.

O Ascendente anual em Capricórnio ressalta tudo o que diz respeito à situação, às vezes com mais intensidade que sua presença no Meio-do-Céu de nascimento; mas, se Saturno estiver hostil em algum grau, são inevitáveis as preocupações relativas a negócios. Essa posição parece aumentar a ambição e a perseverança.

O Ascendente anual em Aquário enfatiza a importância da vida social e das relações que, de alguma forma, são proveitosas, mas Urano mal aspectado provoca mudanças bruscas e inesperadas nas amizades. Essa orientação parece fazer o sujeito viver mais no futuro (e em função dos projetos) do que no presente.

O Ascendente anual em Peixes traz geralmente decisões inconstantes e uma tendência ao desencorajamento, ou uma espécie de fatalidade que leva o nativo a não ter uma visão clara e a não poder fazer projetos mais alentados. Neste caso, as circunstâncias são mais fortes que a sua vontade, mas há um acentuado sentido de oportunismo. É muito raro que essa posição não indique um ano difícil, mas existe, na presente configuração, uma espécie de "sorte passiva" que não evita, de maneira nenhuma, os aborrecimentos, mas que impede sempre o pior, e uma boa posição de Júpiter leva as dificuldades a se ajeitarem frequentemente sozinhas.

Notamos também que, se os ângulos de uma Revolução Solar coincidem com os pontos cardeais, estamos diante de um ano memorável, que contém grandes acontecimentos.

Como no tema natal, a intercepção de um signo numa Casa qualquer da Revolução Solar é muito importante e frequentemente perigosa, mas, em lugar da interpretação psicológica do tema de nascimento, temos, no mapa anual, uma influência acentuada sobre os acontecimentos. Mesmo sem planetas, as Casas que contêm signos interceptados marcarão fortemente durante o ano. Da mesma forma, a intercepção do signo de Leão na X Casa raramente é boa e, caso seja acompanhada pelas aflições do Sol, pode ser verdadeiramente catastrófica (nós a observamos nas Revoluções Solares da prisão e do cativeiro, assim como nos mapas de falência, de perda da situação e de desemprego). A intercepção de Touro na X Casa prejudica, de modo perceptível, a estabilidade da situação ou cria opressivas preocupações acerca de dinheiro. Ao contrário, a intercepção de Áries na I Casa anual melhora o efeito deprimente do Ascendente em Peixes e corresponde geralmente a uma pessoa que se curva diante das circunstâncias, mas que luta intensamente e sabe perfeitamente o que deseja.

Não seria difícil acrescentar, por dedução, a coloração particular dos signos zodiacais às significações das posições de todas as Casas anuais nas Casas natais, inspirando-se nesta lista de características do Ascendente nos signos e completando-a. Se o Ascendente anual se sobrepõe à VI ou à XII Casa natal (fato que constitui, como dissemos mais acima, um mau presságio para a saúde) e ocupa o signo de Touro, é necessário acrescentar aos significados dados a certeza das doenças da garganta ou dos ouvidos; se o Ascendente, no mesmo caso, se encontra em Capricórnio, as doenças da pele devem ser temidas, e assim por diante. A gravidade dessas perturbações depende do conjunto da Revolução Solar.

Ainda um exemplo: a XI Casa anual se sobrepõe à XII natal e se encontra no signo de Câncer; este signo permite dizer que os aborrecimentos ou confusões indicados por tal sobreposição provêm de uma mulher, talvez de um parenta afastada ou de uma amiga considerada como um membro da família. Se a configuração se encontra no signo de Libra, trata-se de uma pessoa mais ligada ao cônjuge que ao próprio sujeito. No signo de Gêmeos, será uma pessoa mais jovem que o nativo, enquanto a sobreposição em Capricórnio prova tratar-se de uma pessoa mais velha.