terça-feira, 7 de junho de 2016

Revoluções Solares: A sobreposição da Casa VII anual nas casas natais, por Alexandre Volguini.

A VII Casa anual na I Casa natal significa que a vida social desempenha um papel importante durante o ano. Nos signos mutáveis, essa sobreposição denota tendências mais ou menos contraditórias: às vezes, o próprio sujeito não sabe bem o que deseja, hesita entre seus desejos ou ideias e as sugestões provenientes do meio ambiente. É também indício de um empreendimento muito grande do cônjuge.

A VII na II parece favorecer (ou desfavorecer, de acordo com os planetas) os ganhos provenientes de diferentes fontes: a VII Casa, nesta posição, associa à fonte principal dos ganhos do sujeito uma possibilidade de ganhos simultâneos. Algumas vezes, essa sobreposição age como a da II Casa anual na VII natal (da qual falamos mais acima), mas, na maioria das vezes, anuncia a multiplicação das fontes de ganhos ou indica o dinheiro proveniente dos processos.

A VII na III predispõe às divergências de opiniões com o cônjuge ou com os sócios. Como a III é a Casa das amantes nos temas masculinos — e, algumas vezes, dos amantes, nos temas femininos -, essa configuração marca frequentemente a traição do cônjuge ou do sujeito. Uma vez que a significação principal da VII Casa é a de dar um complemento ao nativo (ou à coisa representada pela I Casa), enquanto a III governa os deslocamentos, essa sobreposição anuncia geralmente a necessidade de repetir uma viagem ou de fazer várias diligências para ter êxito em assuntos litigiosos.

A VII na IV, dignificada, essa sobreposição favorece os contratos e as relações de negócios com as pessoas de idade (já que a IV Casa natal é a do fim da vida). Ela parece ter também uma relação com os processos de sucessão, com as hipotecas imobiliárias e com os contratos.  No Ocidente, é frequentemente esquecido o fato de que o signo de Gêmeos (signo inicial da III Casa) é, antes de tudo, o signo da polaridade sexual e da atração sexual.

A VII na V implica, nos temas dos celibatários, a questão da regularização de uma ligação (que pertence ao domínio da V Casa) através do casamento (uma das significações principais da VII Casa). Dignificada, essa sobreposição é muito favorável para os contratos relacionados, de alguma forma, com a arte, as joias e os prazeres, assim como para os concursos. Algumas vezes, ela marca a rivalidade amorosa ou o casamento dos filhos (o que depende do conjunto do tema).

A VII na VI com os maléficos, leva sempre a temer complicações das doenças ou recaídas. Se a VI Casa é considerada no sentido do trabalho obrigatório, essa sobreposição marca o aumento do trabalho: ela pode ser encontrada, por exemplo, no tema de um empregado que é obrigado a assumir uma parte do trabalho de seu colega enfermo. Como a VI Casa é a dos animais domésticos, essa configuração influencia também o cruzamento dos pequenos animais. Por último, às vezes, ela age como a sobreposição inversa da VI Casa anual na VII natal.

A VII na VII reforça as indicações do tema natal.

A VII na VIII, de modo geral, diz respeito aos resultados favoráveis ou não dos processos, ou denota contratos referentes a dinheiro capitalizado (compra ou venda de ações, rendimentos etc). Com Netuno, essa configuração pode conduzir à descoberta de uma falta cometida pelo cônjuge ou sócio. Com Marte, a sobreposição pressagia discussões e até mesmo desavenças, quer a respeito de dinheiro, quer acerca de uma coisa passada ("morte" em analogia com a natureza da VIII Casa). Com Urano, trata-se do perigo de perda ou roubo de um título, ação, rendimento etc. ...ou mesmo de um objeto antigo.

A VII na IX trata das associações, dos contratos e das aproximações feitas com estrangeiros ou no decorrer de longas viagens; relaciona-se igualmente a uma colaboração científica e literária.

A VII na X significa, muito frequentemente, que a situação depende de processos ou de uma associação. Com os maléficos, indica lutas e concorrência na profissão ou pela situação; além disso, é indício das flutuações de negócios causadas por intervenções de outrem. Essa posição pode também marcar o casamento ou o novo casamento da mãe no tema dos filhos.

A VII na XI leva os solteiros a serem os acompanhantes de honra nos casamentos. Nos signos de Fogo ou com os planetas voluntários, é indício da necessidade de lutar pela realização de seus projetos e ambições. Indica igualmente mudanças nas relações com os amigos; com Vênus, é possível prever aproximações; com Saturno, afastamentos; com Netuno, complicações caóticas que tornam muito incertas as relações etc.

A VII na XII é desfavorável para a vida social e provoca complicações e aborrecimentos relativos aos processos, contratos, associações ou à vida conjugai. Algumas vezes, a configuração marca o enfraquecimento geral da saúde do cônjuge ou sócio, ou ações desleais, intrigas e mentiras deste, ou ainda uma união secreta, oculta.